Zaretis itys

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaZaretis itys
Vista superior do macho de Z. itys.
Vista superior do macho de Z. itys.
Vista inferior do macho de Z. itys.
Vista inferior do macho de Z. itys.
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Classe: Insecta
Ordem: Lepidoptera
Subordem: Papilionoidea
Família: Nymphalidae
Subfamília: Charaxinae[1]
Tribo: Anaeini
Género: Zaretis
Hübner, [1819][1]
Espécie: Z. itys
Nome binomial
Zaretis itys
(Cramer, [1777])[1]
Ilustração do ano de 1779 mostrando a fêmea de Z. itys[2], retirada da descrição de seu tipo nomenclatural por Pieter Cramer e contida na obra De uitlandsche kapellen: voorkomende in de drie waereld-deelen Asia, Africa en America = Papillons exotiques des trois parties du monde, l'Asie, l'Afrique et l'Amérique.[3]
Sinónimos
Papilio itys Cramer, [1777]
Zaretes (sic) itys Fruhstorfer, 1909
Anaea itys
(Markku Savela)[1]
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Zaretis itys

Zaretis itys (denominada popularmente, em português, borboleta-folha[4], folha-seca[5] ou canoa-rosa; em inglês, Itys Leafwing ou Skeletonized Leafwing)[6] é uma borboleta neotropical da família Nymphalidae e subfamília Charaxinae[1], encontrada na Mata Atlântica do Brasil (Rio de Janeiro e Espírito Santo: subespécie Z. itys itylus (Westwood, 1850))[7] e do México (Chiapas)[2] até a bacia do rio Amazonas, Peru e Bolívia (subespécie Z. itys itys).[6][7] Foi classificada por Pieter Cramer, com a denominação de Papilio itys, em 1777 e com seu tipo nomenclatural coletado no Suriname.[1] Suas lagartas se alimentam de plantas do gênero Casearia[8], Ryanea e Laetia.[1][9]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Adultos desta espécie, do sexo masculino, vistos por cima, possuem as asas de contornos falciformes e com envergadura chegando a até 6.4 centímetros[6], de tonalidade marrom-alaranjada; além de apresentar uma área enegrecida na metade superior e exterior das asas anteriores. Vistos por baixo, apresentam a semelhança com uma folha seca, com desenhos mosqueados que fazem lembrar o ataque de fungos; além de apresentar prolongamentos, em suas asas posteriores, lembrando pecíolos foliares.[10] Fêmeas apresentam uma área descorada na metade apical de suas asas anteriores.[2]

Hábitos[editar | editar código-fonte]

Espécies do gênero Zaretis podem ser encontradas em floresta de transição, estacional[8], sendo também encontradas em ambiente de cerrado.[11] São ativas nas horas quentes do dia, se alimentando das substâncias resultantes da fermentação em frutos e exsudações em troncos de árvores[4] ou folhagem.[10]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g Savela, Markku. «Zaretis itys» (em inglês). Lepidoptera and some other life forms. 1 páginas. Consultado em 4 de julho de 2018 
  2. a b c Warren, Andrew D. (2009). «Zaretis i. itys (Cramer, 1777)» (em inglês). Butterflies of America. 1 páginas. Consultado em 4 de julho de 2018. Zaretis itys itys (♀) MEXICO: CHIAPAS 
  3. Pieter Cramer; Caspar Stoll (1779). «Volume 2 of "De uitlandsche kapellen: voorkomende in de drie waereld-deelen Asia, Africa en America = Papillons exotiques des trois parties du monde, l'Asie, l'Afrique et l'Amérique" - Plate CXIX» (em inglês). Biodiversity Heritage Library. 1 páginas. Consultado em 4 de julho de 2018 
  4. a b OTERO, Luiz Soledade; MARIGO, Luiz Claudio (1990). Borboletas. Beleza e comportamento de espécies brasileiras 1ª ed. [S.l.]: Marigo Comunicação Visual. p. 76. 128 páginas. ISBN 85-85352-01-9 
  5. SANTOS, Eurico (1985). Zoologia Brasílica, vol. 10. Os Insetos 2ª ed. [S.l.]: Itatiaia. p. 44. 244 páginas 
  6. a b c PALO JR., Haroldo (2017). Butterflies of Brazil / Borboletas do Brasil, volume 2. Nymphalidae 1ª ed. São Carlos, Brasil: Vento Verde. p. 1320-1321. 1.728 páginas. ISBN 978-85-64060-10-4 
  7. a b «Family NYMPHALIDAE Rafinesque, 1815 – BRUSHFOOTS» (em inglês). Butterflies of America. 1 páginas. Consultado em 4 de junho de 2018 
  8. a b MORELLATO (org.), L. Patricia C. (1992). História Natural da Serra do Japi. Ecologia e preservação de uma área florestal no Sudeste do Brasil 1ª ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP/FAPESP. p. 154-155. 322 páginas. ISBN 85-268-0223-2 
  9. Mielke, Carlos G. C.; Mielke, Olaf; Casagrande, Mirna M. (junho de 2004). «Figuras 1-4. Zaretis itys itylus: (1) macho, vista dorsal; (2) vista ventral; (3) fêmea, vista dorsal; (4) fêmea, vista ventral.» (em inglês). ResearchGate. 1 páginas. Consultado em 4 de julho de 2018 
  10. a b Camerar (29 de setembro de 2017). «Zaretis itys» (em inglês). Flickr. 1 páginas. Consultado em 4 de julho de 2018. Madre de Dios - Lago Soledad, ARCC, Peru - 230m 
  11. Santos, Jessie Pereira dos; Freitas, Andre Victor Lucci; Constantino, Pedro de Araujo Lima; Prado, Marcio Uehara. «Guia de identificação de tribos de borboletas frugívoras - Cerrado» (PDF). Icmbio.gov.br. 1 páginas. Consultado em 4 de julho de 2018 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Zaretis itys
Ícone de esboço Este artigo sobre lepidópteros, integrado no Projeto Artrópodes é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.