Alcatos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Alcatos, na mitologia grega, foi um filho de Pélope,[1] irmão de Tiestes e Atreu [carece de fontes?] e pai de Peribeia.[2]

Alcatos teve duas esposas, a primeira, chamada Pyrgo, e a segunda, Euachme, filha de Megareu.[3]

Pausânias relatou as várias lendas associadas a Alcatos, como ele ouviu em Mégara, para, sem seguida, criticar as lendas e apontar contradições.[2]

Ovídio também menciona Alcatos, porém colocando a construção das muralhas de Mégara por Alcatos antes do reinado de Niso: Ele (Minos) reuniu um grande exército em volta das muralhas construídas por Alcatos, onde reinava em esplendor o rei Niso.[4]

Rei de Mégara[editar | editar código-fonte]

Lendas de Mégara relatadas por Pausânias[editar | editar código-fonte]

Depois de o filho do Rei Megareu, Euippus, ter sido morto por um leão de Citerão, Megareu oferece a sua filha e o reino a quem eliminasse o leão.[1] Megareu estava sem herdeiros homens, porque seu filho mais velho, Timalcus, havia sido morto por Teseu, durante a campanha dos Dióscuros contra Afidna.[1] Alcatos cumpriu a tarefa, matou o leão, tornou-se genro e mais tarde foi o sucessor de Megareu.[1] Como agradecimento, construiu em Mégara um templo para Ártemis (a caçadora) e Apolo (o caçador).[1] Também reconstruiu a muralha da cidade de Mégara, onde se diz que teve o auxílio de Apolo.[5]

Críticas de Pausânias às informações de Mégara[editar | editar código-fonte]

Pausânias não aceita que Timalcus estivesse presente no ataque dos Dióscuros contra Afidna, porque isso não foi registrado por nenhum historiador.[2] Além disso, Álcman escreveu um poema sobre os Dióscuros, no qual eles capturam Atenas, levam a mãe de Teseu captiva, enquanto Teseu estava ausente.[2] Segundo Pausânias, os megareus sabiam a história real, mas tentavam esconder, porque Mégara havia sido capturada durante o reinado de Niso [Nota 1] e que a sucessão foi passada de sogro para genro: Niso para Megareu, e Megareu para Alcatos.[6]

Conclusão de Pausânias[editar | editar código-fonte]

Pausânias conclui que Alcatos chegou de Élis no momento em que Niso havia sido morto e Mégara havia perdido tudo, inclusive tendo suas muralhas sido destruídas pelos cretenses; a evidência disto é que Alcatos construiu a muralha de Mégara.[7]

Reinado[editar | editar código-fonte]

Segundo Pausânias, Mégara era um reino tributário a Atenas, tanto que Alcatos enviou sua filha Peribeia como tributo a Minos, durante a viagem que Teseu fez.[8] Peribeia se casou com Telamon, filho de Éaco; o filho do casal, Ájax, foi o sucessor de Alcatos.[9] Outra filha foi Iphinoe, que morreu virgem; na época de Pausânias, as virgens de Mégara ofereciam um cacho de seus cabelos a Iphinoe, antes do casamento.[10]

Alcatos teve dois filhos homens, Ischepolis, o mais velho, e Callipolis.[11] Ischepolis foi enviado para ajudar Meleagro, e foi morto pela besta selvagem da Etólia.[11] [Nota 2] Callipolis, o primeiro a ouvir a notícia da morte do irmão, correu para avisar o pai, quando este estava fazendo um sacrifício a Apolo; ao derrubar a lenha do altar por acidente, ele foi morto por Alcatos, julgando-o culpado de impiedade.[11] Por causa desta morte, Alcatos teve que ser purificado por Polyidus, filho de Coeranus, filho de Abas, filho de Melampo.[12]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Caixa de sucessão baseada em Pausânias:

Precedido por
Niso ou Megareu
Rei de Mégara
Sucedido por
Ájax

Notas e referências

Notas

  1. Minos derrotou Niso durante a guerra que ele travou contra Egeu, rei de Atenas e irmão de Niso
  2. A besta selvagem é o javali de Calidão

Referências