Alexandre da Polônia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alexandre I
Aleksander Jagiellończyk
Rei da Polônia
Alexander of Poland.PNG
Alexandre I da Polônia por Marcello Bacciarelli
Governo
Reinado 12 de dezembro de 1501 - 19 de agosto de 1506
Coroação 12 de dezembro de 1501 na Catedral de Wawel
Rainha Helena de Moscou
Antecessor Jan I Olbracht
Sucessor Sigismundo I, o Velho
Dinastia Gediminidas
Jaguelônica
Títulos Grão-duque da Lituânia
Vida
Nascimento 5 de agosto de 1461
Cracóvia, Polônia
Morte 19 de agosto de 1506 (45 anos)
Vilnius, Lituânia
Sepultamento Catedral de Vilnius, Vilnius,
Lituânia (1506)
Pai Casimiro IV
Mãe Isabel da Áustria
Assinatura Assinatura de Alexandre IAleksander Jagiellończyk

Alexandre, o Jaguelônico (em lituano: Aleksandras Jogailaitis; em polonês: Aleksander Jagiellończyk) (Cracóvia, 5 de agosto de 1461 – Vilnius, 19 de agosto de 1506), Grão-duque da Lituânia e depois também Rei da Polônia;[1] era o quarto filho de Casimiro IV, o Jaguelônico. Foi eleito Grão-duque da Lituânia após a morte de seu pai (1492), e Rei da Polônia após a morte de seu irmão Jan I Olbracht (1501).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Brasão de Alexandre I

A escassez de fundos para governar obrigou Alexandre a ser subserviente ao Senado (Sejm) e à nobreza (szlachta) polonesa, que o privaram do controle sobre a Casa da Moeda (então uma das fontes mais lucrativas de receita para os reis da Polônia), reduziram suas prerrogativas, e, geralmente, esforçaram-se para reduzi-lo a uma posição subordinada. Por falta de fundos, Alexandre foi incapaz de resistir ao Grão-mestre dos Cavaleiros Teutônicos ou impedir que o Grão-duque da Moscóvia, Ivã III, juntamente com os tártaros, assolassem o Grão-Ducado da Lituânia. O máximo que o grão-duque da Lituânia podia fazer era reforçar as defesas de Smolensk e de outras fortalezas e colocar sua esposa Helena, filha do czar, para mediar uma trégua entre seu sogro e ele mesmo após a desastrosa batalha de Vedrosha (1500). Nos termos da trégua, a Lituânia teve de entregar cerca de um terço do seu território para o nascente Estado expansionista russo.

Durante seu reinado, a Polônia sofreu muita humilhação nas mãos do seu principado vassalo, a Moldávia. Somente após a morte de Estêvão, o grande hospodar da Moldávia, foi que a Polônia ainda pode manter seu domínio sobre o rio Danúbio. A grande ajuda recebida por Alexandre veio do Papa Júlio II, que emitiu nada menos do que vinte e nove bulas em favor da Polônia e concedeu a Alexandre o óbolo de São Pedro e outras ajudas financeiras, permitindo-lhe conter um pouco a arrogância da Ordem Teutônica.

Alexandre nunca se sentiu em casa, na Polônia, e sempre que possível, procurou agradar a seus companheiros lituanos, sendo o mais notável deles, o magnata Michael Glinski, que justificou a confiança através de sua grande vitória sobre os tártaros em Kleck (5 de agosto de 1506), a notícia esta que foi trazida para Alexandre em seu leito de morte, em Vilnius.

Em 1931, durante a restauração da catedral de Vilnius, o esquecido sarcófago de Alexandre foi descoberto, e desde então foi colocado em exibição.

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

  1. Jerzy Jan Lerski, Piotr Wróbel, Richard J. Kozicki. Historical dictionary of Poland, 966-1945. [S.l.]: Greenwood Publishing Group, 1996. isbn 978-0-313-26007-0.

Wikisource  "Alexander (king)". Encyclopædia Britannica (11th). (1911). Ed. Chisholm, Hugh. Cambridge University Press. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por:
Casimiro IV da Polônia
Grão-duque da Lituânia
1492–1506
Sucedido por:
Sigismundo I, o Velho
Precedido por:
Jan I Olbracht
Rei da Polônia
1501–1506


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Alexandre da Polônia