Aramina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Aramina
Bandeira desconhecida
Brasão de Aramina
Bandeira desconhecida Brasão
Hino
Aniversário 04 de Abril
Fundação 1965
Gentílico araminense
Prefeito(a) Luiz Fernando dos Santos (PSD)
(2013–2016)
Localização
Localização de Aramina
Localização de Aramina em São Paulo
Aramina está localizado em: Brasil
Aramina
Localização de Aramina no Brasil
20° 05' 24" S 47° 47' 09" O20° 05' 24" S 47° 47' 09" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Ribeirão Preto IBGE/2008[1]
Microrregião Ituverava IBGE/2008[1]
Distância até a capital 439 km km
Características geográficas
Área 202,704 km² [2]
População 5 150 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 25,41 hab./km²
Altitude 614 m
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,794 alto PNUD/2000[4]
PIB R$ 71 476,728 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 13 583,57 IBGE/2008[5]
Página oficial

Aramina é um município brasileiro do estado de São Paulo e se localiza a 44km de Uberaba, Minas Gerais que é umas das principais cidades do Brasil.


História[editar | editar código-fonte]

Em 1904, Aramina era uma estação ferroviária da Companhia Mogiana de Estradas de Ferro, construída em terras doadas por Antônio Scandiuzzi, um imigrante italiano. Antônio Torrezan, natural de Treviso na Itália, era administrador da Fazenda Fortaleza em Ribeirão Preto, propriedade de João Maciel, que em 1890, adquiriu uma grande área de terras na margem esquerdado rio Grande, onde fazia suas caçadas de antas, capivaras e veados. Era a fazenda Poçãozinho que passou a ser chamada fazenda São João pelo novo proprietário.

Para formar lavouras de café na fazenda São João, Antõnio Torrezan trouxe de Santa Bárbara do Oeste, alguns imigrantes italianos, inclusive Antônio Scandiuzzi, que por força de um contrato trabalhou durante seis anos. Uma de suas filhas Tereza Scandiuzzi, casou-se com o administrador Antônio Torrezan. Em 1902, seu pai compra pela importância de seis contos de réis uma fazenda junto ao córrego Paraíso. A partir de 1903, foi aberta a picada para o avançamento da estrada de ferro. Uma pequena estação devia ser construída, além do córrego Paraíso, mas acabou sendo edificada em terras mais arejadas, doadas por Antônio Scandiuzzi. Em torno da estação, novas casas surgiram, formando um povoado.

Na região era encontrado em abundância um pequeno arbusto, uma espécie de carrapicho conhecido por aramina que deu o nome á estação ferroviária, e depois ao povoado, que em 1934 pelo Decreto 6761 de 10/10/1934 tornou-se distrito passando a município em 28 de fevereiro de 1964 pela lei 8.092. Com o Golpe Militar de 31 de março, a instalação estendeu-se até 4 de abril de 1965. Fonte: Pelos caminhos da história de Santa Rita do Paraíso, Sebastião Angelo de Souza, 1985.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 20º05'25" sul e a uma longitude 47º47'09" oeste, estando a uma altitude de 614 metros. Sua população estimada em 2004 era de 5 122 habitantes.

Possui uma área de 202,704 km².

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2000

População total: 3.763

  • Urbana: 3.145
  • Rural: 618
  • Homens: 2.423
  • Mulheres: 2.340

Densidade demográfica (hab./km²): 23,50

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 10,80

Expectativa de vida (anos): 74,19

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,31

Taxa de alfabetização: 89,52%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,794

  • IDH-M Renda: 0,700
  • IDH-M Longevidade: 0,820
  • IDH-M Educação: 0,861

(Fonte: IPEADATA)

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

  • Ribeirão Tabocas
  • Córrego do Paraíso

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Administração[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.