São Joaquim da Barra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Município de São Joaquim da Barra
Bandeira de São Joaquim da Barra
Brasão de São Joaquim da Barra
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 30 de maio
Fundação 30 de maio de 1898 (116 anos)
Gentílico joaquinense
Lema Joia da Alta Mogiana
Prefeito(a) Marcelo de Paula Mian (Partido dos Trabalhadores (PT))
(2013–2016)
Localização
Localização de São Joaquim da Barra
Localização de São Joaquim da Barra em São Paulo
São Joaquim da Barra está localizado em: Brasil
São Joaquim da Barra
Localização de São Joaquim da Barra no Brasil
20° 34' 51" S 47° 51' 18" O20° 34' 51" S 47° 51' 18" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Ribeirão Preto IBGE/2008[1]
Microrregião São Joaquim da Barra IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Guará (N); São José da Bela Vista (E); Orlândia (S); Morro Agudo (SO), Ipuã (O)
Distância até a capital 396 km
Características geográficas
Área 412,271 km² [2]
População 46 524 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 112,85 hab./km²
Altitude 625 m
Clima Tropical Semi-úmido Verão 30 35°, Inverno 15 10°
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,81 muito alto PNUD/2000[4]
PIB R$ 721 873,166 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 15 767,62 IBGE/2008[5]
Página oficial

São Joaquim da Barra é um município brasileiro do estado de São Paulo. Localiza-se a uma latitude 20º34'53" sul e a uma longitude 47º51'17" oeste, estando a uma altitude de 625 metros. Sua população estimada em 2004 era de 44.472 habitantes.

História[editar | editar código-fonte]

O município já se chamou Jussara, São Joaquim de Oiçaí, São Joaquim de Nuporanga, Capão do Meio e São Joaquim, acrescentou-se da Barra ao nome por causa do córrego da Barra divisor dos municípios de Ipuã e São Joaquim da Barra. Pouso habitual de viajantes e tropeiros no percurso entre Ipuã e Nuporanga.

O município surgiu no início do século XIX, devido ao êxodo dos moradores do sul da Província de Minas Gerais, atraídos pela riqueza da terra, pelo clima agradável e boas aguadas. Nascia o povoado de São Joaquim quase 100 anos depois disto, em 1898. Trilhos da Companhia Mogiana e da primeira casa de comércio na estrada que ligava Batatais e Nuporanga a Sant’Ana dos Olhos d’Água(hoje Ipuã) foram motivos do crescimento do município.

Os primeiro Moradores e Fundadores entre os quais Manoel Gouveia de Lima e seu irmão João Miguel de Lima, João Batista da Silveira e Francisco de Lima,espalhados pelas beiras de córregos e riachos sentiram a necessidade de maior convívio social e organizaram uma comissão para obter fundos e adquirir algumas terras que constituíssem patrimônio de uma povoação. José Esteves de Lima arrematou em leilão público, na comarca de Nuporanga, em 21 de janeiro de 1895, uma área situada na fazenda “São Joaquim”.Juntamente com eles veio também o Sr. Manoel Damásio Ribeiro o primeiro a montar uma casa de comercio denominada "Casa Damásio".

Um dos desbravadores está o grande e abastado fazendeiro, criador de gado e capitalista, Francisco Garcia Borges ou Francisco Lucas Borgese, que com sua contribuição, fundaram a primeira capela no então criado povoado. Nascido em 1844 no seio de tradicional e abastada família de fazendeiros, membros da chamada aristocracia rural cafeeira, estabelecidos em Minas Gerais e São Paulo com raízes na aristocracia europeia. Formavam o topo da elite do Império, tendo sua família ajudado mesmo a financiar as despesas do Brasil com a Guerra do Paraguai. Aprendeu piano com a mãe. Recebeu as primeiras lições em casa como era costume na família baseado na educação cristã católica, devido a tradição familiar de fidelidade à Igreja. De alcunha "Coronel Chico Lucas" , altíssimo, muito claro, longa cabeleira caída sobre os ombros, olhos conspícuos e oblongos, próprios da raça, tinha qualquer coisa das figuras do antigo testamento. O sobrenome Lucas ter-lhe-ia vindo do sobrenome paterno. Casou-se duas vezes. Do primeiro casamento teve 2 filhos, do segundo teve 10 filhos. Deixou numerosa descendência da qual exercia tremenda autoridade sobre até a idade adulta. Orgulhoso do nome e do prestígio de sua família, a defendia de todos. Depois de uma briga, matou um juiz local e toda sua família para não ter retaliação, por terem invadido sua fazenda e ofendido moralmente a honra dos Garcia Borges. Vivia de juros, concentrava todo seu interesse no dinheiro. Tinha a obsessão da posse. Francisco Borges era conhecido por ser extremamente irascível, temperamento típico da sua raça. Em 1888, quando ouve a abolição da escravatura, possuía no total 480 escravos, dos quais 70% eram homens e 60% africanos. Grande escravocrata, não concordou com a abolição, pois não aceitara perder escravos sem ser indenizado, já que a abolição lhe traria uma perda econômica e financeira imensa. Participou ativamente junto com outros fazendeiros a favor do regime republicano derrubando a monarquia do Império do Brasil. Foi um grande filantropo ajudando financeiramente instituições da região. Com a morte do seu pai e fiel protetor, o Coronel Borges em meados de 1885, foi sucessor da sua grandiosa fortuna no valor de 850 contos de réis, equivalentes a 850 Kg. de ouro na época e, hoje em dia, considerando a gr. do ouro R$ 90,00 temos R$ 76,5 milhões em 2011. Deixou fazenda com gado, canavial e mais de 1 milhão de pés de cafés plantados. O Coronel Borgese e sua esposa eram de ricas e tradicionais famílias. O pai do "Chico Lucas" transferiu-se para o Brasil onde foi um grande fazendeiro e capitalista. Diziam os relatos da época que seu pai, o Coronel Borges era conhecido por sua altivez, pois a soberba era característica dos Borges, que conseguiam o que queriam de um jeito ou de outro usando da influência e do dinheiro que dispunham; e de sempre impor sua vontade, caso fosse contrariado, logo puxava uma arma da cintura e resolvia a seu "modo". As coisas eram como eles impunham e ponto. Os membros dessa família possuíam um temperamento explosivo. Bastava alguém se intrometer em seus caminhos, que de imediato eram atacados e mortos pelos mesmos. O poder e autonomia do seu pai era muito grande. Chegou a ponto de dizer para uma autoridade local: " No Brasil manda o imperador, nesta redondeza e nas minhas terras mando eu."

Era um dos proprietários da Fazenda São Joaquim, localizado hoje na área que é a cidade de São Joaquim da Barra. Foi proprietário das fazendas Santo Antonio, São José, Alegria e mais 7 fazendas no Oeste Paulista e no sul de Minas Gerais. Faleceu em julho de 1907 aos 55 anos de arteriosclerose generalizada na sede de sua fazenda deixando uma enorme fortuna a sua mulher, a portuguesa Marianna Francisca da Rocha e aos 12 filhos. Era um dos mais ricos e poderosos fazendeiros da região. Mas nem todo o poder, riqueza, terras e cafezais dos Lucas Garcia Borges foram suficientes para salvar a família com a crise da Grande Depressão de 1929. Encontra-se sepultado no cemitério de São Joaquim da Barra ao lado de sua mulher. Alguns de seus descendentes passaram assinar Borges. No Livro do Dr. Antônio de Almeida Prado, pág.68, há citações sobre a vida deste grande desbravador.

A 30 de maio de 1898, José Esteves de Lima sua mulher Maria Theodora da Conceição assinaram a escritura de doação para o patrimônio de uma capela de São Joaquim. Inúmeras pessoas chegaram então de territórios vizinhos ou distantes, entre elas italianos, espanhóis e portugueses.

Em 1901, começou a construção da primeira capela que teve como padroeiro, São Joaquim e o Distrito de São Joaquim foi criado pela Lei Estadual nº 859, de 6 de dezembro de 1902.

Em 19 de dezembro de 1906 foi levado a categoria de vila pela lei nº 1038. Criado o município pela lei estadual nº 1588 de 16 de dezembro de 1917, com território desmembrado de Orlândia, elevando sua sede à categoria de cidade.

Em 30 de novembro de 1944, pelo Decreto Lei Estadual nº 14374, o nome foi mudado para São Joaquim da Barra.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Possui uma área de 412,271 km².

A topografia do município apresenta-se ondulada, em baixadas e espigões, cujas altitudes variam entre 400 a 625 metros.

O relevo faz parte do planalto Meridional do Brasil.

A altitude máxima é de 625 metros acima do nível do mar.

Solo[editar | editar código-fonte]

É composto por terrenos areníticos-basálticos (vulcânicos), por isso em seus solos predominam a terra roxa, com grande fertilidade para a agricultura que se desenvolveu inicialmente com o café, o algodão, a soja e a cana-de-açúcar.

Vegetação[editar | editar código-fonte]

Floresta tropical com áreas de cerrado que foram substituídas pela agropecuária deste o século passado, restando pequenos capões e matas ciliares.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Córregos: Da Barra, São Pedro, Lajeado, Santa Fé, São Joaquim, Olaria e Santo Antônio.

Ribeirão do Rosário (afluente do rio Pardo) que recebe os córregos: Sucuri, São Luís, Marimbondo, Milho Vermelho.

Completam o sistema hidrográfico municipal as lagoas: Feia, Redonda e Lagoinha.

Transporte[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

A rede municipal de Pré-Escola atende mais de 2.000 alunos (2006).

Também existem cinco escolas infantis particulares. EMEIS (Escola Municipal de Educação Infantil) em vários bairros; salas de aula em creches municipais e particulares, 4 CEIS e 14 pré-escolas, Ensino Supletivo-EJA (Alfabetização de Jovens e Adultos), Escola Técnica de Artes Municipal Fabiano Lozano, Biblioteca.

Seis escolas particulares (FEAM-COC, OBJETIVO, ANGLO, Colégio Iara, Colégio Iang, Liceu Paulo Freire). Cursos e atividades particulares livres como: línguas, informática, música, artes, esportes e dança. Encontra-se instalada uma Unidade do Centro Estadual Tecnológico Paula Souza, a Etec Pedro Badran que oferece cursos técnicos ao município e região, o município conta com uma unidade de ensino superior (FACIG) Faculdade de Ciências Gerenciais, com três cursos: Administração, Ciências Contábeis e Turismo.

Saúde[editar | editar código-fonte]

Na área da saúde conta com os seguintes serviços de Saúde: S.U.S., com atendimento a crianças, gestantes e adultos; Santa Casa de Misericórdia, com 135 leitos, é a proprietária do plano de Saúde "Santa Casa Saúde"; e diversas clínicas de especialidades médicas.

Ação social[editar | editar código-fonte]

O Fundo Social de Solidariedade forma o trabalho de Assistência Social de São Joaquim da Barra.

Diariamente são atendidas pessoas nos diferentes programas: manicure, cabeleireiro, corte, costura, tricô, pintura em tecido e bordado, atendimento à gestante.

Economia[editar | editar código-fonte]

Destacam-se a transformação de ferro, siderurgia e laminação, fabricação de peças para máquinas agrícolas, de fabricação de calçados, e de esmagamento de soja para óleo comestível. As usinas de açúcar e álcool também são parte da economia do município. O comércio destaca-se pela variedade de atividades, tornando o município um ponto de referência para a região.

Agricultura[editar | editar código-fonte]

De um total de 39.900 ha, o município tem uma área agricultável de 32.000 ha, sendo 23.000 ha de cultura de cana, 4.000 ha de cultura de soja, 2.600 ha de cultura de milho e 3.000 ha de pastagens.

Pecuária[editar | editar código-fonte]

Leite: o município possui aproximadamente 2.500 cabeças sendo a maioria gado cruzado e produz 1.500 litros de leite por dia e 45.000 litros por mês.

Corte: aproximadamente 4.600 cabeças e produção de 73.600 arrobas de carne por ano.

Suínos: a média se mantém 600 cabeças que são abatidas em torno de 150 cabeças/800 arrobas anuais.

Avicultura: produção anual de 500.000 aves por ano e peso de 900.00K/ano.

Turismo[editar | editar código-fonte]

A cidade não dispõe de pontos turísticos chamativos, como os aspectos naturais. Mas ainda assim atrai turistas devido a festas e comemorações religiosas

Festas[editar | editar código-fonte]

Em maio, no final do mês acontece a tradicional "Festa da Soja - onde o maior gosto de tal festa é a soja tropeira " - uma realização de interesse político (independentemente de qual partido esteja no governo), pois não mais há plantio de soja, em relevância, no município ou região.

Religião[editar | editar código-fonte]

Em Junho, no primeiro final de semana, após a Festa da Soja e no mesmo recinto, realiza-se um festival ecumênico tendo como base a Musica Gospel. No mês de julho, comemora-se a Festa do Padroeiro - São Joaquim, no dia 26, e posteriormente a tradicional Festa do Senhor Bom Jesus da Lapa, com 83 anos de existência. No mês de novembro (18 a 27 de novembro) acontece a novena em ação de graças a Nossa Senhora das Graças.

Filhos ilustres[editar | editar código-fonte]

Administração[editar | editar código-fonte]

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]