Morro Agudo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Morro Agudo
Igreja Matriz de São José, na praça central de Morro Agudo.

Igreja Matriz de São José, na praça central de Morro Agudo.
Bandeira de Morro Agudo
Brasão de Morro Agudo
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 6 de janeiro
Fundação 1935
Gentílico morroagudense
Prefeito(a) Amauri José Benedetti (PTB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Morro Agudo
Localização de Morro Agudo em São Paulo
Morro Agudo está localizado em: Brasil
Morro Agudo
Localização de Morro Agudo no Brasil
20° 43' 51" S 48° 03' 28" O20° 43' 51" S 48° 03' 28" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Ribeirão Preto IBGE/2008 [1]
Microrregião São Joaquim da Barra IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Barretos, Guaíra, Ipuã, São Joaquim da Barra, Orlândia, Sales Oliveira, Pontal, Pitangueiras, Viradouro, Terra Roxa e Jaborandi.
Distância até a capital 395 km
Características geográficas
Área 1 386,176 km² [2]
População 29 127 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 21,01 hab./km²
Altitude 546 m
Clima Clima tropical com estação seca de Inverno[4]  Aw
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,767 alto PNUD/2000 [5]
PIB R$ 538 137,234 mil IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 20 504,37 IBGE/2008[6]
Página oficial

Morro Agudo é um município brasileiro do estado de São Paulo. Localiza-se a uma latitude 20º43'53" sul e a uma longitude 48º03'28" oeste, estando a uma altitude de 546 metros. Sua população estimada em 2004 era de 27.570 habitantes. Possui uma área de 1386,2 km². Também é o maior produtor de cana-de-açúcar do Brasil.[7] .

A história do surgimento de Morro Agudo é bastante parecida com a de outras cidades. Foi ao redor da primeira capela que a cidade ganhou os primeiros contornos iniciais. O primeiro núcleo de povoamento de Morro Agudo foi a Fazenda Invernada. Esta era um gigantesco latifúndio sob o comando da família Junqueira, capitaneada por Francisco Antônio Junqueira, descendente de imigrantes portugueses que vieram para o Brasil em meados do século XVIII,e se instalaram em Minas Gerais. Invernada tornou-se por muito tempo o principal núcleo político e social da região, e ponto de referência para os forasteiros que aos poucos iam chegando e se instalando em pequenos lotes de terra fora do domínio dos Junqueira. Eles vinham principalmente de Minas Gerais, em função da decadência da mineração, e pelo fato do solo de lá não ser tão generoso como o do município para a exploração da agricultura. A semente do desenvolvimento estava lançada. Em março de 1.885 o pequeno aglomerado de casas ao redor da capela passou a categoria de Freguesia. Logo o resultado das grandes colheitas, por causa das condições climáticas e do solo fértil, Morro Agudo passou a condição de distrito do município do Espírito Santo dos Batatais, com o nome de São José do Morro Agudo, nome este se deve à crença das pessoas daquela época em São José, com a adição do sufixo “Morro Agudo”, em homenagem ao Morro do Chapéu, existente nas proximidades. Em agosto de 1.934 tornou-se município de Morro Agudo, e sua instalação se deu no dia 6 de janeiro de 1.935.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2000

População total: 25.428

  • Urbana: 22.802
  • Rural: 2.626
  • Homens: 12.981
  • Mulheres: 12.447

Densidade demográfica (hab./km²): 18,34

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 17,86

Expectativa de vida (anos): 70,19

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,48

Taxa de alfabetização: 86,38%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,767

  • IDH-M Renda: 0,718
  • IDH-M Longevidade: 0,753
  • IDH-M Educação: 0,831

(Fonte: IPEADATA)

Etnias[editar | editar código-fonte]

Cor/Raça Percentagem
Branca 63,7%
Preta 9,0%
Parda 26,3%
Amarela 0,7%

Fonte: Censo 2000

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

A hidrografia de Morro Agudo é composta pelo Rio Pardo, ribeirões, córregos e lagoas, sendo eles:

Ribeirões:

  • Ribeirão do Indaiá;
  • Ribeirão da Marmelada;
  • Ribeirão do Lambari;
  • Ribeirão das Palmeiras;
  • Ribeirão do Rosário, e
  • Ribeirão do Agudo.

Córregos:

  • Córrego do Criminoso;
  • Córrego do Espírito Santo;
  • Córrego das Pedras;
  • Córrego do Cajuru;
  • Córrego de Santo Inácio;
  • Córrego do Cruzeiro;
  • Córrego de Sant'Anna;
  • Córrego do Meio;
  • Córrego Acaba Semana;
  • Córrego Cerva Branca;
  • Córrego Ponte Nova;
  • Córrego do Toucinho Queimado;
  • Córrego do Sucuri;
  • Córrego das Éguas;
  • Córrego da Gameleira;
  • Córrego do Chapéu;
  • Córrego das Contendas;
  • Córrego do Monte Alto;
  • Córrego da Vazante;
  • Córrego do Moirão Queimado;
  • Córrego das Areinhas;
  • Córrego das Peludas;
  • Córrego Sertãozinho;
  • Córrego da Água Limpa;
  • Córrego Engenho Novo, e
  • Córrego das Florestas.

Lagoas:

  • Lagoa das Vacas,
  • Lagoa Bonita,
  • Lagoa Mombuca,
  • Lagoa do Meio além da Lagoa do Óleo.

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Clima dos Municípios Paulistas - Cepagri. Página visitada em 05 de agosto de 2013.
  5. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  6. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.
  7. Morro Agudo lidera em cana-de-açúcar. A Cidade. Página visitada em 29 de novembro de 2008

Ligações externas[editar | editar código-fonte]