Arte biomórfica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Colunas biomórficas incompletas de Antoni Gaudí na igreja da Sagrada Família.

A Arte biomórfica ou, Biomorfismo, é um estilo de pintura e escultura baseado em curvas ou motivos que evocam seres vivos.[1] O estilo biomórfico também pode ser encontrado no design e na arquitetura.

História[editar | editar código-fonte]

O termo foi proposto em 1935 pelo escritor britânico Geoffrey Grigson[2] e depois usado por Alfred H. Barr' no contexto de suas exposições de Cubismo e Arte Abstrata, em 1936.[3]

Há uma conexão da Arte biomórfica com o Surrealismo e com o Art Nouveau. A pintura de Matisse intitulada Le bonheur de vivre, de 1905, pode ser citada como uma importante fonte de inspiração.

Na pintura[editar | editar código-fonte]

O glossário online da galeria Tate especifica que essas formas evocam os seres viventes...". O artigo cita Joan Miró, Jean Arp, Henry Moore e Barbara Hepworth como artistas de estilo biomórfico.[4]

As pinturas de Yves Tanguy e Matta Roberto também são frequentemente citadas como exemplos da utilização de forma biomórfica.[5] Durante e após a II Guerra Mundial, as paisagens de Yves Tanguy tornaram-se mais vazias, o que tem sido visto como um retrato psicológico da guerra na Europa.[6]

Na arquitetura[editar | editar código-fonte]

Na arquitetura a Igreja da Sagrada Família de Antoni Gaudí, em Barcelona, contém muitos recursos inspirados na natureza, como a ramificação de colunas destinadas a representar árvores.[7]

No desenho industrial[editar | editar código-fonte]

O biomorfismo foca-se no poder das formas orgânicas, que no design são conhecidas como continuidades G2, G3 e G4,[8] precursoras do conceito da Superfície Classe A[nota 1].[9]

No design industrial moderno podem ser citados os trabalhos de Alvar Aalto[10] e Isamu Noguchi, cuja Tabela Noguchi é considerada um ícone do setor.[11] Atualmente, o efeito da influência da natureza é menos óbvio; em vez de os objetos serem projetados exatamente como a forma natural, eles usam apenas características sutis como referência visual e, ou, experiência tátil. Os projetos de design que se baseiam na forma ou no funcionamento dos elementos da natureza são chamados de biodesign.[12]

Notas[editar | editar código-fonte]

[nota 1] ^ Somente as superfícies que têm a continuidade G4 são consideradas Classe A.

Referências

  1. Andrew Graham-Dixon. Arte, o guia visual definitivo. [S.l.]: Publifolha, 2012. 612 pp. p. 596.
  2. Grigson, Geoffrey. The Arts Today. London: Bodley Head, 1935. 71-109 pp.
  3. Barr, Alfred H.. Cubism and Abstract Art. New York: MoMA, 1936.
  4. Tate Collection, Glossary: Biomorphic www.tate.org.uk, página visitada em 25 de julho de 2008.
  5. http://www.britannica.com/EBchecked/topic/66152/biomorphic-art
  6. Surrealism and Beyond in the Israel Museum search subject "Biomorphism"
  7. Zerbst, Rainer. Antoni Gaudi - A Life Devoted to Architecture. Hamburg, Germany: Taschen, 1988. p. 30. ISBN 3-8228-0074-0.
  8. Mandarino, Denis, Curso de Modelagem Digital em Rhinoceros e Renderização em 3D MAX, vol. 2, Ed. Plêiade, São Paulo: 2009.
  9. Marciniak, Oliver - Vergleich der Freiformflächenkonstruktion mit ICEM Surf und ISD: Grundlagen, Konzepte, Methoden, Ed. VDM Verlag Dr. Müller, Munique, 2011 (ISBN 978-3639322620).
  10. Martin Eidelberg, et al. Design 1935-1965: what modern was: selections from the Liliane and David M. Stewart Collection, Montreal: Musée des arts décoratifs de Montréal, New York: H.N. Abrams, 1991, p. 90.
  11. * Pina, Leslie. Classic Herman Miller. Atglen, Pennsylvania: Schiffer Publishing, 1998. ISBN 0-7643-0471-2.
  12. Luiz Guedes Jr. (10 de julho de 2012). “Biodesign” pioneiro Revista Trip. Visitado em 01 de outubro de 2012.
Ícone de esboço Este artigo sobre arte ou história da arte é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.