CCE

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2012). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
CCE da Amazônia S.A.
CCE Amazonian logo 2.svg
Slogan CCE: do jeito que você quer
Fundação Brasil São Paulo, Brasil (1964)
Sede Brasil Manaus, Brasil
Locais Mais de 110 paises
Proprietário(s) Lenovo
Página oficial www.cce.com.br

A CCE (Comércio de Componentes Eletrônicos) é uma empresa brasileira de fabricação de eletrônicos. Desde 2012, faz parte do grupo Lenovo. A empresa foi fundada em 1964 com o objetivo de importar e comercializar componentes eletrônicos; entretanto, somente em 1971 é que a CCE iniciou a fabricação de equipamentos completos.

Equipamentos de áudio[editar | editar código-fonte]

Os equipamentos modulares da CCE geralmente tinham status inferior aos similares da Gradiente e da Polyvox, tendo entretanto, a vantagem do preço mais acessível.

Outra característica que diferenciava a CCE das duas concorrentes citadas, é que ela sempre ofereceu equipamentos populares como os conjugados do tipo 3-em-1, “2-em-1”, rádio-gravadores e outros eletrônicos portáteis como os rádios relógios.

Na década de 1970, a companhia japonesa Kenwood forneceu tecnologia para muitos dos equipamentos modulares da empresa. A CCE chegou a fabricar e vender equipamentos sob esta marca.

Mas, assim como outros fabricantes brasileiros de eletrônicos, a CCE não se limitou a clonar os equipamentos de um determinado fabricante. Alguns produtos foram nacionalizados, outros adaptados e modificados a partir de projetos de diversos fornecedores estrangeiros, além daqueles que foram projetados pela própria empresa.

Já no período de 1996 a 2002 a CCE fabricou e comercializou produtos de áudio (micro-systems) da fabricante japonesa Aiwa.[1]

CCE Info[editar | editar código-fonte]

A fabricante brasileira também confere uma diversa gama de produtos na categoria informática.[2]

O grupo Digibras é fabricante de produtos de tecnologia como desktops, notebooks, netbooks, celulares e TVs dentre outros, que são verdadeiros sinônimos de inovação. Figura entre os líderes em vendas do segmento no varejo e conta com parceiros renomados como INTEL, Microsoft e Qualcomm. Nos últimos 5 anos, foram aproximadamente 2,3 milhões de computadores fabricados e 7,4 milhões de televisores produzidos. Com tradição de quase 50 anos, é um dos maiores conglomerados do Pólo Industrial em Manaus e conta ainda com centro administrativo em São Paulo. Estas duas plantas somam 500.000 m². O Grupo e coligadas somam seis empresas que atuam em diversos segmentos. Desde a montagem de produtos de tecnologia até a logística, passando por televisores LCD/LED, placas de circuito impresso, painéis de LCD, injeção plástica, metalurgia e papel e papelão, a sinergia entre as empresas permite mais flexibilidade e rapidez no processo produtivo..[3]

Outros produtos[editar | editar código-fonte]

Em meados da década de 1980 a CCE ingressou no mercado de videocassetes e no final desta década lançou sua linha de televisores.

A CCE foi a única empresa no Brasil a vender um videocassete “player”, ou seja, um aparelho que tinha apenas a capacidade de reproduzir fitas pré-gravadas. Apesar de ter um custo menor que o de um aparelho convencional, o produto não obteve sucesso.

No setor de videogames, a empresa fabricou na década de 1980 um console similar e compatível ao Atari 2600 e, posteriormente um aparelho Top Game VG-8000/VG-9000 e depois o TurboGame, ambos bastante populares entre os jogadores da época, compatível com o Nintendo 8 bits que tinha dois slots podendo aceitar cartuchos em ambos os padrões: japonês e americano.

Por um breve período de tempo a empresa esteve presente também no mercado de microcomputadores vendendo um equipamento no padrão Apple II (o Exato) e um microcomputador de baixo custo, o MC-1000, para concorrer com o CP400 da Prológica.

Em 1998 a CCE ingressou no mercado de eletrodomésticos fabricando e comercializando freezers e geladeiras. Atualmente (2006) a linha branca da empresa restringe-se a fornos de microondas.

A partir de 2006 a CCE voltou a comercializar computadores pessoais de baixo custo equipados com Windows ou Linux através de uma nova divisão, a "CCE Informatica". A empresa, todavia, não mais comercializa vídeo-games.

Em janeiro de 2013 a fabricante CCE, lançou seus tablets com Android 4.0.3: Motion Tab T733 (Processador AML 8726 - M3) e Motion Tab T735 (Processador CORTEX A8), ambos com 512 MB de memória RAM e interna de 4 GB Flash, expansivel com cartão micro SD de até 32 GB. Estes modelos são comercializados atualmente em grandes revendedores varejistas pelo país: O preço base anunciado pela CCE é de R$ 400,00 para o modelo mais básico.[4]

A compra pela Lenovo[editar | editar código-fonte]

Em 5 de setembro de 2012 100% da empresa foi adquirida pela empresa Chinesa Lenovo por R$700 milhões de Reais.[5] [6]

Referências

  1. Christian Carvalho Cruz, Rosenildo Gomes Ferreira (1 de maio de 2002). MAIS UMA CHANCE PARA A AIWA Istoé Dinheiro. Visitado em 23 de maio de 2012.
  2. CCE Info. Visitado em 10 de janeiro de 2013.
  3. A Empresa. Visitado em 10 de janeiro de 2013.
  4. Tablets CCE.
  5. Lenovo deve anunciar compra da CCE nesta quarta-feira, Acesso em 5 de setembro de 2012.
  6. Lenovo adquire 100% da empresa brasileira CCE, Acesso em 5 de setembro de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.