Carlos Duarte Costa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde fevereiro de 2014)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
São Carlos do Brasil
Dom Carlos Duarte Costa
Nascimento 21 de Julho de 1888 em Rio de Janeiro
Morte 26 de março de 1961 (72 anos) em Rio de Janeiro
Canonização por Igreja Católica Apostólica Brasileira
Festa litúrgica 21 de julho
Gloriole.svg Portal dos Santos


Dom Carlos Duarte Costa (Rio de Janeiro, 21 de julho de 1888 — Rio de Janeiro, 26 de março de 1961) foi um bispo católico excomungado pela Santa Sé e, posteriormente, fundador da Igreja Católica Apostólica Brasileira.

Seus seguidores o chamam de São Carlos do Brasil.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido no Rio de Janeiro, na freguesia de Santo Antônio, em 21 de julho de 1888, concluiu seus estudos primários no Colégio Salesiano Santa Rosa, em Niterói.

Em 1897, aos nove anos, seu tio Bispo de Goiás, enviou-o a Roma para estudar no Colégio Internato Pio-Latino Americano. Retornou ao Brasil e estudou no Seminário Filosófico e Teológico em Uberaba, sendo ordenado padre no dia 1 de abril de 1911, pelo Cardeal Dom Joaquim Cavalcanti.

Ministério[editar | editar código-fonte]

Foi pároco em várias igrejas no Rio de Janeiro e em 1923 foi nomeado Vigário Geral da Arquidiocese do Rio de Janeiro. Em 1924 o Papa Pio XI nomeou Dom Carlos como o segundo bispo da Diocese de Botucatu, sendo sagrado bispo pelo cardeal Dom Sebastião Leme.

Dom Carlos foi um bispo polêmico: defendia o socialismo, o fim celibato obrigatório para o clero e divórcio. Em 1932 organizou o Batalhão do Bispo para lutar na Revolução Constitucionalista; possuía uma ação social agressiva que dilapidou os cofres da diocese. Devido a suas posições e má situação financeira da Diocese de Botucatu, foi investigado pela Cúria Romana e em 1937 renunciou a seu cargo, recebendo o título de Bispo de Maura, uma diocese extinta no Norte da África, e mantendo o de Bispo Emérito de Botucatu.

A renúncia[editar | editar código-fonte]

Dom Carlos mudou-se para o Rio de Janeiro, onde continuou sua crítica ao regime de Getúlio Vargas.

Também iniciou a pregar contra a doutrina da infalibilidade Papal e outros temas polêmicos para a Igreja de então como o ecumenismo.

Em 1944 foi preso, e pressões internacionais encabeçadas pelo presidente norte-americano Franklin Delano Roosevelt e pelo primeiro-ministro britânico Winston Churchill fizeram que o governo federal o libertassem.

Para difundir suas ideias e polemizar com a Igreja Católica, com o governo brasileiro e com a intelectualidade em geral, enquanto esteve na Igreja Romana, manteve uma revista chamada Mensageiro de Nossa Senhora Menina, depois já na sua Igreja Católica Apostólica Brasileira, a revista A Luta.

Sua reflexão teológica e atividade pastoral voltada para a práxis sem prescindir das ciências sociais para a compreensão da realidade, o coloca como um dos precursores da Teologia da Libertação, condição reivindicada pelos teólogos da sua igreja adeptos dessa escola teológica, como Dom Geraldo Albano de Freitas e Rosalvo Salgueiro.

A excomunhão[editar | editar código-fonte]

Em 1945 Dom Carlos denunciou a Operação Odessa, que afirmou ter sido organizada pelo Vaticano para permitir a fuga de oficiais nazistas. Após isso, que mostrou-se um estopim para que viesse punição mais severa para o dissidente bispo, o Papa Pio XII excomungou-o. D. Carlos ignorou a excomunhão, como consta da Ata de Fundação,em 06 de julho, erigiu a Igreja Católica Apostólica Brasileira. No dia 18 de agosto do mesmo ano, num evento em São Pulo, redigiu e tornou público o seu polêmico Manifesto à Nação que teve enorme repercussão na imprensa da época e se tornou o credo social e político da igreja que acabara de fundar.[1]

A ICAB[editar | editar código-fonte]

Dom Carlos, no período compreendido da sua saída da Igreja Católica Apostólica Romana e a organização por ele da Igreja Católica Apostólica Brasileira, aos 15 de agosto de 1945 ordenou como bispo, o então Bispo-eleito da Igreja Católica Livre Dom Salomão Barbosa Ferraz[2] , que, em 1959 abandonou a sua jurisdição para unir-se à Igreja Católica Apostólica Romana, onde foi recebido pelo Papa João XXIII e reconhecido como válido bispo, sem receber nova sagração (mesmo sub conditione).

Dom Carlos, em outubro de 1945, fundou o "Partido Socialista Cristão" registrado no Tribunal Superior Eleitoral por meio da Resolução 211[3] .

Após a sua morte, ocorrida em 26 de março de 1961, Dom Carlos Duarte Costa foi canonizado pelos bispos da ICAB em 1970 como São Carlos do Brasil.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. de Freitas, Dom Geraldo Albano. Igreja Brasileira: Abençoada Rebeldia. São Paulo: CET-ICAB (Centro de Estudos Teológicos), 1987. p. 70.
  2. FERRAZ, Hermes. Dom Salomão Ferraz e o ecumenismo. São Paulo: João Scortecci Editora, 1995. Pgs.78s
  3. Brasil. Tribunal Superior Eleitoral. Resoluções do Tribunal Superior Eleitoral. Vol. 1. Rio de Janeiro, 1950. Pg.129
Ícone de esboço Este artigo sobre Episcopado (bispos, arcebispos, cardeais) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.