Carmésia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Carmésia
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Fundação 30 de dezembro de 1962
Gentílico Não disponível
Prefeito(a) Mario Cesar Silveira e Vieira
(2013–2016)
Localização
Localização de Carmésia
Localização de Carmésia em Minas Gerais
Carmésia está localizado em: Brasil
Carmésia
Localização de Carmésia no Brasil
19° 05' 20" S 43° 08' 31" O19° 05' 20" S 43° 08' 31" O
Unidade federativa  Minas Gerais
Mesorregião Vale do Rio Doce Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/2008[1]
Microrregião Guanhães Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/2008 [1]
Municípios limítrofes Senhora do Porto, Dom Joaquim, Conceição do Mato Dentro, Ferros, Dores de Guanhães.
Distância até a capital 208 km
Características geográficas
Área 258,533 km² [2]
População 2 460 hab. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/2010[3]
Densidade 9,52 hab./km²
Altitude 663 a 1 092 m
Clima Tropical de altitude
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,698 médio Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento/2000[4]
PIB R$ 12 700,745 mil Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/2008[5]
PIB per capita R$ 4 755,05 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/2008[5]
Página oficial

Carmésia é um município brasileiro do estado de Minas Gerais. Sua população segundo o censo 2010 era de 2 460 habitantes.

História[editar | editar código-fonte]

O município de Carmésia está situado na parte centro oeste do estado e é de povoamento bastante remoto. Foi colonizado por descendentes de europeus a partir do século XVIII, com a descoberta do ouro em Minas Gerais, a partir de uma expedição de bandeirantes vindos do Serro e com destino à região do Morro do Pilar, passando por Conceição do Mato João, assim como por todas as minas da região.

O processo de desenvolvimento ficou bastante comprometido. Assim com os demais povoamentos deste período, a região de Carmésia passou por um longo período de estagnação da sua economia e, conseqüentemente, do desenvolvimento em todos os seus seguimentos. Pertencia ao município de Conceição do Mato Dentro e em 1923 foi criado o distrito com o nome de Viamão do Carmo. Com a criação do município de Dom Joaquim, desmembrado do município de Conceição do Mato Dentro, passou a integrá-lo, pelo Decreto Número 148 de 17 de Dezembro de 1938, já com a denominação de Carmésia. Da Lei Número 2 767, em 30 de Dezembro de 1962 e instalado em 1° de Marco de 1963.

A paisagem natural do município corresponde à paisagem dos antigos núcleos mineiros, em topografia acidentada, montanhas e vales, sendo que na sede observamos um destaque para a vista da Igreja Matriz, com sua alta torre, na parte central. O município não apresenta um conjunto arquitetônico colonial significativo, mas apenas algumas edificações antigas misturadas a outras mais novas. Em 1972, o estado doou parte do território de Carmésia para a Fundação Nacional do Índio para abrigar índios expulsos de suas terras em Porto Seguro, na Bahia. Esta terra pertencia ao Coronel Magalhães e era a maior colônia agrícola da região. Por ocasião da sua morte, como não deixou herdeiros, a colônia foi doada ao estado, que a repassou para administração dos militares, que a utilizaram como campo de treinamento. É denominada “Terra Indígena Guarani” e, nela, atualmente, moram famílias da etnia pataxó.

Após descobrir as minas de Serro Frio, bandeirantes, sertanistas e garimpeiros seguiram em direção ao território onde hoje se encontra Conceição do Mato Dentro, da qual Carmésia, antiga Viamão do Carmo fazia parte.

A antiga Viamão, rodeada por montanhas, terras férteis e rios, desenvolveu-se rapidamente e se tornou uma porta de entrada para o Vale do Rio Doce, possuindo uma das poucas estradas que comunicavam com a recente capital de Minas Gerais. O distrito de Viamão foi criado em 1923, pertencendo ao Município de Conceição do Mato Dentro.

Após a criação do município de Dom Joaquim em 17 de Dezembro de 1938, distrito de Viamão do Carmo passou a integrá-lo e recebeu o nome de Carmésia, em homenagem a Nossa Senhora do Carmo, padroeira da cidade. O município de Carmésia foi criado em 30 de Dezembro de 1962 e instalado em 1° de Marco de 1963.

Destaca-se como ponto positivo a existência de uma reserva indígena no município de Carmésia, fato que agrega valores culturais. A reserva indígena Guarani é um atrativo relevante, tanto no contexto natural quanto no contexto cultural, podendo ser mantido como o maior atrativo turístico. Será possível realizar o turismo de forma consciente e eficaz, resgatando a cultura indígena, revitalizando seu ambiente natural e promovendo sua divulgação de maneira sustentável. Estes cuidados devem ser tomados para não ocorrer a aculturação destas tribos e o resgate do ambiente natural. A tribo Guarani constitui o principal atrativo turístico da cidade Carmésia. Possui 3 279 hectares onde vivem cerca de 280 indígenas da etnia Pataxó, distribuídos em três tribos.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

  • Principal Rio:

Rio do Peixe. Nasce do Município do Serro, em Mingas Gerais. Deságua no Rio Santo Antônio, no Município de Ferros, em Minas Gerais.

  • Córregos e Ribeirões que passam no município:

Ribeirão Guarani

Ribeirão São João

Ribeirão das Flores

Córrego Axupé

Córrego da Choradeira

Córrego Santana

Córrego Samora

Córrego da Olaria

Córrego da Prata

Córrego Liberato

Córrego Roncador

Córrego Palmital

Córrego Belmonte

Carmésia pertence à Bacia Hidrográfica do Rio Doce e à Sub-bacia do Rio Santo Antônio.

Clima[editar | editar código-fonte]

  • Temperatura:
    • Média anual: 20,8 graus centígrados
    • Média máxima anual: 28,1 graus centígrados
    • Média mínima anual: 14,9 graus centígrados
  • Índice médio pluviométrico anual: 1 521,3 mm

Topografia[editar | editar código-fonte]

  • Plano: 5 %
  • Ondulado: 25 %
  • Montanhoso: 70 %

Dados da cidade[editar | editar código-fonte]

  • Localização: Rio Doce
  • Área: 259,32 quilômetros quadrados
  • Altitude:
    • Máxima: 1 092 m. Local: Serra dos Monos
    • Mínima: 663 m. Local: Rio do Peixe
    • Ponto central da cidade: 551,04 m

Transporte[editar | editar código-fonte]

Rodoviário[editar | editar código-fonte]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Pontos Turísticos[editar | editar código-fonte]

Área de Proteção Renascença[editar | editar código-fonte]

Área de Proteção Renascença, sentido a Conceição do Mato Dentro. Margem direita e esquerda do Rio do Peixe.

Cachoeira Achupé[editar | editar código-fonte]

Fica no povoado de Goiabas, a 15 km da sede do município, seguindo a rodovia.

Cachoeira Renascença[editar | editar código-fonte]

A Cachoeira Renascença fica localizada na área da APA Renascença. Pegando a estrada Carmésia / Morro do Pilar, após 4,5 km, virar à esquerda em uma estrada de terra antes da ponte sobre o Rio do Peixe. Localizada dentro da fazenda Bangú-Renascença, o proprietário é o Sr. Hélcio.

Estrada Real[editar | editar código-fonte]

Trilha que era usada para carro de boi, para transporte de mercadorias da região para Santa Bárbara.

Igreja Nossa Senhora do Carmo[editar | editar código-fonte]

Igreja Nossa Senhora do Carmo construída em 1890.

Reserva Indígena Pataxó[editar | editar código-fonte]

Reserva indígena Pataxó . Estrada sentido Carmésia/Ferros. Aproximadamente 7 km.

Rio do Peixe[editar | editar código-fonte]

Situa-se no local denominado Renascença.

Trilha Ecológica[editar | editar código-fonte]

Trilha ecológica à margem do Rio do Peixe, na Área de Proteção Renascença.

Eventos[editar | editar código-fonte]

Abril

Festa Awê Heruê Hun Niamissun - Festa tradicional Pataxó

  • Julho

16 - Festa da Padroeira Nossa Senhora do Carmo

Outubro

Festa das águas - Festa tradicional Pataxó

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Minas Gerais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.