Crusta oceânica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Junho de 2008).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
A crusta oceânica e a sua idade (a vermelho as zona de idade inferior a 20 milhões de anos; a verde e azul as zonas mais antigas).

Crusta oceânica ou crosta oceânica é a designação dada à camada da litosfera terrestre, com características de composição, espessura e densidade diferenciadas, que constitui o fundo das bacias oceânicas. Note-se que mesmo nos oceanos podem existir porções de crusta continental submersa, em geral nas plataformas continentais, mas não restrita a estas. Apesar de ambas constituírem a crusta da Terra, as crustas oceânica e continental são completamente distintas em composição, espessura e história geológica.

Características e composição[editar | editar código-fonte]

A crusta oceânica tem uma espessura de 5 a 10 km (raramente ultrapassando os 10 km de espessura, mas podendo ter apenas 3 km) e é mais densa do que a sua equivalente continental. A densidade, variando ligeiramente com a região, é em geral próxima de 3,3 (isto é 3,3 t/m³).

A crusta oceânica é composta por materiais máficos da família dos basaltos e gabros, ricos em minerais ferromagnesianos. Devido a esta composição, a crusta oceânica é por vezes designada por sima (de silício e magnésio), em contraponto ao sial (silício e alumínio) da crusta continental.

Composição da crusta oceânica terrestre (em % ponderal)
Elemento  % Composto  %
O 49,5 SiO2 49,4
Si 23,1
Al 4,1 Al2O3 15,4
Fe 6,8 FeO 10,1
Mg 4,6 MgO 7,6
Ca 8,9 CaO 12,5
Na 1,0 Na2O 2,6
K 0,1 K2O 0,3
Total 98,1 Total 97,9

Dada a sua dependência em relação ao processo de deriva continental, com nova crusta oceânica a ser criada nas linhas de rifte e a ser destruída nas zonas de subducção, a generalidade das placas oceânicas hoje existentes é geologicamente jovem, com idades que raramente excedem os 200 milhões de anos. De facto, as zonas mais jovens da placa (ver imagem à direita) vão sendo criadas ao longo das cristas oceânicas, afastando-se depois em direcção perpendicular ao rifte.

Em resultado desse progressivo afastamento formam-se longas bandas paralelas, que se movem em direcção às margens oceânicas e aí, depois de descerem e formarem as fossas oceânicas, mergulham no manto e são refundidas e reincorporadas no material mais denso subjacente.

A existência de bandas de material com idade semelhante paralelas às cristas oceânicas pode ser verificada através do paleomagnetismo (as rochas mantêm na orientação magnética dos seus minerais ferrosos a orientação do campo magnético da Terra ao tempo da sua formação) e pela variação da quantidade de sedimentos existentes (que cresce com o afastamento da crista oceânica).

Relação com a crusta continental[editar | editar código-fonte]

A crusta oceânica existe nos fundos de todas as bacias oceânicas, preenchendo os espaços entre as porções de crusta continental. Dada a sua menor espessura e maior densidade, mergulha sob o bordo da placa continental nas zonas de subducção. Tal obriga a que nova placa oceânica seja constantemente formada para acomodar o deslocamento dos continentes e substituir a placa que é destruída por subducção. Assim, a crusta oceânica poder ser vista, por analogia com a pele, como uma estrutura de cicatrização recobrindo as zonas da superfície da Terra que deixam de estar cobertas por crusta continental devido ao afastamento dos continentes.

Neste contexto de diferenciação, a crusta oceânica não pode ser meramente vista como o material que forma os fundos marinhos. Apenas aqueles fundos que apresentam as características acima descritas são formados por crusta oceânica, já que existem, para além das plataformas continentais, extensas áreas de fundos marinhos constituídos por crusta continental, na realidade secções de continentes afundados sob as águas do mar.

Um exemplo da presença de crusta continental submersa é o planalto submarino das Mascarenhas, em pleno Oceano Índico, uma formação que se prolonga por quase 2 000 km, desde as Seicheles até à Reunião. Este planalto ocupa uma área de cerca de 150 000 km², com águas com profundidades que variam entre os 8 m e os 150 m, mergulhando as suas margens numa planície abissal com profundidades da ordem dos 4 000 m. A parte norte do planalto, incluindo as Seicheles e ilhas vizinhas, é constituída por granito, sendo um fragmento afundado do supercontinente Gondwana.

Outras ilhas aparentemente oceânicas, como as Malvinas e as Svalbard, são na realidade afloramentos à superfície de regiões de placa continental submersa.