Linha de Kármán

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido (desde abril de 2013). Ajude e colabore com a tradução.
A linha de Kármán, limite teórico da atmosfera terrestre, é onde a aurora boreal se manifesta.

Linha de Kármán, ou simplesmente Linha de Karman, é um limite convencionado que fica a uma altitude de 100 km acima do nível do mar, usado para definir o limite entre a atmosfera terrestre e o espaço exterior.

Esta definição é aceita pela Fédération Aéronautique Internationale (FAI), órgão internacional que estabelece padrões e registra e oficializa recordes aeronáuticos e espaciais.[1]

Origem e Definição[editar | editar código-fonte]

Esse limite, foi designado como Linha de Karman, em homenagem a Theodore von Kármán, (1881–1963), um engenheiro e físico Húngaro-Americano, que contribuiu bastante nos campos da aeronáutica e da astronáutica. Foi ele quem primeiro calculou que aproximadamente a essa altitude, a densidade da atmosfera terrestre se tornava tão baixa para fins aeronáuticos, que qualquer veículo a essa altitude, teria que se deslocar a velocidades maiores que a velocidade orbital (24.000 km/h) para conseguir sustentação aerodinâmica.[2] Acima desse limite, ocorre também um aumento repentino na temperatura atmosférica, e uma maior influência da radiação solar.

A FAI usa a Linha de Karman para definir os limites entre aeronáutica e astronáutica:[1]

  • Aeronáutica — Para os objetivos da FAI, atividades aéreas, incluindo os esportes, abaixo de 100 km da superfície da Terra.
  • Astronáutica — Para os objetivos da FAI, qualquer atividade acima de 100 km da superfície da Terra.


Interpretações[editar | editar código-fonte]

Por vezes, pessoas ou entidades, usam o termo "limite do espaço" (em inglês: edge of space), referindo-se a uma região abaixo do limite dos 100 km, muitas vezes incluindo regiões consideravelmente mais baixas. Com isso, certos voos de balões e aviões, são descritos como tendo "atingido os limites do espaço", o que na verdade, apenas significa que eles chegaram mais alto que a média dos veículos aeronáuticos chega.[3] [4]

Alternativas[editar | editar código-fonte]

Os Estados Unidos, não definiram oficialmente um limite para o espaço. A definição que eles adotam para um astronauta, que permanece até hoje é: qualquer pessoa que tenha voado a mais de 80 km de altitude. Até mesmo essa definição é controversa, pois existem definições diferentes entre o setor militar e a NASA.[3]

O direito internacional, define o limite inferior do espaço como sendo o menor perigeu mantido por um veículo espacial em órbita, sem no entanto especificar uma altitude. Devido ao arrasto atmosférico, a menor altitude que um objeto numa órbita circular necessita para efetuar ao menos uma órbita completa, é de aproximadamente 150 km.[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b de Córdoba, Sanz Fernández. 100km Altitude Boundary for Astronautics Fédération Aéronautique Internationale. Página visitada em 14/04/2013.
  2. O'Leary, Beth Laura. In: Ann Garrison Darrin. Handbook of space engineering, archaeology, and heritage (em Inglês). [S.l.]: The Macmillan Company, 2009. p. 84. ISBN 1-4200-8431-3 Página visitada em 13/04/2013.
  3. a b A long-overdue tribute NASA. Página visitada em 14/04/2013.
  4. a b Kay, W. D.. The X-15 Hypersonic Flight Research Program NASA. Página visitada em 14/04/2013.