Cultura hacker

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Cultura Hacker[editar | editar código-fonte]

Origem[editar | editar código-fonte]

O termo hacker tem sua origem no final da década de 50, inicio da década de 60. Alunos do Instituto de Tecnologia de Massachusetts(MIT) começaram a utilizar o computador da universidade com o simples intuito de aprimorar o seu conhecimento sobre a maquina, ou até mesmo aprender novas possibilidades para o seu uso. Porém devido a restrições, essas experimentações se davam durante a madrugada, onde o controle sobre a utilização do computador era menos intensa. Dessa forma, em vez de esperar uma oportunidade de utiliza-lo e ainda por cima ter seu uso restrito a uma limitada quantidade de dados a serem processados, esses alunos utilizavam o computador da forma que eles quisessem.

Primeira Geração[editar | editar código-fonte]

Com essa possibilidade, e com o interesse de Peter Samsom e seus amigos em ferreomodelismo, eles fundaram o Tech Model Railroad Club(TMRC)[1] , o primeiro grupo hacker conhecido. O grupo foi formado com o intuito de divertimento, tanto no interesse em ferreomodelismo, como no aprendizado da utilização dos computadores a fim de controlar os modelos desenhados pelo grupo. O termo hacker propriamente dito surgiu no TMRC, pois cada projeto desenvolvido por um membro, sem nenhuma meta construtiva, feito somente por pura diversão era chamado 'hack', fazendo assim o seu construtor um hacker. Um fator importante foi a criação da primeira turma de programação oferecida no MIT pelo professor John McCarthy em 1959, dando origem ao curso de ciências da computação. Assim teve inicio uma revolução na forma de como o homem trabalharia com o computador, fazendo da programação uma verdadeira busca por novas oportunidades de otimização e de perfeição. Outro fator revolucionário foi a criação do TX-0, que permitia a programação sem a utilização de cartões perfurados, utilizando a chamada flexowriter, uma maquina de escrever que permitia ao usuário visualizar o programa rodando e fazer alterações enquanto estava de frente ao console. É nesse epoca de experimentação que surgem varias ideias e formas de programação, algumas bastantes relevantes como os assembler, os debbugers e outros programas sem um proposito relevante, como um programa desenvolvido por Peter Samsom que convertia algarismos arábicos em algarismos romanos. Essa geração de inovadores é denominada primeira geração de hackers, pois eles descobriram novas formas de programar e desenvolver software para as maquinas de sua época.

Segunda Geração[editar | editar código-fonte]

Diferentemente da primeira, essa geração teve inicio com a invenção do computador pessoal. Com o anuncio do lançamento Altair 8800 pela revista Popular Eletronics em 1975, Gordon French reuniu na sua garagem, um grupo de 32 pessoas(entre elas, Stephen Wozniak) interessadas e fascinadas com as novas possibilidades que o Altair 8800 poderia gerar.[2] Esse grupo, cuja principal proposta era criar e compatilhar ideias sobre a nova ferramenta que eles tinham em mão, passou a ser chamado The Homebrew Computer Club, e a partir da quarta reunião fixou lugar em Menlo Park, Silicon Valley. Essas reuniões se davam da seguinte forma, primeiro teria uma visita a cada membro, onde seria explicado no que cada um estaria trabalhando, essa etapa era chamada "mapping", e no fim da reunião cada membro estaria livre pra procurar ajuda, fazer ou responder perguntas e se reunir com outros membros que compartilham do mesmo interesse. Apesar da inovação do Altair, ele ainda possuía problemas, como a pouca memoria, falta de periféricos, e foi essa limitação do Altair que proporcionou aos membros do clube desenvolverem placas a fim de utilizar o computador para as aplicações desejadas. Assim, visando potencializar o que tinha em mão Bob Marsh desenhou e desenvolveu uma placa de memoria feita sobre medida para o Altair. Harry Garland e Roger Melen, dois professores de Stanford que tiveram a noticia do lançamento do Altair em primeira mão, antes do lançamento da revista, criaram um empresa, a Cromemco, responsável pela criação da primeira placa gráfica comercial(Dazzler) a ser utilizada no Altair. Durante esse período foi desenvolvido inúmeras contribuições para a computação pessoal, inclusive o Apple 1 desenvolvido por Stephen Wozniak, e um modem comercial desenvolvido por Marty Spergel.

Ética Hacker[editar | editar código-fonte]

A cultura hacker originou-se na insaciável vontade dos alunos de aprenderem e entenderem a relação dos computadores com os homens, e como essa relação poderia afetar o mundo. O lema hacker é dado como segue: "Acesso ao computador, e qualquer coisa que possa ensina-lo algo sobre como o mundo funciona, deve ser ilimitado e total". Os hackers da primeira geração seguiam preceitos considerados essenciais para a sua pratica, como "toda informação deve ser livre", pois o hacker precisa de informação para melhorar aquilo que precisa, a sua visão, ser melhorado. "Promover a descentralização" é essencial a pratica, pois quanto mais disseminado o conhecimento e as técnicas dominadas por um, melhor será para o restante experimentar e produzir novas soluções. "Hacker devem ser julgados pelo seu hacking", ou seja, sua contribuição deve ser avaliada baseando-se somente no que foi produzido e não por critérios subjetivos, como idade, graduação, raça, entre outros. "Você pode criar arte e beleza com o computador", esse conceito visa a pluralidade do hacker, pois não só programas podem ser produzidos, vários outros setores podem ter o seu trabalho aperfeiçoado e inovado com a utilização do computador. "Computadores podem mudar sua vida para melhor", ao longo dos anos cade vez mais os computadores se tornaram parte essencial da vida dos homens, invadindo outras áreas de conhecimento e melhorando substancialmente a qualidade de vida.[3]


Hacker x Cracker[editar | editar código-fonte]

Ao longo do tempo o termo hacker foi perdendo um pouco do seu significado, e passando a ser confundido com o Cracker. Enquanto o hacker é um usuário interessado no aprendizado, melhoramento ou até mesmo uma inovação de um sistema, o cracker tem o seu interessa voltado a derrubar ou invadir um sistema de forma ilegal e sem seguir um ética[4] .

Referências

  1. Levy, Steven. (1984, 2001). Hackers: Heroes of the Computer Revolution
  2. TSS: Homebrew Computer Club
  3. Levy, Steven. (1984, 2001). Hackers: Heroes of the Computer Revolution
  4. http://pt.wikipedia.org/wiki/Cracker

Hackers: Wizards of the Electronic Age, 1984, 26min

Ligações externas[editar | editar código-fonte]