Electroclash

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Janeiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.


Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde fevereiro de 2008). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Electroclash
Origens estilísticas Synthpop, Electro, New Wave, Minimal Wave, New Romanticism, Glam Rock
Contexto cultural final da década de 1990, Alemanha (Berlim e Munique), Estados Unidos (Nova York) e Detroit) e França
Instrumentos típicos Sintetizador - Caixa de ritmos
Popularidade Meados dos anos 2000
Formas derivadas Rave • Garage
Gêneros de fusão
Dirty electronic
Outros tópicos
Dance-punk

Electroclash é termo criado pelo Dj americano Larry Tee para identificar um tipo especial de música eletrônica que estava surgindo em Nova Iorque por volta do ano 2000. Este novo som tinha como base o electro dos anos 80, porém com uma nova roupagem. Lary Tee criou também o festival Electroclash com vários artistas que na epóca produziam sons similares. Após a explosão do Electroclash nos EUA com artistas como Peaches, Fischerspooner , Avenue D e Chicks on Speed, a Europa começaria a produzir com nomes como Dj Hell (criador da Gigolo Records) e Miss Kittin.

Porém, a exaustão do resgate dos anos 80, com todos os seus excessos, saturou a fórmula do electroclash tornado-o mais próximo do mainstream, um exemplo é o Hit (música) "Satisfaction" de Benny Benassi. O estilo começou a perder popularidade em meados de 2004, abrindo caminho à volta do Minimal, do novo Electro House do IDM e, na Europa, dos estilos derivados da cena UK Garage na Inglaterra, como o Grime e o Dubstep.

Na América Latina, contribuições feitas para o electroclash também são visíveis. Artistas e bandas como Madame Mim, Dirty Princess e Superputas, todas argentinas, são as melhores representações da cena. No Brasil, além da já internacionalmente conhecida banda Cansei de Ser Sexy, a cena electroclash anda ressurgindo, em decorrência a explosão da cena New Rave, e trazendo a tona talentos como Digitaria, NoPorn e Mono4.

Artistas[editar | editar código-fonte]

Artistas ligados ao estilo electroclash:

Ícone de esboço Este artigo sobre música é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.