Grandes debates

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A teoria idealista das relações internacionais foi influenciada pela ideologia política de Woodrow Wilson, também chamada de Wilsonianismo.

Na teoria das relações internacionais, os "Grandes Debates" referem-se aos muitos desentendimentos entre os estudiosos de relações internacionais.1 Ashworth descreve como a disciplina de relações internacionais tem sido fortemente influenciada pelas narrativas históricas e que "nenhuma ideia tem sido mais influente" do que a noção de que existia um debate entre o pensamento utópico e o realista.2

Primeiro Grande Debate: Realismo versus Idealismo[editar | editar código-fonte]

O "Primeiro Grande Debate", também conhecido com o "Grande Debate Realismo-Idealismo"3 foi a disputa entre os realistas e idealistas ocorrida nas décadas de 30 e 40, fundamentalmente sobre o acordo com a Alemanha Nazista.4 5 Os estudiosos Realistas enfatizaram a natureza anárquica das políticas internacionais e a necessidade da sobrevivência do estado. Os Idealistas enfatizaram a possibilidade da existência de instituições internacionais, como a Liga das Nações. Entretanto, alguns argumentam que a definição do debate entre o Realismo e o Idealismo, em termos de um grande debate, é uma caricatura enganosa, assim descrevem o "grande debate" como um mito.6 7

Segundo Grande Debate[editar | editar código-fonte]

O Segundo Grande Debate foi entre os estudiosos das "relações internacionais científicas" que procuram aperfeiçoar os métodos científicos de pesquisa na teoria das relações internacionais, e aqueles que insistiam em uma abordagem mais histórica/interpretativa da teoria das relações internacionais. O debate é denominado de "realismo versus behaviorismo" ou "tradicionalismo versus cientificismo".8

Debate interparadigmático[editar | editar código-fonte]

Por vezes o debate interparadigmático é considerado como sendo um grande debate. Foi um debate entre o liberalismo, realismo e teorias radicais das relações internacionais.9 O debate é também descrito como sendo entre o realismo, institucionalismo e o estruturalismo.10

Quarto Grande Debate[editar | editar código-fonte]

O Quarto Grande Debate é um debate entre as teorias positivistas e as teorias pós-positivistas das relações internacionais. Confusamente, ele é frequentemente descrito como o "Terceiro Grande Debate" em virtude daqueles que rejeitam a descrição do debate interparadigmático como um Grande Debate.11 Este debate preocupa-se com a epistemologia latente das escolas de relações internacionais, bem como é descrito como um debate entre os racionalistas e reflexivistas.12 O debate foi iniciado por Robert Keohane em um debate na Associação Internacional de Estudos em 1988, e pode ser considerado um debate epistemológico em vez de um ontológico,13 o que significa dizer, um debate sobre o que podemos afirmar conhecer.

Crítica[editar | editar código-fonte]

Steve Smith argumenta que as posições divergentes tem ignorado uma a outra, assim não faz muito sentido falar em "debates" entre os quadros teóricos rivais.14

Notas[editar | editar código-fonte]

Referência bibliográficas

  1. Ken Booth, Michael Cox, Timothy Dunne,The eighty years' crisis: international relations 1919-1999, Issue 1, p1: "The story of international relations is conveniently told in a series of 'great debates'.
  2. LM Ashworth, Did the Realist-Idealist Great Debate Really Happen? a Revisionist History of International Relations,International Relations, Vol. 16, No. 1, p31 (2002)
  3. LM Ashworth, Did the Realist-Idealist Great Debate Really Happen? a Revisionist History of International Relations,International Relations, Vol. 16, No. 1, 33-51 (2002)
  4. Ken Booth, Michael Cox, Timothy Dunne,The eighty years' crisis: international relations 1919-1999, Issue 1, p1
  5. Richard Devetak, Anthony Burke, Jim George (2007) An Introduction to International Relations: Austrain Perspectives, Cambridge: Cambridge University Press, p. 90
  6. Vigneswaran, Darsha, International relations’ first great debate: context and tradition.ISBN 0 7315 3133 7, p5
  7. Peter Wilson (1998). The myth of the ‘First Great Debate’. Review of International Studies, 24, pp 1-16
  8. Guzzini, Stefano (1998) Realism in international relations and international political economy: the continuing story of a death foretold, New York: Routledge, P. 32
  9. Weaver, Ole,The rise and all of the Inter-paradigm debate, International theory: positivism and beyond, Steve Smith, Ken Booth, Marysia Zalewski, p151
  10. [1]
  11. Y Lapid, The third debate: On the prospects of international theory in a post-positivist era, International Studies Quarterly (1989) 33, 235-254
  12. Smith, Steve (2007) "Introduction" in T. Dunne. M. Kuki, and S. Smith (eds.) International Relations Theories: Discipline and Diversity. Oxford: Oxford University Press. P. 10
  13. Smith, S, (2007) 'Introduction' in Dunne, T., Kuki, M. and Smith, S (eds.) International Relations Theories: Discipline and Diversity Oxford: OUP, p 5
  14. Smith, S. (2008) The Oxford Handbook of International Relations, C. Reus-Smit, D. Snidal (eds.),Oxford: Oxford University Press, p. 726

Sugestões de leitura[editar | editar código-fonte]

  • Darshan Vigneswaran, Joel Quirk, International relations' first great debate: context and tradition, Issue 2001; Issue 2004 of Working paper, Dept. of International Relations, Research School of Pacific and Asian Studies, Australian National University, 2004.