Guiana Britânica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Guiana Inglesa)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde novembro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Guiana Britânica
Flag of the Batavian Republic.gif
1815 – 1966 Flag of Guyana.svg

Bandeira de Guiana Inglesa

Bandeira

Localização de Guiana Inglesa
Continente América
País Guiana
Capital Georgetown
4° 39' N 74° 3' O
Língua oficial Inglês
Governo Colônia
Período histórico Colonialismo
 • 13 de agosto de 1815 Tratado anglo-neerlandês de 1814
 • 26 de maio de 1966 Independência da Guiana
Área
 • 1966 214,970 km2

Guiana Inglesa ou Guiana Britânica (em inglês: British Guiana) era o nome de uma colônia britânica na costa do norte da América do Sul, agora independente (dentro do Commonwealth) e conhecida como República da Guiana.

A área foi reivindicada inicialmente pelos espanhóis, e logo após pelos neerlandeses, que organizaram as colônias do Essequibo, Demerara e Berbice. Estas três colônias foram tomadas pelos ingleses em 1796, oficialmente cedidas ao Reino Unido em 1814, e fundidas numa só colônia em 1831, passando a chamar-se Guiana Inglesa, cuja capital era Georgetown (conhecida como Stabroek antes de 1812). A Guiana tornou-se uma república independente do Reino Unido em 26 de maio de 1966.

História[editar | editar código-fonte]

Os holandeses começaram a explorar e instalar-se na Guiana no final do século XVI, seguidos dos ingleses. Ambos começaram a comerciar com os povos Ameríndios. A Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais estabeleceu uma fortaleza em Kyk-over-al, entre 1616 e 1621, a qual chamaram de Condado de Essequibo. Tentativas de assentamento no interior fracassaram, e, em meados de 1700, os europeus estabeleceram-se na costa, onde criaram plantações trabalhadas por escravos africanos. As culturas principais eram o café, o algodão e o açúcar, tornando-se este último o principal produto. A qualidade do solo era pobre.

Os escravos que escapavam das plantações fugiam para as selvas, para viver com os indígenas. A mestiçagem racial e cultural deu origem aos denominados cimarrones. Em 1763, conduzidos pelo africano Cuffy - o herói nacional da Guiana -, os escravos sublevaram-se, no movimento conhecido como Rebelião dos escravos de Berbice. A revolta foi cruelmente esmagada.

Em 1796, a colônia neerlandesa foi tomada pelos ingleses. As colônias de Essequibo, Demerara e Berbice foram cedidas oficialmente ao Reino Unido no Tratado Anglo-Neerlandês de 1814 e no Congresso de Viena, em 1815. Em 1831, a administração de Essequibo, Demerara e Berbice foi unificada e o território foi denominado Guiana Inglesa.

Aos africanos, somaram-se posteriormente trabalhadores indianos, chineses e javaneses, atraídos pelos ingleses como mão-de-obra barata.

Os ideais de independência surgiram a partir de 1950, com o Partido Popular Progressista (PPP), que tinha em seu programa a proposta de independência nacional, a promoção de melhoras sociais e, a longo prazo, a adoção de um regime socialista. Cheddi Jagan, líder do PPP, ocupou por três períodos sucessivos o cargo de primeiro-ministro da Guiana Inglesa - em 1953 e em 1961, antes da independência - e, mais tarde, foi presidente da Guiana independente, de 1992 a 1997.[1]

Após anos de grande violência nas ruas, a Grã Bretanha reconheceu a independência da Guiana em 26 de maio de 1966, permanecendo na Commonwealth. O PPP foi dividido: a maioria dos afro-guianeses haviam-se nucleado no Congresso Nacional do Povo (CNP), enquanto que os guianeses de origem indiana seguiam fiéis a Jagan. Forbes Burnham, líder do CNP, assumiu o governo, apoiado por outras minorias étnicas.

Disputas territoriais[editar | editar código-fonte]

Guiana Inglesa, 1908

Em 1840 o Governo britânico designou a Robert Hermann Schomburgk a tarefa de demarcar a fronteira ocidental da Guiana Inglesa com a agora independente Venezuela. A Venezuela não aceitou a linha Schomburgk, que colocou toda a margem do rio Cuyuni dentro da colônia, e reivindicou todas as terras ao oeste do rio Essequibo como seu território, com base aos limites da Grã Colômbia e os da Capitania Geral da Venezuela, direitos dos quais é herdeira de acordo no princípio do Uti possidetis iure.

Em 1897, o presidente dos Estados Unidos, Grover Cleveland, utilizou pressão diplomática para que as partes aceitassem uma arbitragem. O tribunal de arbitragem reuniu-se em Paris em 1898, sem nenhum representante venezuelano, e emitiu seu laudo de 1899. O tribunal atribuiu cerca de 94% do território em disputa aos britânicos. Anos depois, a Venezuela denunciaria esse resultado como tendencioso - produto de um acordo entre Rússia e Grã Bretanha, decisão que ademais continha indícios que o fariam totalmente nulo, entre eles, excesso de poder (ver Ultra petita).

A questão manteve-se adormecida até 1962, quando a Venezuela renovou sua reivindicação, alegando que o laudo arbitrário não era válido, e a declaração era nula e errônea. O governo britânico rechaçou a alegação, afirmando a validez da atribuição de 1899. O Governo da Guiana Inglesa e, logo, sob a liderança do PPP, também rechaçou energicamente esta afirmação. Em 1966 quando a Guiana tornou-se independente, a Venezuela reconheceu o território da Guiana, mas só a parte a leste do rio Essequibo. Além disso, anexou nesse mesmo ano uma pequena porção da colônia, a ilha Anacoco. Os esforços realizados por todas as partes na questão para resolver o conflito, às vésperas da independência da Guiana, em 1966, fracassaram. Atualmente a disputa continua sem solução e está nas mãos de um delegado do Secretário Geral das Nações Unidas.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Larry Rohter, "Cheddi Jagan, Guyana's Founder, Dies at 78", The New York Times, March 7, 1997.