Herói cultural

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O herói cultural é um personagem (cultural, étnico, racial ou religioso) cuja atribuição muda de acordo com invenções e descobertas. O herói cultural pode continuar a viver, seja em uma estrela, constelação, animal ou de forma puramente espiritual.

É tido como "irmão gêmeo do trickster".1

Diferencia-se do simples herói, indivíduo notabilizado por suas realizações2 e cuja aplicação é mais imediata e ao efeito de acontecimentos, por absorver construções míticas, variáveis semântica e temporalmente, ligadas ao imaginário popular e, por isso, cultural. No Brasil, Aleijadinho é um exemplo de assimilação de um personagem como herói cultural, em construção de um ícone de identidade cultural, cuja significação sofreu a interferência dos modernistas, especialmente por Mário de Andrade, e do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Após a morte, lendas foram criadas, como a de que o personagem seria cego e faria todo o trabalho sozinho, assim como teria se deslocado em curto espaço de tempo por regiões de difícil acesso para os padrões da época. Assim sendo, o processo de heroísmo do personagem não foi aplicado imediatamente e, sim, temporalmente, de acordo com interferências culturais. A historiadora Guiomar de Grammont defende, por exemplo, que Aleijadinho não foi um, mas vários.3 4 5 6

Na mitologia grega, o exemplo de Prometeu, um herói cultural, mostra o processo que tirara os homens da obscuridade, "no tempo em que 'olhavam sem ver, ouviam sem escutar', para os erguer ao domínio da natureza e à posse da sabedoria".7

Na literatura, os arquétipos literários demonstram esse processo de construção do herói cultural. Esse processo "liga o mais arcaico dos heróis, o herói mítico, à luta ― contra as forças demônicas do caos, integrando-o ao mito básico da criação".1

Referências

  1. a b MOUNTIAN, Daniela. Impostor e imposturas em O Diabo Mesquinho. Encontro de pós-graduandos da FFLCH-USP, São Paulo, 23 a 26 de novembro de 2009
  2. HOUAISS, Antônio. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Verbete herói. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001
  3. GRAMMONT, Guiomar de. Aleijadinho e o aeroplano - o paraíso barroco e a construção do herói colonial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008, 320 p.
  4. HAAG, Carlos. (novembro de 2008). Paranóia ou mistificação?. Revista FAPESP
  5. GONÇALVES FILHO, Antonio. (4 de janeiro de 2009). Aleijadinho, um mito?. Jornal O Estado de S.Paulo
  6. LUTTERBACH, Maria. O gênio audaz do Barroco. Revista Sagarana
  7. PEREIRA, Maria Helena Rocha. As combinações com as letras, memória de tudo, trabalho criador das Musas. Universidade de Coimbra
Ícone de esboço Este artigo sobre Mitologia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.