Hidrófita

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Higrofitismo)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde Julho de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.

Hidrófitas ou macrófitas aquáticas são quaisquer plantas que vivem com uma porção de sua parte vegetativa permanentemente imersa em água. O termo se refere tanto às algas como algumas espécies de plantas vasculares.

Como a imensa maioria das algas é marinha ou de água salgada, torna-se redundante descrever as suas espécies como hidrófitas, portanto, na maior parte dos casos, o termo é aplicado às plantas vasculares, como as ervas marinhas. Outras definições exigem que as hidrófitas sejam plantas herbáceas ou rizomatosas que permanecem na água durante toda a vida, excluindo algumas árvores cujas raízes são constantemente cobertas por água, como as dos manguezais.

Os ecólogos adotaram o termo "macrófitas aquáticas" que, segundo o autor Sculthorpe, é inadequado pois engloba todas as plantas aquáticas visíveis incluindo criptógamas, pteridófitas e angiospermas. O referido autor prefere utilizar o termo "hidrófita vascular".

As hidrófitas apresentam uma série de adaptações ao seu ambiente. No caso de algumas árvores, as raízes podem ser dotadas de pneumatóforos, que captam oxigênio atmosférico para sua respiração.

Já as plantas herbáceas e rizomatosas podem se apresentar de três maneiras: flutuantes (quando suas raízes não se prendem ao fundo e toda a planta permanece flutuando na superfície), semi-submersas (quando parte da planta permanece fora da água, mas pelo menos as raízes estão presas ao fundo) e submersas (quando as raízes estão fixas ao fundo e todo o corpo da planta permanece debaixo d'água). Cada um desses tipos apresenta uma gama de características próprias para seu modo de vida.

As flutuantes são normalmente dotadas de aerênquima, que tornam seu peso mais leve. Também possuem raízes curtas e simples, e grande índice de transpiração. Um exemplo famoso é o aguapé.

As semi-submersas normalmente possuem caules curtos ou rizomas subterrâneos, presos ao substrato, e longas folhas ou pecíolos que mantém suas folhas para fora da água. Estas folhas possuem estômatos na face superior das folhas, ao invés da inferior, que é o mais usual. Nestas espécies é mais comum a ocorrência de flores também sustentada por longos pedúnculos para fora da água. O lótus e o chapéu-de-couro mantêm as lâminas foliares bem acima do nível da água, mas as ninféias as mantém na superfície do espelho d'água. As taboas não possuem pecíolos, e as folhas são longas e eretas.

As submersas apresentam tecidos muito finos e delicados, normalmente com folhas pequenas, em forma de fita, ou fimbriadas, sem qualquer tipo de tecido de sustentação (algumas espécies de Dicotiledôneas submersas apresentam um sistema vascular muito rudimentar, à semelhança de algumas Monocotiledôneas aquáticas). As flores, algumas vezes, permanecem submersas, embora isso não seja uma regra.

As plantas anfíbias constituem aquele grupo de espécies aquáticas que vivem dentro da água, nos períodos de cheia, mas conseguem sobreviver por períodos variáveis no solo livre de inundação durante o período de seca.