Jean-Claude Duvalier

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.
Jean-Claude Duvalie
(«Baby Doc»)
Jean-Claude «Baby Doc» Duvalier, como foi conhecido o ex-presidente haitiano, apareceu na janela de seu quarto em um hotel de luxo em Porto Príncipe, capital do Haiti, e foi saudado por cerca de cem pessoas que se concentravam na porta do edifício. (Marcello Casal Jr, ABr)
33º Presidente do Haiti Haiti
Mandato 21 de abril de 1971
a 1986
Antecessor(a) François Duvalier[1]
Sucessor(a) Henri Namphy
Vida
Nascimento 3 de junho de 1951
Haiti
Morte 04 de outubro de 2014 (63 anos)
Haiti
Nacionalidade Haitiano
Dados pessoais
Cônjuge

Jean-Claude Duvalier (Porto Príncipe, 3 de junho de 19514 de outubro de 2014), mais conhecido como «Baby Doc», foi um ex-ditador do Haiti, tendo sucedido seu pai, François Duvalier, no posto de presidente da república.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Duvalier nasceu em Porto-Príncipe e foi criado em um ambiente isolado. Na infância e adolescência frequentou as instituições de ensino Nouveau College Bird e Saint-Louis de Gonzague. Mais tarde, estudou Direito na Université d'Etat d'Haïti (Universidade do Estado do Haiti), sob a direção de vários professores, incluindo Maître Gérard Gourgue.

Único filho homem de François Duvalier, o «Papa Doc», e Simone Ovide («Mama Doc»), uma ex-enfermeira, Jean-Claude tinha três irmãs: Marie Denise, Nicole e Simone.

Política[editar | editar código-fonte]

Antecedentes e cargo vitalício[editar | editar código-fonte]

Em 1957 seu pai, François Duvalier, assumiu a presidência e implantou um regime de terror que durou até sua morte, em 1971.[1] O terrorismo político continuou sob o comando de Baby Doc, que aos 19 anos o sucedeu em regime vitalício, numa época em que dezenas de milhares de haitianos foram torturados e mortos, segundo grupos de direitos humanos.[2] Tal terror era espalhado por sua milicia particular, um exército de cruéis soldados denominados tonton-macoutes («bichos-papões»).[2]

No governo de Baby Doc a taxa de analfabetismo subiu a índices ainda mais grotescos e a expectativa de vida decaiu vertiginosamente, o que, junto com a epidemia de aids e a fome que grassava através de todo o país, mergulhou o país no caos social, forçando dezenas de milhares de haitianos ao degredo nos Estados Unidos em arriscadas barcaças superlotadas.[2] [1]

Autodegredo e retorno[editar | editar código-fonte]

Já na década de 1980, com a crise econômica e o empobrecimento da população, o regime de terror perdeu força, até que, em 1986, Baby Doc fugiu para um exílio na França.[1] Durante sua saída do país, constatou-se o abismo entre o fausto de sua mudança — que incluía carregamentos de malas Louis Vuitton e milhões de dólares em suas contas em bancos suíços —, e a miséria reinante em Port-Príncipe.[2]

Entre 1986 e 1990, o Haiti procurou estabilizar sua situação política, mas uma sucessão de golpes militares impediu qualquer organização.

Em 16 de janeiro de 2011 Baby Doc retornou ao Haiti alegando que seu regresso visava "ajudar o povo" após o terremoto de 2010.[3] e poucos dias depois foi acusado de vários crimes, incluindo detenção ilegal e tortura contra seus opositores, corrupção, apropriação de dinheiro público e formação de quadrilha. Mesmo assim nenhum julgamento foi realizado. O ex-presidente só compareceu diante da Justiça em fevereiro de 2013, quando se apresentou no Tribunal de Recurso de Port-au-Prince. Em fevereiro de 2014, a justiça haitiana ordenou um novo inquérito sobre crimes contra a humanidade "imprescritíveis" atribuídos a ele.[4]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Seu casamento com Michele Bennett, em 1980, foi bancado pelo estado haitiano e teria custado até US$ 5 milhões aos cofres públicos, enquanto a população vivia na miséria, no que foi considerado o país mais pobre do hemisfério ocidental.[1]

No dia 4 de outubro de 2014, Baby Doc morre em decorrência de um ataque cardíaco, em Porto Príncipe.[5] [2]

Referências

  1. a b c d e Da redação (4 de outubro de 2014). Morre Baby Doc, ex-presidente do Haiti acusado de violar direitos humanos BBC Brasil. Visitado em 5 de outubro de 2014.
  2. a b c d e f Da redação (4 de setembro de 2014). Jean-Claude Duvalier, ex-Haitian leader known as Baby Doc, dies at 63 The Washington Post. Visitado em 5 de setembro de 2014.
  3. http://www.dw.de/ex-ditador-baby-doc-regressa-ao-haiti-depois-de-25-anos/a-14771035. Página visitada em 5 de outubro de 2014.
  4. http://www.dw.de/morre-baby-doc-ex-ditador-do-haiti/a-17974034?maca=bra-uol-all-1387-xml-uol. Página visitada em 5 de outubro de 2014.
  5. Da redação (4 de outubro de 2014). Morre o ex-presidente do Haiti Jean-Claude Duvalier, o 'Baby Doc' O Globo. Visitado em 4 de outubro de 2014.
Precedido por
François Duvalier
Coat of arms of Haiti.svg
Presidente do
Haiti

1971 - 1986
Sucedido por
Henri Namphy
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Jean-Claude Duvalier
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.