João Barbosa Rodrigues

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
J. Barbosa Rodrigues 1842 - 1909

João Barbosa Rodrigues (São Gonçalo do Sapucaí, MG[1] , 22 de junho de 1842Rio de Janeiro, 6 de março de 1909) foi um engenheiro, naturalista e botânico brasileiro.

Foi criado em Campanha, no estado de Minas Gerais. Se transferiu para o Rio de Janeiro com sua família no ano de 1858. Primeiramente dedicou-se ao comércio, mas sempre mostrou-se interessado em ciências naturais, colecionando insetos e plantas. Tornou-se professor de desenho e especializou-se em botânica, sob a orientação de Francisco Freire Allemão.

Esteve na Amazônia em uma missão científica do governo imperial (1872-1875). Anos mais tarde organizou e dirigiu, em Manaus, o Jardim Botânico, inaugurado em 1883 sob o patrocínio da Princesa Isabel e extinto após a Proclamação da República.

Em 1890 tornou-se diretor do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, o qual dirigiu até sua morte. Publicou uma obra de vasta extensão e uma de suas mais importantes contibuições foi seu trabalho sobre orquídeas, em três volumes, "Genera et species orchidearum novarum" (1877/1881). Deixou ainda uma "Iconografia das Orquídeas".

Em estadia em Minas Gerais, se destacou como engenheiro na construção da igreja matriz de Alfenas, que teve sua pedra fundamental lançada a 6 de agosto de 1876, sendo inaugurada a 30 de setembro de 1883.

Sua herma no Jardim Botânico é obra do escultor Olinto de Matos. No centenário de seu nascimento o botânico foi homenageado com o Museu Botânico Dr. João Barbosa Rodrigues em São Paulo.

Administração do Jardim Botânico do Rio de Janeiro[editar | editar código-fonte]

Suas principais realizações na diretoria do Jardim Botânico do Rio de Janeiro foram:

  • Desligamento do Jardim Botânico do Instituto Fluminense de Agricultura em 1890 que passou a cumprir a sua atual finalidade cultural e científica.
  • Reorganização dos viveiros de plantas e construção de estufa
  • Criação da Carpoteca e da Biblioteca
  • Colocação do Chafariz Central na aléa das palmeiras
  • Mudança do curso do Rio dos Macacos, cujas águas inundavam a área do Jardim, em certas épocas
  • Classificação específica dos exemplares cultivados
  • Abertura, aterro e ajardinamento de novas áreas
  • Aumento considerável da coleção de plantas vivas
  • Denominação das alamedas com nomes de antigos diretores
  • Plantio de um arboreto
  • Primeiros passo para a organização de um herbário
  • Liberação total de visitas sem acompanhamento entre abril de 1890 e junho de 1894, quando quase 150.000 pessoas visitaram o parque
  • Estabelecimento de um regulamento de policiamento interno para a conservação dos vegetais

Referências

  1. Agenda Permanente de Poesia Site Joca de Oliveira (2006). Página visitada em 14 de fevereiro de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Wikipedia-pt-hist-cien-logo.png Portal de história da ciência. Os artigos sobre história da ciência, tecnologia e medicina.