José Cardoso Sobrinho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
José Cardoso Sobrinho, O. Carm.
Arcebispo da Igreja Católica
Arquidiocese de Olinda e Recife

Título

Arcebispo Emérito de Olinda e Recife
Hierarquia
Papa Francisco
Ordenação e Nomeação
Ordenação Presbiteral 28 de abril de 1957
Ordenação Episcopal 27 de maio de 1979 pelo Papa João Paulo II
Lema Episcopal IN OBSEQUIO JESU CHRISTI
Em obediência a Jesus Cristo
Nomeado Arcebispo 10 de abril de 1985
Dados Pessoais
Nascimento BrasilCaruaru
30 de julho de 1933 (80 anos)
dados em catholic-hierarchy.org
Arcebispos
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Dom Frei José Cardoso Sobrinho, OCarm (Caruaru, 30 de junho de 1933) é um arcebispo católico brasileiro, arcebispo emérito da Arquidiocese de Olinda e Recife.

Formação Acadêmica[editar | editar código-fonte]

D. José cursou o ensino básico em Caruaru e em Goiana. Cursou o ensino médio no seminário menor da Ordem do Carmo, também em Goiana, entre 1945 e 1950. Em 1951, ingressou no Seminário Maior da Província Carmelitana Fluminense em São Paulo, .Em Roma cursou Teologia também no Colégio Internacional de Santo Alberto (da Ordem Carmelita), ordenando-se presbítero em 28 de abril de 1957. Especializou-se em Direito Canônico, obtendo o doutorado "in utroque iure" ("em dois direitos", isto é, em direito civil e canônico) na Universidade Gregoriana em 1966, com a tese ‘The Seminarian's option for celibacy’. Também cursou Direito Civil na universidade Lateranense de Roma entre 1965 e 1967.

Foi Professor de Direito Canônico em Roma, no Colégio Internacional Santo Alberto da Ordem Carmelita (1960-1968); Conselheiro Geral da Ordem Carmelita (1971-1977); Procurador Geral da Ordem Carmelita (1971-1979).

Atividades episcopais[editar | editar código-fonte]

Foi nomeado bispo de Paracatu, Minas Gerais, em 28 de abril de 1979, recebendo a ordenação em 27 de maio de 1979, em Roma, pelas mãos do papa João Paulo II. Em 1985 foi nomeado arcebispo em 10 de abril de 1985, assumindo a Arquidiocese de Olinda e Recife, em substituição a Dom Hélder Câmara.

A escolha de uma figura conservadora para substituir um dos pioneiros da Teologia da Libertação(TdL) no Brasil[1] , fez parte de uma política adotada pelo Vaticano durante o papado de João Paulo II para desconstruir a TdL na América Latina[2] , após a condenação que os fundamentos desta teologia sofreram no Tribunal da Santa Inquisição. E D. José realizou ações para cumprir tal desígnio, já nos anos 80 fechou o Instituto Teológico do Recife(ITER), o Seminário Nordeste II, importantes centro de referências na formação de leigos e religiosos, além de afastar padres envolvidos com a Teologia da Libertação, tais como o pe. Reginaldo Veloso.[3]

Entre 1987 e 1991 foi Presidente do Regional Nordeste 2 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.

Ao completar 75 anos de idade em 30 de junho de 2008, encaminhou ao papa Bento XVI sua carta de renúncia ao cargo de arcebispo[4] (a idade-limite de 75 anos para a entrega da função é estabelecida pelo Código Canônico).

Defensor dos valores católicos tradicionais e fiel ao Direito Canônico, envolveu-se em diversas polêmicas à frente da Arquidiocese de Olinda e Recife[5] .

Em fevereiro de 2008, entrou com representação no Ministério Público com o objetivo de obter, através da Justiça, um veto estadual à distribuição da chamada pílula do dia seguinte, diante da decisão das Prefeituras de Olinda e Recife de distribuí-las durante o Carnaval.

Tornou-se bastante conhecido pela sociedade brasileira no início de março de 2009, ao informar a excomunhão da mãe e da equipe médica responsáveis realização de aborto em uma menina de 9 anos, vítima de abuso sexual pelo padrasto, que engravidara de gêmeos. O Código de Direito Canônico, ao tratar da excomunhão, afirma que quem pratica aborto incorre em excomunhão latae sententiae, ou seja, o fiel automaticamente incorre em excomunhão ao praticar conscientemente o ato condenado pela Igreja. Segundo D. Cardoso, para incorrer na penalidade é preciso maioridade, portanto a pena não se aplica à menina[6] ,[7] .

O Direito Canônico não prevê tal pena para o estuprador. Segundo D. Cardoso, o estupro é um pecado gravíssimo e o aborto é mais grave do que o estupro.[8] .

Ordenações Episcopais[editar | editar código-fonte]

Principal ordenante de:

co-ordenante de:

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. http://www.pime.org.br/mundoemissao/evanghelder.htm
  2. http://www.usp.br/ran/ojs/index.php/angelusnovus/article/viewArticle/137
  3. Diário de Pernambuco, A era de Dom José: Dom José e suas polêmicas. Acessado Em: 29/09/2013. Disponível em http://www.dpnet.com.br/vidaurbana/especiais/dom_fernando/dom_jose.shtml
  4. Arcebispo de Olinda e Recife renuncia ao cargo, Jornal do Comércio On-Line, Publicado em 30.06.2008.
  5. Revista Isto É de 01 de fevereiro de 2008
  6. Portal G1, 05/03/2009.
  7. Dom José: "Não dei excomunhão. É a lei da Igreja"
  8. Arcebispo diz que suspeito de violentar menina não pode ser excomungado. Portal Bem Paraná, 06/03/2009.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Predeccesor:

Hélder Pessoa Câmara

Arcebispo de Olinda e Recife
Arcbishoppallium.png
1985 - 2009
Succesor:

Antônio Fernando Saburido