Khan Noonien Singh

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.


Khan
Personagem de Star Trek
Ricardo Montalbán como Khan no episódio "Space Seed".
Ricardo Montalbán como Khan no episódio "Space Seed".
Nome completo Khan Noonien Singh
Gênero Macho
Espécie Humana
Nascimento metade do século XX
Falecimento março de 2285
Cônjuge Marla McGivers
Interpretado por Ricardo Montalbán (1967) ,(1982)

Benedict Cumberbatch (2013)

Portal Ficção Científica

Khan Noonien Singh, comumente chamado simplesmente de Khan, é um vilão do universo ficcional de Star Trek. De acordo com a história dada na primeira aparição do personagem, o episódio "Space Seed" de Star Trek: The Original Series, Khan é um superhumano melhorado geneticamente, que uma vez controlou mais de um quarto da Terra durante as Guerras Eugênicas na década de 1990. Depois de ser revivido em 2267 pela tripulação da USS Enterprise, Khan tenta controlar a nave estelar, porém é frustrado por James T. Kirk e exilado em Ceti Alpha V para criar uma nova civilização com seu povo. O personagem retorna no filme Star Trek II: The Wrath of Khan, de 1982, quinze anos depois dos eventos de "Space Seed", em que Khan escapa de seu exílio e sai para procurar vingança contra Kirk. O personagem foi interpretado por Ricardo Montalbán tanto no episódio de televisão quanto no filme.

Khan aparece pela primeira vez como um indiano que é tanto admirado quanto injuriado pela tripulação da Enterprise. Harve Bennett, produtor executivo de The Wrath of Khan, escolheu o personagem como vilão do filme. Para refletir o tempo passado preso no planeta, Khan recebeu um figurino que parecia ter sido feito pela junção de vários itens, além do objetivo de mostrar o físico de Montalbán. O personagem foi recebido de forma muito positiva pelos críticos e pelos fãs; Khan foi votado como um dos maiores vilões de todos os tempos pela Online Film Critics Society.

Aparições[editar | editar código-fonte]

"Space Seed"[editar | editar código-fonte]

Khan faz sua primeira aparição em Star Trek no vigégimo segundo episódio da primeira temporada do programa, "Space Seed", que foi ao ar pela primeira vez em 16 de fevereiro de 1967. De acordo com a história revelada no episódio, Khan pertence a um grupo de superhumanos geneticamente modificados, criados para serem livres das limitações mentais e físicas dos humanos normais, que foram removidos do poder depois das Guerras Eugênicas na década de 1990.[1] Khan foi tanto o conquistador mais bem sucedido do grupo quanto o mais benigno, governando mais de um quarto da Terra, uma área indo da Ásia até o Oriente Médio, de 1992 até 1996 com uma mão firme mas pacífica até ser deposto. Apesar da maioria dos superhumanos ter sido morta ou sentenciada a morte, Khan e outros 84 fugiram da Terra na nave dormitório SS Botany Bay. Congelados criogenicamente em animação suspensa, a tripulação da Botany Bay foi descoberta pela USS Enterprise em 2267.

Quando a câmara de sono de Khan entra em problemas, ele é transportado para a Enterprise, onde ele acorda e descobre estar no século XXIII. Recebendo espaçosos aposentos enquanto a Botany Bay é rebocada para uma base estelar, Khan fascina e encanta a historiadora da nave, Marla McGivers, enquanto usa seu acesso aos manuais técnicos da nave para aprender como dominar e operar a Enterprise. McGivers concorda em ajudar Khan a reviver os outros superhumanos, permitindo que ele organize um motim. Para coagir a tripulação da Enteprise em ajudá-lo, Khan coloca o Capitão James T. Kirk na câmara de descompressão da nave e ameaça matá-lo se a tripulação não cooperar. McGivers não suporta ficar parada enquanto seu Capitão é morto e liberta Kirk, que neutraliza os homens de Khan usando um "gás neural". Khan vai para a engenharia da nave para ativar a auto-destruição, porém acaba sendo incapacitado por Kirk. Kirk realiza uma audiência, sentenciando Khan e seus seguidores ao exílio em um planeta não colonizado, Ceti Alpha V. Khan aceita o desafio—envocando a queda de Lúcifer em Paraíso Perdido, de John Milton[2] [3] —e McGivers se junta a ele ao invés de enfrentar uma corte marcial. Spock se pergunta como será a "semente" que Kirk plantou em um século.

Star Trek II: The Wrath of Khan[editar | editar código-fonte]

Vestuário usado por Khan em Star Trek II: The Wrath of Khan

Khan retorna no filme de 1982 Star Trek II: The Wrath of Khan, quando os oficiais Clark Terrell e Pavel Chekov da USS Reliant são transportados para a superfície do que eles acreditam ser Ceti Alpha VI, procurando um inóspito planeta para servir de local de teste para o Dispositivo Gênesis, uma poderosa ferramenta de terraformação. Seus seguidores capturam Terrell e Chekov, e Khan explica que a terra desértica e estéril que eles habitam é Ceti Alpha V. O sexto planeta do sistema explodiu pouco depois de Khan e seus seguidores terem sido exílados, causando enormes mudanças no clima. O planeta ficou desértico, e muito dos sobreviventes (incluindo McGivers, que havia se tornado sua esposa) foram mortos pela única forma de vida sobrevivente do planeta, a enguia de Ceti. Quando a Reliant chega em Ceti Alpha V, apenas vinte dos seguidores de Khan ainda estão vivos. Jurando vingança contra Kirk, Khan controla Terrell e Chekov usando as enguias de Ceti implantadas em seus cérebros, deixando-os vulneráveis a sugestões. Khan então toma controle da Reliant, com a intenção de adquirir o Dispositivo Gênesis e se vingar de Kirk por se exílio.[1]

Atraído por Khan até a estação espacial Regula I, a Enterprise cai no ataque surpresa da Reliant. Kirk, com sua nave avariada, engana Khan ao usar um código especial para remotamente abaixar os escudos da Reliant e infligir danos significantes a nave. Khan é forçado a recuar e realizar reparos. Usando Terrell e Chekov como espiões, Khan captura o Dispositivo Gênesis e deixa Kirk preso em Regula I. Entretanto, ele é enganado por Spock, achando que a Enterprise mal consgue se mover. Khan é surpreendido quando Kirk e a Enterprise escapam para a Nebulosa de Mutara. Instigado a seguir Kirk, Khan leva a Reliant para dentro da nebulosa, onde os escudos e os visuais são inoperantes. Devido a sua inexperiência em combates tridimensionais, a Enterprise desabilita a Reliant e mata seus seguidores. Recusando-se a aceitar a derrota, Khan ativa o Dispositivo Gênesis com a intenção de matar seu inimigo junto com ele próprio. Khan acredita ter condenado Kirk antes de morrer, porém Spock, em um ato de auto-sacrifício, se expõe a radiações mortais para poder consertar o motor de dobra da Enterprise, permitindo que ela escape da explosão.

Star Trek Into Darkness[editar | editar código-fonte]

O ator britânico Benedict Cumberbatch interpretou Khan em Star Trek Into Darkness

Khan aparece no filme Star Trek Into Darkness, de 2013, novamente como o principal antagonista, no universo alternativo introduzido em Star Trek (2009). Seu passado continua o mesmo, mas em vez de ser encontrado por Kirk e a Enterprise, Khan é revivido sozinho pelo almirante da Frota Estelar Alexander Marcus depois de ser encontrado na Botany Bay. Marcus teme uma guerra com os Klingons, e mantendo os companheiros de Khan como reféns, ele obriga Khan desenvolver naves de guerra e armas para a Frota Estelar sob a identidade falsa de "John Harrison". Khan se rebela, explode uma instalação da Frota Estelar em Londres. Sabendo que isto obrigaria uma reunião de alto nível com Marcus, ele entra na sede Frota em San Francisco com uma pequena nave, bem armada. Muitos oficiais morrem, incluindo o almirante Christopher Pike. Depois de James T. Kirk desativa a nave, Khan transporta-se para o planeta natal Klingon, Kronos.

Marcus arma a Enterprise com 72 torpedos avançados e envia Kirk e a Enterprise para Kronos para eliminar Khan. Contra as ordens, Kirk tenta capturá-lo vivo, mas sua equipe é interceptada por Klingons. Após Khan facilmente despachar os Klingons, Hikaru Sulu, no comando temporário da Enterprise, diz para Khan que se ele não se render será alvejados com 72 torpedos. Khan deduz rapidamente que os torpedos contêm seus companheiros em suspensão criogênica, e ele se rende imediatamente. Uma vez na prisão, Khan revela sua verdadeira identidade, explicando que "Harrison" era um nome falso criado por Marcus.

Pouco tempo depois, Marcus chega na USS Vengeance para cobrir seus rastros. Kirk se alia à Khan em uma tentativa de capturar Marcus e resgatar a filha de Marcus, Carol, que foi transportada para fora da Enterprise mais cedo. Uma vez que conseguiram tomar o controle da ponte da Vengeance, Khan mata Marcus e negocia com Spock para o transporte de seus companheiros para a Vengeance. Em troca de Kirk, Spock concorda em transportar os torpedos. Após a troca completa, Khan planeja destruir a Enterprise, mas os torpedos detonam e paralisam a Vengeance. Spock tinha removido os companheiros de Khan dos torpedos e ativado ogivas das armas.

A Enterprise, danificada batalha mas não pode manter a órbita e começa a cair em direção à Terra. Em um paralelo sobre a morte de Spock em Wrath of Khan, Kirk se sacrifica para reparar o dano. Spock conversa com Kirk com seus últimos minutos de vida e culpa Khan pela morte de Kirk.

Khan intecionalmente derruba a Vengeance em San Francisco e escapa ileso da devastação devido a suas melhorias genéticas. Depois de uma longa perseguição, Spock subjuga Khan e está prestes a matá-lo quando Uhura chega. Ela informa Spock que o sangue de Khan pode ser capaz de reviver Kirk, Spock então relutantemente decide poupar Khan. O renascimento bem sucedido, e Khan, eventualmente, é colocado de volta no sono criogênico, juntamente com sua equipe em um hangar da Frota Estelar em segurança.

Livros[editar | editar código-fonte]

O autor Greg Cox já escreveu três livros de Star Trek contendo Khan. Os livros foram publicados e licenciados pela Pocket Books, apesar do assunto em questão não entrar no cânone oficial da franquia. O dois volumes The Eugenics Wars: The Rise and Fall of Khan Noonien Singh, Khan e seus seguidores são colocados na Botany Bay por Gary Seven como parte de um acordo para parar suas maquinações na Terra.[4] A sequência, To Reign in Hell: The Exile of Khan Noonien Singh, de 2005, relata o que aconteceu com Khan e seus seguidores entre os eventos de "Space Seed" e The Wrath of Khan.[5]

Aparência e análise[editar | editar código-fonte]

No tratamento original do enredo de Carey Wilber para "Space Seed", o personagem de Khan era um super-homem nórdico chamado Harold Erricsen. O primeiro rascunho do roteiro introduzia o personagem como John Erricsen—que é revelado ser um homem envolvido na "Primeira Tirania do Mundo", chamado Ragnar Thorwald. O personagem de Thorwald era muito mais brutal do que Khan na versão final, matando guardas usando um faser.[6] No rascunho final, Khan é descendente de indianos.[7] O sotaque latino do personagem e sua aparência superhumana o diferencia muito da grande maioria dos personagens de Star Trek.[8] Em "Space Seed", Khan é apresentado como possuindo várias características positivas: ele é gracioso, sorri, é destemido e generoso. Ele não é ameaçado pelo sucesso dos outros, e encoraja a auto-estima. Ele também é ambicioso, desejando um desafio que corresponda com suas habilidades. Essa ambição, entretanto, não é moderada por qualquer consideração aos outros. O autor Paul Cantor alega que Khan é uma imagem espelhada de Kirk, compartilhando suas agressividade, ambição e até sua tendência de conquistador, porém possuindo tais características em um grau muito mais elevado.[9] Durante o episódio, vários personagens expressam sua admiração por ele, enquanto se opõe a seus planos e ao que ele defende ao mesmo tempo.[9]

Depois da recepção desapontadora do primeiro filme da franquia, Star Trek: The Motion Picture, os executivos de Paramount Pictures colocaram Harve Bennett, um produtor de televisão que nunca havia assistido Star Trek, para ser o produtor executivo da sequência.[10] Bennett assistiu todos os episódios originais e escolheu Khan de "Space Seed" como um possível vilão para o filme.[11] Os primeiros rascunhos do roteiro tinham Khan como um sombrio tirano liderando um planeta em revolta; rascunhos posteriores adicionaram o "Dispositivo Gênesis" que ele iria roubar.[11]

O figurinista Robert Fletcher queria enfatizar os efeitos do ambiente hostil em Khan e seus seguidores. "Minha intenção com Khan era expressar o fato que eles foram abandonados em um planeta com nenhuma infraestrutura técnica, então eles tinham de canibalizar a nave espacial para o que eles precisavam usar e vestir. Dessa forma, eu tentei fazer parecer que eles haviam se vestido com peças de estofamento e equipamentos elétricos que compunham a nave", disse ele.[12] O diretor Nicholas Meyer disse para Montalbán manter a luva direita na mão durante todo o filme, com o objetivo de dar aos espectadores um enigma para eles formarem suas próprias respostas e criar um mistério para o personagem.[13] Meyer frequentemente é perguntado se Montalbán usou próteses no peito para suas cenas, já que seu uniforme foi desenhado propositalmente com a frente aberta. Meyer respondeu nos comentários em áudio do filme que Montalbán (com 61 anos de idade na época das filmagens)[1] é "um cara muito forte", e que nenhuma prótese foi aplicada para aumentar o tamanho do ator.[13]

Em nenhum ponto durante The Wrath of Khan, Kirk e Khan se enfrentam cara a cara; eles se comunicam um com o outro apenas através de comunicadores e de telas. Isso ocorreu em parte porque o cenário da ponte da Reliant era uma modificação da ponte da Enterprise, e as cenas com os dois atores foram filmadas com meses de diferença.[14] Montalbán recitou suas falas com o supervisor de roteiros ao invés de William Shatner.[15]

Montalbán disse em entrevistas promocionais para o filme que, desde cedo em sua carreira, ele percebeu que bons vilões nunca se veem como perversos.[15] O vilão pode fazer coisas perversas, porém ele acha que as está fazendo pelas razões corretas. Montalbán também afirmou que ele sempre tenta achar uma falha em algum personagem, já que ninguém é completamente bom ou mau; apesar de Khan ter uma visão distorcida da realidade e, dessa forma, realiza atos perversos, mesmo assim ele achou que sua vingança era algo nobre devido a morte de sua esposa.[15] Khan cita o personagem Ahab de Moby Dick pelo filme, dirigindo o seu desejo de fazer Kirk pagar pelos erros que ele tem infligido sobre ele.[13]

Como homem superior[editar | editar código-fonte]

Superficialmente, é acreditado que Khan possui algumas semelhanças ao conceito de "Übermensch" (Superhomem), de Friedrich Nietzsche.[16] Khan é superior mentalmente e fisicamente a qualquer humano normal. No episódio "Borderland", de Star Trek: Enterprise, Malik, o líder de um grupo de superhomens criados pela mesma engenharia genética que Khan, cita Nietzsche, dizendo a Jonathan Archer que a "Humanidade é algo para ser superada". O Professor William J. Devlin e o coautor Shai Biderman examinaram o personagem de Khan comparando ao Übermensch, descobrindo que sua perseguição cega por vingança é contra os ideais de transcendência e auto-criação de uma vida significativa de Nietzsche. Ao invés disso, os autores oferecem o sacrifício de Spock em The Wrath of Khan como um melhor exemplo do Übermensch.[16]

Referências

  1. a b c Cartmell, Deborah; Whelehan, Imelda. Adaptations: From Text to Screen, Screen to Text. [S.l.]: Routledge Publishing, 1999. p. 179. ISBN 0-415-16738-8
  2. Paradise Lost. Open Milton. Página visitada em 1 de outubro de 2011.
  3. Space Seed (roteiro). The Star Trek Transcripts. Página visitada em 1 de outubro de 2011.
  4. Cox, Greg. The Eugenics Wars: The Rise and Fall of Khan Noonien Singh. [S.l.]: Pocket Books, 2002. vol. 2. ISBN 0-7434-0643-5
  5. Cox, Greg. To Reign in Hell: The Exile of Khan Noonien Singh. [S.l.]: Pocket Books, 2005. ISBN 0-7434-5711-0
  6. Freeman, John. (abril/maio de 2005). "Flashback: 'Space Seed'". Star Trek Magazine 1 (120).
  7. Marla McGivers: "Do norte da Índia, suponho. Provavelmente um Sikh. Eles eram os guerreiros mais fantásticos".—"Space Seed". Star Trek: The Original Series. NBC (16 de fevereiro de 1967). No. 22, temporada 1.
  8. Bernardi, Daniel. Star Trek and History: Race–Ing Toward a White Future. [S.l.]: Rutgers University Press, 1998. p. 84–85. ISBN 0-813-52466-0
  9. a b Cantor, Paul. Gilligan Unbound: Popular Culture in the Age of Globalization. [S.l.]: Rowman & Littlefield, 2001. p. 222–223. ISSN 0-742-50779-3
  10. Rioux, Terry Lee. From Sawdust to Stardust: The Biography of DeForest Kelley. [S.l.]: Pocket Books, 2005. p. 240–242. ISBN 0-7434-5762-5
  11. a b Robinson, Ben. (setembro de 2002). "Special 'The Wrath of Khan' Issue". Star Trek: The Magazine 3 (5).
  12. (DVD) Star Trek II: The Wrath of Khan - The Directors Edition, "Designing Khan". Paramount Pictures. 2002.
  13. a b c Meyer, Nicholas. (DVD) Star Trek II: The Wrath of Khan - The Directors Edition, "comentários em áudio". Paramount Pictures. 2002.
  14. Shatner, William; Kreski, Chris. Star Trek Memories. Nova Iorque: HarperCollins, 1994. p. 161. ISBN 0-0610-9235-5
  15. a b c Spelling, Ian. (7 de agosto de 1994). "From deep space to heaven". Toronto Sun.
  16. a b Biderman, Shai; Devlin, William J.. Star Trek and Philosophy: The Wrath of Kant. Chicago: Trade Paperback, 2008. Capítulo: The Wrath of Nietzsche. , p. 47–59. ISBN 978-0-8126-9649-3

Ligações externas[editar | editar código-fonte]