Linhas Aéreas de Moçambique

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Linhas Aéreas de Moçambique, também conhecida pela sua sigla LAM, é uma companhia aérea com sede na cidade de Maputo, Moçambique.

A LAM tem como missão o transporte por via aérea de passageiros, carga e correio nos serviços doméstico, regional e internacional, de carácter regular e não-regular.

Histórico[editar | editar código-fonte]

A atual LAM foi criada pelo governo português em 1936 com a designação de Direcção de Exploração de Transportes Aéreos (DETA), como uma divisão de exploração dos serviços dos portos e de caminhos-de-ferro. O primeiro vôo estava operando em 22 de dezembro 1937. Depois sua criação, a existência como companhia caracterizou-se por um rápido desenvolvimento, respondendo às necessidades decorrentes da ligação aos países vizinhos, nomeadamente Suazilândia, África do Sul, Maláui e Zimbabué (estes dois últimos integrados na então Federação da Rodésia e Niassalândia).

Após a independência de Moçambique em 1975, é extinta a DETA e criada a LAM, uma empresa estatal sob tutela do Ministério dos Transportes e Comunicações entre 1980 e 1989.

Situação atual[editar | editar código-fonte]

Segundo o decreto Lei Nº 69/98 de 23 de dezembro de 1998, a LAM é transformada em Sociedade Anónima de Responsabilidade Limitada, adotando a denominação de LAM - Linhas Aéreas de Moçambique, S.A.R.L. Assim, o estado moçambicano possui atualmente 80% das ações da nova sociedade formada e os gestores, técnicos e trabalhadores da LAM, os restantes 20 % das ações.

Em Abril de 2011 a composição do Conselho de Administração foi modificada, passando a ter como presidente Teodoro Andrade Waty ; Marlene Mendes Manava, administradora delegada, presidindo à Comissão Executiva; Jeremias Tchamo, administrador financeiro; João Abreu, administrador técnico e operacional; Paulo Negrão, representante dos trabalhadores; Jorge Marcelino, presidente do Conselho Fiscal; e Graça Fumo e Carlos Alfredo Fumo, administradores não-executivo.1 Emprega atualmente 677 trabalhadores (2010) e possui delegações ou outras formas de representação no país e no estrangeiro, e está dotada de autonomia administrativa, financeira e patrimonial.

Incidentes[editar | editar código-fonte]

Voo TM470 em 29 de Novembro 2013[editar | editar código-fonte]

Na sexta-feira, 29 de Novembro, o voo TM470 com uma Embraer 190 da LAM desapareceu com 27 passageiros e 6 tripulantes em pleno voo entre Maputo e Luanda.2 Foi encontrado o avião sinistrado no Parque Nacional de Bwabwata, no norte na Namíbia, junto à fronteira com Angola e o Botswana, um dia depois. Não havia sobreviventes.3

Frota[editar | editar código-fonte]

A LAM explora uma frota composta por quatro aviões a jato: um Boeing 737-500, de 96 lugares e dois Embraer 190-100, com 9 lugares em classe executiva e 85 em classe económica; e três Bombardier Q400. 4 Estes aviões têm sido utilizados para o transporte de passageiros e carga para percursos de médio curso, nas ligações domésticas e regionais.

Códigos Internacionais[editar | editar código-fonte]

  • Código IATA: TM
  • Código ICAO Code: LAM
  • Designação: Mozambique

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre aviação, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.