Maputo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Maputo
—  cidade e município  —
Panorama de Maputo em 2006
Panorama de Maputo em 2006
Bandeira de Maputo
Bandeira
apelido/alcunha(s) Cidade das Acácias e Pérola do Índico[1]
Localização de Maputo em Moçambique
Localização de Maputo em Moçambique
Localização de Maputo na Baía de Maputo
Localização de Maputo na Baía de Maputo
25° 58' S 32° 35' E
País  Moçambique
Fundação 1782
Elevação a Vila 1877
Elevação a Cidade 10 de novembro de 1887
Conselho Municipal Praça da Independência
c/acesso principal pela
Avenida Ho Chi Min, 975
Maputo
Distritos
Administração
 - Presidente do Conselho Municipal David Simango (Frelimo)
 - Governadora da Cidade de Maputo Lucília José Manuel Nota Hama
Área [2]
 - cidade e município 346 77 km²
Altitude [3] 47 m (154 pés)
População (15 de agosto de 2007)[4]
 - cidade e município 1 094 315
    • Densidade 3648/km2 
 - Metro 1 766 823
(inclui o município de Matola)
 - Gentílico Maputense
Fuso horário CAT (UTC+2)
Código postal 1100
Código de área +258 21
IDH[2] 0,644 (2006)
ISO 3166-2 MZ-MPM
Sítio www.cmmaputo.gov.mz

Maputo (até 1976 Lourenço Marques) é a capital e a maior cidade de Moçambique. É também o principal centro financeiro, corporativo e mercantil do país. Localiza-se na margem ocidental da Baía de Maputo, no extremo sul do país, perto da fronteira com a África do Sul e, da fronteira com a Suazilândia e, por conseguinte, da tripla fronteira dos três países. Até 13 de março de 1976 a cidade era denominada "Lourenço Marques" em homenagem ao explorador português homónimo.

A cidade constitui administrativamente um município com um governo eleito e tem também, desde 1980, o estatuto de província.[5] Não deve ser confundida com a província de Maputo que ocupa a parte mais meridional do território moçambicano, exceptuando a cidade de Maputo.

O município tem uma área de 346,77 km²[2] e uma população de 1 094 315 (Censo de 2007)[4] o que representa um aumento de 13,2% em dez anos. A sua área metropolitana, que inclui o município da Matola, tem uma população de 1 766 823 habitantes (Censo 2007).[6]

História[editar | editar código-fonte]

Maputo vista do ar

Foi fundada em 1782, na forma de uma feitoria com o nome de Lourenço Marques. Em 1877 foi elevada a vila e em 10 de Novembro de 1887 a cidade, por meio de um Decreto do Rei de Portugal (formalmente intitulado Decreto Régio). Deste modo, esta última data é o "feriado municipal". E em 1898 tornou-se a capital da colónia portuguesa de Moçambique. A partir dos anos 1940 e 50, do século XX, e sobretudo ao longo dos anos 1960 e 70, a cidade expandiu-se comercial, industrial e residencialmente, beneficiando do crescimento económico e investimento que a colónia então sofreu.

A cidade passou a designar-se Maputo depois da independência nacional, uma decisão anunciada pelo então presidente Samora Machel num comício a 3 de Fevereiro de 1976[7] e formalizada em 13 de Março.[8] O nome provém do Rio Maputo, que marca parte da fronteira sul do país e que, durante a guerra pela independência de Moçambique, adquirira grande ressonância através do slogan "Viva Moçambique unido do Rovuma ao Maputo" (o Rovuma é o rio que forma a fronteira com a Tanzânia, a norte). Com a independência, a cidade sofreu um imenso afluxo populacional, devido à guerra civil travada no interior do país (1976-1992) e à falta de infra-estruturas nas zonas rurais. O natural crescimento demográfico faria também com que a cidade se transformasse muito ao longo dos anos 1980 e 90.

Para além destas duas designações, a cidade e a sua área também foram conhecidas por outros nomes, tais como Baía da Lagoa, Xilunguíne ou Chilunguíne (local onde se fala a língua portuguesa), Mafumo, Camfumo ou Campfumo (do clã dos M'pfumo, o reino mais importante que existia nesta região), Delagoa e Delagoa Bay, sendo esta designação mais conhecida internacionalmente pelo menos até aos primeiros anos do século XX.[9]

Entre 1980 e 1988 a cidade de Maputo incluiu a cidade da Matola, formando o Grande Maputo, com uma área de 633 km². [10] [11]

A partir de 2010, o distrito municipal nº 1 foi nomeado KaM'pfumo, celebrando assim aquele nome histórico.

Património da cidade de Maputo[editar | editar código-fonte]

Fortaleza de Maputo
Estação Ferroviária, construída entre 1913-1916

A cidade de Maputo conta com alguns monumentos importantes para a compreensão da história, não só da cidade, mas do próprio país. Ainda que boa parte do património esteja degradada, a cidade exibe exemplares interessantes da arquitetura modernista portuguesa que floresceu nos anos 1960 e 70 do século passado. Alguns dos monumentos mais importantes da cidade:

Ver ainda a Lista do património edificado em Moçambique.

Governo da cidade de Maputo[editar | editar código-fonte]

Município[editar | editar código-fonte]

A autarquia de Maputo é dirigida desde Novembro de 1998 por um Conselho Municipal, órgão executivo colegial constituído por um Presidente eleito por voto direto para um mandato de cinco anos e por 15 vereadores por ele designados. O governo é monitorizado por uma Assembleia Municipal, composta por vereadores também eleitos por voto direto.[14] Antes desta data a cidade era dirigida por um Conselho Executivo nomeado pelo governo central. Os seguintes presidentes dos conselhos executivo e municipal dirigiram a cidade:

Edifício do Conselho Municipal de Maputo
Data da tomada
de posse
Presidente do Conselho Executivo
(Nomeado)
17 de Junho de 1980 António Hama Thay
1 de Dezembro de 1982 Gaspar Horácio Mateus Zimba
28 de Maio de 1983 Alberto Massavanhane
12 de Março de 1987 João Baptista Cosme
20 de Novembro de 1997 Artur Hussene Canana
Data da tomada
de posse
Presidente do Conselho Municipal
(Eleito)
Partido
27 de Novembro de 1998 Artur Hussene Canana Frelimo
19 de Novembro de 2003 Eneas da Conceição Comiche Frelimo
7 de Fevereiro de 2009 David Simango Frelimo
7 de Fevereiro de 2014 David Simango Frelimo

Província[editar | editar código-fonte]

Apesar da cidade de Maputo ter estatuto de província desde 1980[15] , só em Fevereiro de 2005 foi nomeada Rosa Manuel da Silva como sua primeira governadora (o cargo esteve vago até essa altura)[16] . Uma nova governadora, Lucília José Manuel Nota Hama foi nomeada em 16 de Janeiro de 2010[17] .

Divisão administrativa[editar | editar código-fonte]

Maputo está dividida em sete distritos municipais, que se encontram, por sua vez, divididos em bairros e povoações:

Unidade Administrativa Autárquica[18] Área
km²[19]
População
(Censo 2007)[20]
Bairros/Povoações
Distrito Urbano de KaMpfumo
(antigo nº1)
            12          107 530   Central A, B e C; Alto Maé A e B; Malhangalene A e B; Polana Cimento A e B, Coop e Sommerchield.
Distrito Urbano de Nlhamankulu
(ou Chamanculo, antigo nº 2)
              8          155 385   Aeroporto A e B; Xipamanine; Minkadjuíne; Unidade 7; Chamanculo A, B, C e D; Malanga e Munhuana.
Distrito Urbano de KaMaxaquene
(ou Maxaquene, antigo nº 3)
            12          222 756   Mafalala; Maxaquene A, B, C e D; Polana Caniço A e B e Urbanização.
Distrito Urbano de KaMavota
(ou Mavota, antigo nº4)
          108          293 361   Mavalane A e B; FPLM; Hulene A e B; Ferroviário; Laulane; 3 de Fevereiro; Mahotas, Albazine e Costa do Sol.
Distrito Urbano de KaMubukwana
(ou Mubukwane, antigo nº5)
            53          290 696   Bagamoyo; George Dimitrov (Benfica); Inhagoia A e B; Jardim, Luís Cabral; Magoanine; Malhazine; Nsalane; 25 de Junho A e B; e Zimpeto.
Distrito Municipal de KaTembe
(ou Catembe, antigo nº6)
          101           19 371   Gwachene; Chale; Inguice; Ncassene e Xamissava.
Distrito Municipal de KaNyaka
(ou Inhaca, antigo nº7)
            52            5 216   Ingwane; Ribjene e Nhaquene.

Geografia[editar | editar código-fonte]

A cidade de Maputo está localizada no sul de Moçambique, a oeste da Baía de Maputo, no Estuário do Espírito Santo, onde desaguam os rios Tembe, o Umbeluzi, o Matola e o Infulene. Está situada a uma altitude média de 47 metros. Os limites do município se encontram entre as latitudes 25º 49' 09" S (extremo norte) e 26º 05' 23" S (extremo sul) e as longitudes 33° 00' 00" E (extremo leste - considerada a ilha de Inhaca) e 32° 26' 15" E (extremo oeste).[2]

O município de Maputo possui área de 346,77 km² e faz divisa com o distrito de Marracuene, a norte; o município da Matola, a noroeste e oeste; o distrito de Boane, a oeste, e o distrito de Matutuíne, ao sul, todos pertencentes à província de Maputo. A cidade de Maputo está situada a 120 km da fronteira com a África do Sul e 80 km da fronteira com a Suazilândia.[21]

Clima[editar | editar código-fonte]

O Clima de Maputo é o tropical seco.[2] O período mais quente do ano compreende os meses de novembro a abril e o mais frio os meses de maio a outubro. O período de maior precipitação ocorre nos meses mais quentes, entre novembro e março.

Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para Maputo Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima registada (°C) 43 39 40 39 38 34 36 39 46 45 44 44 46
Temperatura máxima média (°C) 29,9 29,6 29,3 27,8 26,4 24,6 24,4 25,3 26,1 26,5 27,4 29,1 27,2
Temperatura mínima média (°C) 22,3 22,3 21,5 19,4 16,8 14,8 14,2 15,4 17,2 18,3 19,7 21,4 18,6
Temperatura mínima registada (°C) 16 17 16 11 8 4 1 7 9 12 11 15 1
Precipitação (mm) 171,1 130,5 105,6 56,5 31,9 17,6 19,6 15,0 44,4 54,7 81,7 85,0 813,6
Dias com chuva 8,1 7,6 7,0 4,4 2,8 2,4 1,8 2,2 3,2 5,5 7,9 7,5 60,4
Humidade relativa (%) 69,0 69,0 71,0 67,5 66,0 63,5 65,0 64,0 64,0 65,5 67,0 67,5 66,6
Horas de sol 248 226 248 240 248 240 248 248 248 217 210 217 2 838
Fonte: World Meteorological Organization[22]
Fonte #2: BBC Weather[23]

A humidade relativa média é de 66,6%, com pouca oscilação durante o ano. O mês com maior humidade relativa é março com 71,0%, e o mês como menor humidade é junho com 63,5%.[23]

Demografia[editar | editar código-fonte]

O censo de 2007 apontou uma população de 1 094 315 habitantes,[4] um crescimento de 13,2% em relação ao censo anterior realizado em 1997, onde foram apurados 966 837 habitantes. Este crescimento populacional equivale a 1,2% ao ano, metade da média nacional de 2,4%. Segundo o INE (Instituto Nacional de Estatística), este crescimento populacional lento em Maputo é resultado da migração para a província de Maputo, principalmente para as zonas de expansão habitacional nos distritos de Boane, Marracuene e cidade da Matola. O INE relata ainda que entre 2006 e 2007, a cidade de Maputo recebeu de outras províncias 26 038 pessoas, mas por outro lado, 39 614 saíram para a província de Maputo.[24] No início de 2013 a população do município estava estimada em 1 209 993 habitantes.[25]

O censo apontou ainda uma queda na taxa de natalidade (de 35,5 nascidos vivos por mil habitantes em 1997 para 27,6 em 2007) e na taxa de fecundidade (de 4,2 filhos por mulher em 1997 para 2,9 em 2007).[24]

Com relação à taxa de analfabetismo, a cidade de Maputo registrou uma redução de 15% em 1997 para 9,8% em 2007. Porém, permanece a disparidade entre os sexos: 4,4% dos homens declararam que não sabiam ler nem escrever, contra 14,8% das mulheres.[24]

Houve melhoras também nas condições habitacionais, em 1997, 38% das residências possuíam energia elétrica, em 2007 este número passou para 63%. Com relação a água canalizada, o crescimento foi de 49% em 1997 para 55% em 2007.[24] [26]

Indicadores Básicos do censo de 2007[24] [26] [editar | editar código-fonte]

  • Taxa de analfabetismo, total: 9,8% (15% em 1997)
    • Taxa de analfabetismo, homens: 4,4%
    • Taxa de analfabetismo, mulheres: 14,8%
  • Número médio de pessoas por agregado familiar (residência): 4.9
  • Habitações com eletricidade: 63,0%
  • Habitações com água canalizada: 55,1%
    • Dentro de casa: 16,0%
    • Fora de casa: 39,1%

Religião[editar | editar código-fonte]

Comparando os censos de 1997 e 2007, verifica-se redução no número de pessoas que dizem não pertencer a qualquer seita religiosa, passando de 15,9% em 1997 para 14,3% em 2007.[24]

Foi verificado também redução no número de pessoas pertencentes a Igreja Zione, uma religião que constitui uma miscelânea entre o cristianismo e crenças animistas tradicionais, de 38,7% em 1997 para 25,2% em 2007.[24]

O número de católicos, por sua vez, aumentou de 21,6% em 1997 para 23,1% em 2007. Os muçulmanos passaram de 4,6% para 5,3%, enquanto que os protestantes dobraram de 1997 para 2007, atingindo 21,2%.[24]

De acordo com o censo de 2007, a população de Maputo por religião e sexo estava distribuída da seguinte forma:

População por religião e sexo [27]
Religiões Homens Mulheres Total  %
Zione/Siao 122 389 153 870 276 259 25,24%
Católica 123 178 129 516 252 694 23,09%
Evangélica/Pentecostal 104 324 127 241 231 565 21,16%
Islâmica 30 732 27 765 58 497 5,35%
Anglicana 8 914 10 757 19.671 1,80%
sem religião 97 246 59 368 156 614 14,31%
outras 41 272 48 736 90 008 8,23%
desconhecida 4 374 4 633 9 007 0,82%

Língua[editar | editar código-fonte]

De acordo com o censo de 2007, a população de Maputo, com cinco anos de idade ou mais, por língua materna e sexo estava distribuída da seguinte forma:

População de 5 anos ou mais por língua materna e sexo [28]
Línguas Homens Mulheres Total  %
Português 202 590 209 437 412 027 42,9%
Xichangana 137 068 164 868 301.936 31,5%
Xirhonga 40 961 51 824 92 785 9,7%
Cicopi/Cichopi 14 943 16 811 31 754 3,3%
Xitshwa 16 959 16 313 33 272 3,5%
Bitonga 13 415 13 624 27 039 2,8%
outras línguas moçambicanas 29 324 13 193 42 517 4,4%
outras línguas estrangeiras 6 522 5 860 12 382 1,3%
nenhuma 55 84 139 0,0%
mudos 250 183 433 0,0%
desconhecida 2 736 2 452 5 188 0,5%
Totais 464 823 494 649 959 472 100,0%

Raça[editar | editar código-fonte]

Pintura do retrato de uma mulher de Moçambique

De acordo com o censo de 2007, a população de Maputo estava distribuída da seguinte forma, segundo a raça:

População por raça [29]
Raças Homens Mulheres Total  %
Negra 506 183 534 191 1 040 374 95,07%
Mestiça 14 239 16 526 30 765 2,81%
Branca 4 095 3 195 7 290 0,67%
Industânica 3 848 3 686 7 534 0,69%
outras 4 064 4 288 8 352 0,76%
Totais 532 429 561 886 1 094 315 100,00%

Economia[editar | editar código-fonte]

Porto de Maputo, o segundo maior da costa oriental da África.

Maputo não é só a capital política de Moçambique, mas ocupa também uma posição central em termos de infraestrutura, atividade económica, educação e saúde. A cidade concentra a maior parte dos serviços e sedes dos grandes grupos económicos e empresas, públicas e privadas.

Apesar de concentrar apenas 5,4% da população do país, Maputo é responsável por 20,2% do PIB de Moçambique. Os setores de comércio, transporte e comunicações e indústria manufatureira são os mais significativos, contribuindo, respectivamente, com 29,6%, 29,5% e 12,4% da produção nacional, de acordo com o Relatório Nacional de Desenvolvimento Humano (PNUD, 2006).[1]

Agricultura[editar | editar código-fonte]

Os principais produtos agrícolas do município de Maputo são: alface, couve, abóbora, alho, cebola, batata-doce, mandioca, repolho, tomate, cenoura, feijão, milho, amendoin, beterraba e pimento.[2]

Indústria[editar | editar código-fonte]

As principais indústrias do município são a indústria química e a de alimentos. Outras indústrias incluem a indústria discográfica, metalúrgica e de móveis.[2]

Cultura e sociedade[editar | editar código-fonte]

A base cultural de Maputo é banto, mas outros elementos contribuíram para a formação cultural da cidade. A cultura portuguesa foi relevante nesta formação, tendo em vista que Portugal foi o país colonizador de Moçambique. Outras culturas, como a árabe, chinesa e indiana também tiveram uma contribuição significativa. Maputo possui uma cultura também muito influenciada pela África do Sul, país vizinho de Moçambique.

Desporto[editar | editar código-fonte]

Maria de Lurdes Mutola

Tanto a Federação Moçambicana de Futebol,[30] entidade máxima responsável pelo futebol de Moçambique em todas as suas categorias, bem como a Liga Moçambicana de Futebol,[31] organizadora das competições nacionais de futebol profissional, estão sediadas em Maputo. Os principais representantes da cidade no campeonato nacional de futebol da primeira divisão (Moçambola) são o Ferroviário de Maputo, o Desportivo de Maputo, o Costa do Sol e o Maxaquene, 1º, 2º, 3º e 5º colocados, respectivamente, do campeonato de 2009.[32] [33]

O principal estádio do país é o Estádio Nacional do Zimpeto[34] , um novo estádio multiuso construído no bairro de Zimpeto, subúrbio de Maputo, entregue ao governo em 18 de Fevereiro de 2011[35] e inaugurado em 23 de Abril de 2011[36] . O estádio tem uma capacidade para 42 000 espectadores e será o principal palco dos Jogos Pan-Africanos de 2011, que serão sediados na cidade.[37]

Antes da construção do estádio no Zimpeto, o principal estádio de Maputo era o Estádio da Machava, com capacidade para 60 000 pessoas;[38] , do Ferroviário de Maputo, mas que não está localizado no município de Maputo, mas sim na vizinha cidade da Matola. Outros importantes estádios da cidade são o Estádio do Maxaquene, do Maxaquene, com capacidade para 15 000 pessoas; e o Estádio do Costa do Sol, do Costa do Sol, com capacidade para 10 000 pessoas..[33]

Educação[editar | editar código-fonte]

Tal como no resto do país, o governo central, através da Direcção Provincial de Educação de Maputo-Cidade, era responsável pela gestão do sector da educação. No contexto do aprofundamento das competências das autarquias locais, o governo municipal assumiu a responsabilidade da gestão do nível básico da educação em Junho de 2010, o que implicou assumir a gestão de 150 escolas primárias.[39]

A cidade é sede da Universidade Eduardo Mondlane, fundada em 1962, sendo a primeira universidade de Moçambique. A universidade também possui campi em outras cidades do país.

Universidades e instituições de ensino superior - públicas[40]
Universidade Eduardo Mondlane.
  • Universidade Eduardo Mondlane: Com a sigla de UEM, é a maior universidade de Moçambique, contando com cerca de 27000 alunos. Fundada em 1962 com a designação de Estudos Gerais Universitários de Moçambique. Em 1968 adquiriu o estatuto de universidade, passando a denominar-se Universidade de Lourenço Marques.
  • Universidade Pedagógica: Com a sigla UP, é uma universidade estatal, vocacionada para a formação de professores. A UP tem a sua sede e campus principal em Maputo e delegações em seis províncias.
  • Academia de Ciências Policiais (ACIPOL)
  • Instituto Superior de Ciências da Saúde (ISCISA)
  • Instituto Superior de Relações Internacionais (ISRI)
Universidades e instituições de ensino superior - privadas[40]
  • Universidade Politécnica: Designada abreviadamente por A Politécnica, possui sua sede em Maputo, é propriedade do IPS – Instituto Politécnico Superior Limitada, constituído em 1994.[41]
  • Universidade Técnica de Moçambique (UDM)
  • Universidade de São Tomás de Moçambique (USTM)
  • Instituto Superior Monitor (ISM)
  • Instituto Superior de Ciências e Tecnologias de Moçambique (ISCTEM)
  • Instituto Superior de Transportes e Comunicações (ISUTC)
  • Instituto Superior de Tecnologias e Gestão (ISTEG)

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Transporte[editar | editar código-fonte]

A cidade alberga o segundo porto da costa oriental da África, ao qual confluem três linhas ferroviárias (CFM-Sul)[42] ligando aos vizinhos Suazilândia, África do Sul e Zimbabwé. Este sistema ferro-portuário é gerido pela empresa pública Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique (CFM), com sede em Maputo.[43]

A rede rodoviária permite a ligação de Maputo com a Suazilândia, África do Sul e o resto de Moçambique.

Em termos de ligações aéreas, Maputo é servida pelo Aeroporto Internacional de Maputo, o maior do país.[44]

Transporte urbano[editar | editar código-fonte]

O sistema de transporte público em Maputo é bastante deficiente. A empresa pública TPM – Transportes Públicos de Maputo é a empresa que explora o transporte urbano na região metropolitana de Maputo, porém, devido a frota limitada de veículos e as condições precárias das vias de acesso, muitos bairros deixam de ser atendidos. Para atender a demanda por transporte existem semi-coletivos particulares (vans, conhecidas como chapa 100), estes veículos, muitos dos quais em más condições de conservação, não suprem o déficit no transporte público, circulam sobrelotados, principalmente na hora de ponta, não têm horários e muitas vezes não cumprem o itinerário previsto.[45] [46]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Maputo possui a seguinte infraestrutura na área de saúde pública (dados de 2005):[47]

  • Hospitais Centrais e Provinciais: 1
  • Hospitais Rurais e Gerais: 4
  • Centros de Saúde : 16
  • Postos de Saúde: 20
  • Total: 41 unidades

Os leitos disponibilizados no sistema de saúde de Maputo equivalem a 19,9 para cada 10 000 habitantes, mais do que o dobro da média nacional de 9,7 leitos (dados de 2005).[48] . Em Julho de 2012 o governo anunciou a intenção de transferir, até ao final do ano, a rede básica de saúde (centros e postos de saúde) para a gestão municipal.[49]

Saneamento básico[editar | editar código-fonte]

De acordo com o censo de 2007, 55,1% das residências possuíam água canalizada, sendo 16% dentro de casa e 39,1% fora de casa. 15% das residências não possuíam nenhum saneamento básico.[24] [26]

SIDA[editar | editar código-fonte]

Apesar dos esforços do Ministério da Saúde de Moçambique, a situação da SIDA no país é extremamente séria, principalmente no sul do país onde se localiza a cidade de Maputo. As avaliações (Rondas de Vigilância Epidemiológica) tem sido feitas periodicamente com o objetivo de avaliar a prevalência do HIV na população adulta. O quadro abaixo mostra a evolução da prevalência do HIV em mulheres grávidas de 15 a 49 anos:[50]

Comparação das taxas Estimadas de Prevalência do HIV em mulheres grávidas (15-49 anos) - Ronda 2007
(Limites de plausibilidade)[51]
Local 2001 2002 2004 2007
Maputo 17% (12%-20%) 18% (13%-23%) 21% (16%-26%) 23% (18%-29%)
Moçambique 14% (12%-14%) 15% (13%-15%) 16% (14%-16%) 16% (14%-17%)

Pessoas notáveis[editar | editar código-fonte]

Mariza no Pavilhão Atlântico.

Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]

República Popular da China Xangai, China[52]
Portugal Lisboa, Portugal[53]
Brasil Rio de Janeiro, Brasil
Angola Luanda, Angola
África do Sul Joanesburgo, África do Sul
Brasil Brasília, Brasil
Nigéria Lagos, Nigéria
França Bordeaux, França
Estados Unidos Tampa, Estados Unidos
Espanha Málaga, Espanha
Portugal Coimbra, Portugal
Índia Chennai, Índia
Zimbabwe Harare, Zimbaué
Suazilândia Mbabane, Suazilândia
Japão Chiba, Japão
Macau Macau, Macau
México Monterrey, México
Brasil Ubatuba, Brasil

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Apresentação da Cidade De Maputo (PDF). Conselho Municipal de Maputo. Página visitada em 22 de janeiro de 2010.
  2. a b c d e f g Perfil Estatístico do Município 2004-2007 Maputo (PDF). Conselho Municipal de Maputo. Página visitada em 17 de janeiro de 2010.
  3. Latitude, Longitude, and Elevation (em inglês). mongabay.com. Página visitada em 19 de janeiro de 2010.
  4. a b c População Total por Sexo, Segundo Idade. Maputo Cidade, Censo 2007. Instituto Nacional de Estatística de Moçambique. Página visitada em 17 de janeiro de 2010.
  5. Resolução da Comissão Permanente da Assembleia Popular (CP AP) n° 5/80, de 26/06/1980, publicada no BR nº 025, I Série, 2º Supl. de 26 de Junho de 1980, pág. 82-(1) a 82-(2).
  6. Mozambique (em inglês). City Population. Página visitada em 23 de janeiro de 2010.
  7. Corvaja, Luigi (2003), Maputo: Desenho e Arquitectura. Edições FAPF, Maputo, p. 58.
  8. Decreto-Lei nº 10/76 de 13 de Março de 1976.
  9. Sopa, António e Bartolomeu Rungo (2006), Maputo — Roteiro Histórico Iconográfico da Cidade. Centro de Estudos Brasileiros da Embaixada do Brasil, Maputo.
  10. Vasco André Ferreira Dinis Seco Coelho (2004). Cooperação Descentralizada e Participativa entre Portugal e Moçambique: o Exemplo do Município da Matola (em português) p. 93. Página visitada em 12 de Julho de 2010.
  11. Resolução nº 5/80 de 26 de Junho de 1980.
  12. CHAÚQUE, Alexandre. Maputo: quem te abraça não te larga mais (PDF). a Verdade. Página visitada em 20 de janeiro de 2010.
  13. CUNNINGHAM,Jaime (10 de janeiro de 2009). Stations: A Destination That Matches the Journey (em inglês). Newsweek. Página visitada em 20 de janeiro de 2010.
  14. Conselho Municipal de Maputo. Página visitada em 22 de janeiro de 2010.
  15. Resolução nº 5/80 de 26 de Junho de 1980
  16. Despacho Presidencial nº 98/2005 de 11 de Fevereiro de 2005
  17. Despacho Presidencial nº 137/2010 de 15 de Janeiro de 2010
  18. Distritos municipais: Novas designações vigoram na cidade. Sociedade do Notícias S/A. Página visitada em 1 de abril de 2010.
  19. Araújo, Manuel G. Mendes de.Espaço Urbano Demograficamente Multifacetado: As cidades de Maputo e da Matola, 2006
  20. População total por sexo, segundo idade. Distrito Urbano 1 a 7. Instituto Nacional de Estatística de Moçambique. Página visitada em 19 de janeiro de 2010.
  21. Maputo Cidade. Ministério do Turismo de Moçambique. Página visitada em 21 de janeiro de 2010.
  22. World Meteorological Organization. World Weather Information Service - Maputo. Página visitada em 11 de janeiro de 2014.
  23. a b BBC Weather. Average Conditions Maputo, Mozambique. Página visitada em 11 de janeiro de 2014.
  24. a b c d e f g h i Cidade de Maputo conta com 1.094 habitantes. O País online. Página visitada em 21 de janeiro de 2010.
  25. Paineis, Key Indicators, População projectada. Página visitada em 29 de Maio de 2013.
  26. a b c Indicadores Básicos, Maputo Cidade, Censo, 2007. Instituto Nacional de Estatística de Moçambique. Página visitada em 17 de janeiro de 2010.
  27. População por Religião. Instituto Naciona de Estatística de Moçambique. Página visitada em 18 de janeiro de 2010.
  28. População de 5 anos e mais por idade, segundo sexo e língua materna. Maputo cidade, 2007. Instituto Naciona de Estatística de Moçambique. Página visitada em 20 de janeiro de 2010.
  29. População por tipo somático/origem. Instituto Naciona de Estatística de Moçambique. Página visitada em 20 de janeiro de 2010.
  30. Estatuto. Liga Moçambicana de Futebol. Página visitada em 21 de janeiro de 2010.
  31. Regulamentos. Liga Moçambicana de Futebol. Página visitada em 21 de janeiro de 2010.
  32. Moçambola Tabela 2009. Ole Ole. Página visitada em 21 de janeiro de 2010.
  33. a b Pesquisa Estádios - Moçambique. ogol.com.br. Página visitada em 21 de janeiro de 2010.
  34. O nome "Estádio Nacional do Zimpeto" foi atribuído pelo Despacho de 18 de Agosto de 2010, publicado no Boletim da República nº 041, I Série, 3º Supl. de 19 de Outubro de 2010, pág. 236-(7)
  35. China entrega Estádio Nacional a Moçambique. Página visitada em 8 de Julho de 2011.
  36. Estádio Nacional do Zimpeto inaugurado com pompa e muita festa. Página visitada em 8 de Julho de 2011.
  37. Presidente Guebuza lança 10ª edição dos jogos Africanos – Maputo 2011. Portal do Governo de Moçambique. Página visitada em 21 de janeiro de 2010.
  38. Stadiums in Mozambique (em inglês). World Stadiums. Página visitada em 27 de junho de 2010.
  39. Transferência de competências arranca em Maputo. Página visitada em 27 de Fevereiro de 2014.
  40. a b Instituicões de Ensino Superior em Moçambique. Portal do Governo de Moçambique. Página visitada em 19 de janeiro de 2010.
  41. Quem somos. Universidade Politécnica. Página visitada em 19 de janeiro de 2010.
  42. CFM Sul. Página visitada em CFM Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique.
  43. Apresentação da Empresa. CFM Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique. Página visitada em 20 de janeiro de 2010.
  44. Ministério da Administração Estatal. 2002. Folha Informativa dos Municípios II. Maputo.
  45. Linhas. TPM – Transportes Públicos de Maputo. Página visitada em 22 de janeiro de 2010.
  46. Transporte semi-colectivo de passageiros tende a desaparecer. maputo.com.mz. Página visitada em 22 de janeiro de 2010.
  47. Infraestrutura das Unidades Sanitárias Do Serviço Nacional De Saúde, 2001 – 2005. Instituto Nacional de Estatística. Página visitada em 23 de janeiro de 2010.
  48. Disponibilidade e Utilização De Recursos Segundo Províncias, 2003 - 2005. Instituto Nacional de Estatística. Página visitada em 23 de janeiro de 2010.
  49. Até ao fim do ano: Centros de Saúde passam para a gestão municipal. Sociedade do Notícias S/A. Página visitada em 16 de Julho de 2012.
  50. Programa HIV-SIDA. Ministério da Saúde. Página visitada em 23 de janeiro de 2010.
  51. Relatório sobre a revisão dos dados de viglância epidemiológica do HIV - Ronda 2007. Ministério da Saúde de Moçambique. Página visitada em 23 de janeiro de 2010.
  52. Sister Cities Maputo. Foreign Affairs Office of Shanghai Municipality. Página visitada em 22 de janeiro de 2010.
  53. Acordos de geminação. Município de Lisboa. Página visitada em 22 de janeiro de 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal de Moçambique
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Maputo