Niassa (província)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Niassa
Província de Moçambique Moçambique
Flag of Mozambique.svg
Dados gerais
Capital Lichinga
Município(s) Cuamba, Lichinga, Mandimba, Marrupa e Metangula.
Características geográficas
Área 122 827 km²
População 1 170 783 hab. (2007)
Densidade 9,53 hab./km²
Moçambique Niassa prov.png
Província de Niassa
Dados adicionais
Código postal 33xx
Prefixo telefónico +258 271
Sítio Portal do Governo da Província do Niassa
Projecto África  • Portal de Moçambique

A província do Niassa é uma subdivisão de Moçambique situada no extremo noroeste do país. A sua capital é a cidade de Lichinga. Niassa é a maior província do país em termos de área, 122 827  km² e, em 2007, a que tem menos população, 1 170 783 habitantes, o que naturalmente implica a menor densidade populacional entre as províncias moçambicanas, com apenas 9,5 habitantes por km².

A província está dividida em 16 distritos e possui, desde 2013, 5 municípios: Cuamba, Lichinga, Mandimba, Marrupa e Metangula.

Em língua cinianja, "niassa" significa "lago".[1]

Localização[editar | editar código-fonte]

A província do Niassa está localizada na região norte de Moçambique, e tem fronteira, a norte com a Tanzânia, a sul com as províncias de Nampula e Zambézia, com a província de Cabo Delgado a este e a oeste com o Malawi, com o qual também divide o Lago Niassa, um dos Grandes Lagos Africanos.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Etnias mais representadas nesta província são macua, ajaua e nianja.[carece de fontes?]

População[editar | editar código-fonte]

Em 2007, o Censo indicou uma população de 1 170 783 residentes. Com uma área de 122 827  km², a densidade populacional rondava os 9,53 habitantes por km², a menor entre as províncias do país.[2] [3]

No Censo de 1997 a província tinha 756 287 habitantes e uma densidade populacional de 6,19 habitantes por km².[4]

Entre 1997 e 2007 foram contabilizados mais 414 496 habitantes, o que indica que a população cresceu 35,4%, uma percentagem só ultrapassada pela província de Tete

População da província do Niassa[2] [4]
1980 1997 2007
507 816 756 287 1 170 783

Lichinga, a capital da província, possuía uma população de 142 253, segundo o Censo de 2007.

História[editar | editar código-fonte]

O território da actual província foi administrado entre 1890 e 1929 (e juntamente com o território da actual província de Cabo Delgado) pela Companhia do Niassa[5] . A província foi formada a partir do distrito do Niassa[6] do período colonial

Neste período, foi construído um ramal de caminhos de ferro até Vila Cabral, como se chamava nessa altura a capital do então distrito do Niassa e, já nos últimos anos, como forma de apoio à guerra colonial, uma estrada alcatroada com cerca de 40 km. O colonato que se tinha instalado na então Nova Madeira era formado por agricultores pobres, que pouco contribuíram para o desenvolvimento da região.[carece de fontes?]

Depois da Independência Nacional, em 1975, foi feito algum esforço para "recolonizar" a província e, na década de 1990, foi inclusivamente firmado um acordo entre os governos de Moçambique e da África do Sul que previa o financiamento para a instalação de farmeiros boers no Niassa, permitindo assim a reforma agrária naquele país. No entanto, a guerra dos 16 anos que muito afectou a província, impediu um real desenvolvimento.[carece de fontes?]

A seguir ao Acordo Geral de Paz, em 1992, houve algumas iniciativas importantes, nomeadamente a concessão do Parque Nacional do Niassa a uma empresa privada, a instalação duma Faculdade de Agronomia da Universidade Católica de Moçambique em Cuamba, a maior cidade da província e, neste momento, a rede viária, apesar de rudimentar, já permite a ligação efectiva entre os vários distritos.

Governadores[editar | editar código-fonte]

A província é dirigida por um governador provincial nomeado pelo Presidente da República.

  • (1976-1983) Aurélio Benete Manave
  • (1983-1984) Sérgio Vieira
  • (1984-1987) Mariano Matsinha
  • (1987-1995) Júlio Almoço Nchola[7]
  • (1995-2000) Aires Ali[8]
  • (2000-2005) David Simango[9]
  • (2005-2010) Arnaldo Bimbe[10]
  • (2010-) David Ngoane Malizane[11]

Características[editar | editar código-fonte]

Apesar de ter muitas riquezas naturais e excelentes solo e clima, esta região nunca se desenvolveu como as regiões costeiras. No período pré-colonial, o Niassa era uma importante fonte de marfim no comércio regional e mesmo internacional, através do Oceano Índico.[carece de fontes?]

Na vertente da natureza, destaca-se a costa mais alcantilada do Lago Niassa onde, neste momento, se está a desenvolver o turismo.[carece de fontes?]

Principais produtos[editar | editar código-fonte]

Subdivisões da província[editar | editar código-fonte]

Distritos[editar | editar código-fonte]

A província do Niassa está dividida em 16, os 15 distritos já existentes quando foi realizado o censo de 2007,[12] mais o distrito de Lichinga, estabelecido em 2013 para administrar as competências do governo central, e que coincide territorialmente com o município do mesmo nome, e o distrito de Chimbonila, que é o novo nome do antigo distrito de Lichinga:[13]

Municípios[editar | editar código-fonte]

Esta província possui, desde 2013, 5 municípios:[14] [15]

De notar que a vila de Marrupa se tornou município em 2008, e a de Mandimba em 2013.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Lago Niassa. Visitado em 19 de Setembro de 2014.
  2. a b Quadro da provincia. Instituto Nacional de Estatística. Ano 2007. Acesso 2011 setembro 29
  3. Estatísticas do Distrito de Lago. Instituto Nacional de Estatística. Ano 2008. Acesso 2011 outubro 11
  4. a b Instituto Nacional de Estatística (Niassa até 1997) Acesso 2011 setembro 27
  5. Medeiros, Eduardo da Conceição (1997), Maputo — História de Cabo Delgado e do Niassa C. 1836-1929). Central Impressora, Maputo, p. 139
  6. Decreto-lei nº 6/75 de 18 de Janeiro.
  7. [1] Acesso 2012 novembro 28
  8. "Guebuza aposta em Aires Ali para primeiro-ministro " in O País online. 18 de Janeiro de 2010 Acesso Acesso 2012 novembro 28
  9. [2] Acesso 2012 novembro 28
  10. "Guebuza concluiu nomeação do seu governo" in Noticias Lusófonas. 11 de Fevereiro de 2005. Acesso 2011 outubro 16
  11. "Eis a composição ministerial do novo governo" in O País online. 18 de Janeiro de 2010 Acesso 2011 outubro 16
  12. Instituto Nacional de Estatística Acesso 2011 outubro 5
  13. Lei nº 26/2013, publicada no Boletim da República nº 101, I Série, de 18 de Dezembro de 2013, pág. 1059-1061 (3)
  14. "Resolução n.º 7/87, de 25 de Abril publicado no Boletim da República (BR), I Série, Nº 16 de 1987" in Estudo "Desenvolvimento Municipal em Moçambique: As Lições da Primeira Década". pp. 24 e 25. Banco Mundial. Maio 2009. Acesso 2011 outubro 5
  15. Parlamento Aprova Criação de 10 Novos Municípios SapoNotícias. Visitado em 1 de Janeiro de 2015.

Código Postal nos Correios de Moçambique Acesso 2011 outubro 4

Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia de Moçambique, integrado ao Projeto África é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.