Embraer 190

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Embraer 190
New Zealand PW-51.svg
Embraer 190 da República Federativa do Brasil
Descrição
Tipo Avião comercial
Fabricante Brasil Embraer
Primeiro voo 16 de junho de 2002 (12 anos)
Capacidade de
passageiros
98/114 passageiros
Dimensões
Comprimento 36,24 metros
Envergadura 28,72 metros
Altura 10,55 metros
Propulsão
Motorização 2x GE CF34-8E (7.200 kg)
Performance
Velocidade máxima 900 km/h
Velocidade de
cruzeiro
Mach 0,80
Alcance (MTOW) 4.074 km

O Embraer 190 é um avião a jato com capacidade para até 114 passageiros, fabricado no Brasil pela Embraer.

Embraer 190-100 no seu roll-out
Embraer 190 operado pela Air France.
Lufthansa Regional E195LR.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Após o sucesso alcançado pelos jatos regionais ERJ-145, a então EMBRAER apostou no desenvolvimento de uma nova família de aeronaves, com capacidade entre 70 e 90 passageiros, ampliado depois para 118 passageiros, com o Embraer 195.

A empresa optou por começar o desenvolvimento do zero, o que transformou os E-Jets, como são conhecidos, na primeira família desenvolvida após os Brasília, já que os ERJ são baseados na fuselagem deles.

Cabine de comando do Embraer 190

Após o lançamento do Embraer 170 e do Embraer 175, chegou a vez do Embraer 190. Maior, mais longo e pesado que os irmãos mais velhos, a aeronave voou pela primeira vez em 2004 e foi homologada em agosto de 2005. No mês seguinte, as primeiras entregas começaram, para a JetBlue, lançadora do tipo, e Air Canada.

Embora seja fabricado no Brasil, somente em 2008 a Azul Linhas Aéreas Brasileiras se tornou a primeira companhia aérea nacional a utilizar os e-jets.

Em dezembro de 2009, a então EMBRAER entregou ao Governo Brasileiro o segundo Embraer 190, cumprindo um contrato assinado em junho de 2008 entre a EMBRAER e o Comando da Aeronáutica, de compra de duas aeronaves para o serviço de transporte de autoridades da Presidência da República.[1] O primeiro havia sido entregue dois meses antes. As aeronaves foram adquiridas para substituir os dois Boeing 737-200 FAB VC 96, em serviço desde 1976 e receberam a identificação FAB VC-2.

Em abril de 2011 a holandesa KLM encomendou 5 aeronaves desse modelo, para entrega a partir de 2012.[2]

Os modelos Embraer 170, Embraer 175 e Embraer 195 são seus "irmãos" menores e maiores.

Variantes[editar | editar código-fonte]

E190-100[editar | editar código-fonte]

Foi o primeiro modelo lançado. Voou pela primeira vez em 2004, e foi homologada em 2005. Sua capacidade máxima é de 114 assentos dispostos em fileiras de 4 assentos 2X2, em classe única, podendo também ter a disposição de assentos em 2 classes, geralmente com 98 assentos. É impulsionado por 2 motores turboran GE CF34-8E e é equipado com winglets. É uma aeronave moderna, geralmente utilizada na aviação regional, sendo também utilizado em rotas domésticas de grande escala.

Aeronaves concorrentes e comparáveis[editar | editar código-fonte]

é concorrente direto das aeronaves Sukhoi Superjet 100, Airbus A318, Boeing 737-600 e Bombardier CRJ-900, podendo ser comparado ao Fokker 100 e Boeing 717/McDonnell Douglas MD-95-30. Novos concorrentes planejam entrar no mercado, como o Mitsubishi Regional Jet MRJ 90.

Operador Brasileiro[editar | editar código-fonte]

O Embraer 190 no Brasil é utilizado pela Azul.[3]

Companhia Quantidade
Azul/TRIP 22
TOTAL 22

E190-100LR[editar | editar código-fonte]

Idêntica a versão E190-100, porém com maior alcance.

E190-E2[editar | editar código-fonte]

Nova versão lançada pela Embraer em 2013 durante o Paris air show. A aeronave incorpora novas asas, novos motores, maior capacidade e maior alcance. Está previsto para entrar em operação em 2018.

Aeronaves concorrentes e comparáveis[editar | editar código-fonte]

O concorrente é o Bombardier CRJ1000.

Operador brasileiro[editar | editar código-fonte]

Companhia Quantidade
TAM Pantanal 10 pedidos
TOTAL 10 pedidos

Características[editar | editar código-fonte]

É um birreator com fuselagem "double-bouble", quatro assentos por fileira, de dois a dois, concebido para maximizar o conforto dos passageiros.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • Sua designação original era ERJ-190 (Embraer Regional Jetliner), mas o fabricante optou pelo nome atual para desvincular a aeronave da aviação regional.
  • As aeronaves desta família são conhecidas como E-Jets.
  • Os jatos da Embraer são chamados no exterior de Jungle-Jets.
  • O formato da turbina desses E-Jets tem o mesmo formato da turbina do Boeing 737 (série 737-300, 737-400, 500 até a série 900).

Acidentes Fatais[editar | editar código-fonte]

O primeiro acidente com perda de vidas ocorreu com um modelo da companhia chinesa Henan Airlines, no dia 24 de agosto de 2010, quando a tripulação tentava um pouso sem visibilidade no aeroporto de Yichun.

Com 91 passageiros e 5 tripulantes a bordo, a aeronave se chocou contra o solo a cerca de mil metros da pista de pouso, 44 pessoas morreram no acidente.

O segundo acidente com perda de vidas aconteceu em 29 de novembro de 2013. Com 28 passageiros e 6 tripulantes a bordo, uma aeronave das Linhas Aéreas de Moçambique caiu entre Maputo e Luanda na Namíbia.

Referências

  1. EMBRAER entrega segundo jato EMBRAER 190 ao Governo Brasileiro Embraer Notícias (18/12/2009). Página visitada em 11/10/2013.
  2. Embraer vende 5 aviões à KLM por US$ 214 milhões Uol Notícias_Economia (4/4/2011).
  3. Terra. Aeronaves - Embraer 190 (HTML) (em português). Página visitada em 7 de maio de 2010.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Embraer 190
Ícone de esboço Este artigo sobre aviação, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.