Luís II de Guise

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Luís II de Guise
Cardeal da Santa Igreja Romana
Luís II

Título

Cardeal Arcebispo de Reims
Ordenação e nomeação
Cardinalato
Criação 1574
Título Arcebispo de Reims
Dados pessoais
Nascimento Dampierre-en-Yvelines, Ilha de França
06 de julho de 1555 (459 anos)
Morte Castelo de Blois, Centro
24 de agosto de 1588 (33 anos)
Nacionalidade França francês
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Luís II de Guise (Dampierre-en-Yvelines, 6 de julho de 1555 - Castelo de Blois, 24 de dezembro de 1588) um cardeal católico e foi o terceiro filho de Francisco, Duque de Guise e Ana d'Este. Seus avós maternos eram Hércules II d'Este, Duque de Ferrara e Renata de França.

Ele foi eleito arcebispo de Reims, em 1574, sucedendo seu tio, Carlos de Guise. Em 21 de fevereiro de 1578, foi elevado a cardeal, ele tomou o título de cardeal de Guise, sucedendo seu tio, Luís I, o cardeal de Guise. Mais tarde, ele foi nomeado legado papal para Avinhão, e feito por Henrique III de França um cavaleiro da Ordem do Espírito Santo.

Sua dedicação à causa do seu irmão Henrique I, duque de Guise, e intransigência ao poder real provocou a hostilidade de Henrique III. No comando real, o Cardeal foi assassinado no Castelo de Blois por guarda-costas do rei conhecidos como "Os quarenta e cinco",[1] um dia depois de seu irmão.

Um filho ilegítimo, Luís bâtard de Guise (1588-1631), nascido de sua ligação com Aimerie de Lescheraine, dame de Grimaucourt, foi legitimado em 1610, após a morte de seu pai.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Luís II de Guise

Referências

  1. Dumas, Alexandre. In: David Coward. The Vicomte de Bragelonne (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press, 1998. 738 pp. p. 676.
  2. In: Société de l'histoire de Belgique. Collection de mémoires relatifs a l'histoire de Belgique (em francês). Bruxelas: Sandoz & Fischbacher, 1868. Capítulo: Guerres de Bohême. , p. 123.