Renata de França

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Renata de Valois
Duquesa de Chartres, Montargis e Ferrara
Clouet Renee Duchess of Ferrara.jpg
Desenho de Renata, "Madame de Ferrara", por Jean Clouet
Governo
Consorte Hércules II de Ferrara
Casa Real Valois-Orleães
Vida
Nascimento 25 de outubro de 1510
Blois, França
Morte 12 de junho de 1575 (64 anos)
Montargis, França
Sepultamento Montargis, França
Filhos Ana
Afonso II
Lucrécia
Leonor
Luís
Pai Luís XII
Mãe Ana da Bretanha

Renata de França (25 de outubro de 151012 de junho de 1575), filha de Luís XII de França e Ana da Bretanha, foi uma filha da França por nascimento, e, posteriormente, condessa e depois duquesa de Chartres, e condessa e depois duquesa de Gisors e de Montargis.

Era irmã de Cláudia de França (1499-1524), esposa do rei Francisco I.

Nasceu em Blois e morreu no castelo de Montargis. Foi condessa e depois duquesa de Chartres, condessa depois duquesa de Gisors e de Montargis. Foi noiva em março de 1515 de Carlos de Áustria, o futuro imperador Carlos V, e de Henrique VIII da Inglaterra.

Em 28 de junho de 1528, foi casada com Hércules II (em italiano Ercole II) de Este (nascido em 4 de abril de 1508 e morto em 3 de outubro de 1558), duque de Ferrara e de Módena em 1534.

Ao lado do marido, tinha das cortes mais brilhantes da Renascença. Foi discípula de Lefèvre d’Etaples, e graças a sua tia Margarida de Angoulême, rainha da Navarra, que havia frequentado em França, recebia em Ferrara nobres e escritores, que a inclinaram para a Reforma protestante: sua governante, Michèle de Soubise, tentou traduzir os salmos em francês; Clément Marot, que celebrou seu casamento e se torna seu secretário, depois do assunto conhecido como affaire des Placards (no verão de 1535) e até mesmo Calvino, que em março de 1536 visitou sua corte e pregou diante dela.

Temendo a intervenção do papa, o marido expulsou de Ferrara Michèle e Valcino, e em 1550 os demais protestantes. Além disso, apelou a seu sobrinho, Henrique II, que lhe enviou o chefe da Inquisição na França, Ory. O qual, em 1554 obteve a condenação e a detenção da duquesam, que renunciou a receber os sacramentos da Igreja. Seus amigos foram expulsos em 1554. Liberada pouco depois, Renata reatou com os heréticos e se correspondia com Calvino. Morto o Duque de Ferrara em 1559, ao qual tinha jurado renunciar à heresia, voltou para a França, para escapar da hostilidade do filho, Afonso II d'Este, em 1560. Retirada em Montargis, liberada por Calvino do juramento, apoiou o partido protestante nas guerras de Religião.