Lupercália

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Lupercalia)
Ir para: navegação, pesquisa

A Lupercalia, Lupercália, Lupercais ou Festas Lupercais era um festival pastoril romano, celebrado a XV Kalendas Martias, que corresponde hoje ao dia 15 de fevereiro.

Etimologia e origem[editar | editar código-fonte]

O nome da festa supõe-se derivar de lupus (lobo). Dizia-se ter sido instituída por Evandro o árcade, mas é possível que existisse desde o período pré-romano. Realizavam-na na na gruta de Lupercal, no monte Palatino (uma das sete colinas de Roma). Teria sido onde, segundo a tradição, - também chamado Fauno Luperco (o que protege do lobo), em cuja honra se fazia a festa -- tomou a forma duma loba e amamentou os gémeos Rómulo e Remo.

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

A festa da Lupercália simbolizava a purificação que devia acontecer em Roma ao fim do ano (que começava em Março). Anualmente, um corpo especial de sacerdotes, os luperci sodales (amigos do lobo) eram eleitos entre os patrícios mais ilustres da cidade.

Na data prevista, então, os lupercos daquele ano encontravam-se na gruta Lupercal para sacrificarem dois bodes e um cão e serem ungidos na testa com o sangue, limpado da lâmina do sacrifício com um lã embebida em leite. Vestiam-se então do couro dos animais, simbolizando Fauno Luperco, do qual arrancavam tiras, chamadas februa, com as quais saíam ao redor da colina a chicotear o povo, em especial as mulheres inférteis, que se reuniam para assistir o festival.

Significados[editar | editar código-fonte]

A Lupercália era uma festa de fim de ano. Acreditava-se que essa cerimónia servia para espantar os maus espíritos e para purificar a cidade, assim como para liberar a saúde e a fertilidade às pessoas açoitadas pelos lupercos.

A associação com a fertilidade viria de as chicotadas deixarem a carne em cor púrpura. Essa cor representava as prostitutas sacerdotais da Ara Máxima, também chamadas lobas.

Tratava-se também dum rito de passagem, simbolizando a morte e a ressurreição, celebrando assim a vida.

Caracterizadas pela licenciosidade, tinham características adotadas mais tarde nas festas de Carnaval.

História e fim[editar | editar código-fonte]

A festa era tão antiga como a própria história de Roma (sabe-se que era uma tradição forte já no tempo de Júlio César), e tornou-se mais popular nos tempos da República romana, quando a gruta Lupercal foi reformada por Augusto, e perdurou até aos tempos do império e da sua queda. Esta mesma celebração foi adotada por Justiniano I no Império do Oriente em 542, como remédio para uma peste que já havia assolado o Egito e Constantinopla e ameaçava o resto do império.

Em 494 d.C., o Papa Gelásio I proibiu e condenou oficialmente essa festa pagã. Numa tentativa de cristianizá-la, substituiu-a pelo 14 de fevereiro, dia dedicado a São Valentim (hoje, conhecido como o dia dos namorados).

Religião na Roma Antiga
Festivais
Festas agrárias/rurais: Cereália | Consuália | Férias latinas | Florália | Fontinália | Fordicídia | Furrinália | Lucária | Meditrinália | Neptunália | Opália | Opiconsiua | Parília | Portunália | Robigália | Sementivae | Vinália | Volcanália | Volturnália

Festas cívicas: Armilústria | Carmentália | Ferália | Larentália | Lemúria | Liberália | Lupercália | Matronália | Poplifúgia | Quirinália | Regifúgio | Saturnália | Terminália | Vestália
Festas militares: Equírria | Quinquátria
Festas do calendário: Agonália | Brumália | Diuália | Matrália
Outras festas: Augustália | Bacanália | Juvenália | Jogos Apolinários | Jogos Plebeus | Jogos Romanos | Jogos Seculares | Nerônia | Parentália