Maria Sibylla Merian

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Maria Sibylla Merian
Nascimento 2 de abril de 1647
Frankfurt am Main,  Alemanha
Morte 13 de janeiro de 1717 (69 anos)
Amsterdam,  Países Baixos
Ocupação naturalista

Maria Sibylla Merian (Frankfurt am Main, 2 de abril de 1647 - Amsterdam, 13 de janeiro de 1717) foi uma naturalista alemã e ilustradora científica que estudou plantas e insetos e fez pinturas detalhadas sobre eles. [1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Maria Sibylla Merian era filha do gravurista Matthäus Merian, o Velho, que morreu quando ela tinha três anos. Sua mãe, Johanna Sibila Heim, era a segunda esposa de Matthäus Merian. Mais tarde, o padrasto de Maria Sibylla, Jakob Marell, famoso por suas pinturas de flores, ensinou-lhe como desenhar e pintar. Aos treze anos, ela pintou seus primeiros quadros de insectos e plantas, baseando-se nos espécimes que recolhia.

Uma das ilustrações da obra Neue Blumenbuch.
Na minha juventude, passei meu tempo a investigar insectos. No início, comecei com bicho da seda na minha cidade natal, Frankfurt. Percebi que lagartas produziam lindas borboletas ou mariposas, os bichos da seda faziam a mesma coisa. Isso levou-me a recolher todas as lagartas que eu pudesse encontrar, para ver como elas mudavam.

Aos 18 anos, em 1665, Maria Sibylla casou-se com um pintor especializado em arquitectura, Johann Andreas Graff. Dois anos depois, nasceu sua primeira filha, Johanna Helena e a família mudou-se para Nuremberg. Acreditava-se na época que os insetos e as larvas eram resultado de geração espontânea na lama em putrefação, crença que remontava a Aristóteles. Mas Maria perguntava-se como poderiam surgir belas borboletas a partir daquelas lagartas. Estudou então a metamorfose, os detalhes das crisálidas e as plantas que alimentavam as lagartas, ilustrando todas as fases desse desenvolvimento em seu caderno de desenhos.

Esse caderno é o fio condutor de seu primeiro livro, publicado quando tinha 28 anos, em 1675, sob o nome de "Neue Blumenbuch" ("Novo livro de flores"). Nele, apenas flores são reproduzidas de forma detalhada. Os dois últimos volumes do livro foram publicados em 1677. Em 1678 nasceu Maria Dorotha, a segunda filha de Maria Sibyla. Um ano depois, ela publicou o livro "Der Raupen wunderbare Verwandlung und sonderbare Blumennahrung" ("A transformação milagrosa de lagartas que estranhamente comem flores"). Esta publicação apresenta os diferentes estágios do desenvolvimento das várias espécies de borboletas sobre as plantas de que se alimentam.

Referências

  1. Kristensen, Niels P.. In: Kristensen, Niels P.. Lepidoptera, moths and butterflies: Evolution, Systematics and Biogeography. [S.l.]: Walter de Gruyter, 1999. p. 1. ISBN 978-3-11-015704-8 Página visitada em 1 de abril de 2013.