Mistras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde fevereiro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Pix.gif Sìtio Arqueológico de Mistras *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Mystras.jpg
Mistras
País  Grécia
Tipo Cultural
Critérios ii, iii, iv
Referência 511
Região** Europa e América do Norte
Coordenadas 37° 04′ N 22° 22′ E
Histórico de inscrição
Inscrição 1989  (13ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
** Região, segundo a classificação pela UNESCO.

Mistras (também Mystras; em grego Μυστράς, Μυζηθράς) foi uma cidade fortificada em Morea (hoje Peloponeso) sobre o monte Taigeto, perto da antiga Esparta, na Grécia. Encontra-se a cerca de 8 km a oeste da atual cidade de Esparta.

Mistras foi a capital da região de Morea, um principado vassalo do Principado de Acaia, estabelecido em 1205 através da conquista de Constantinopla durante a Quarta Cruzada chamado de Despotado da Moreia. O Príncipe Guilherme II de Vilearduin, sobrinho do historiador da Quarta Cruzada Godofredo de Vilearduin, construiu um palácio em Mistras em 1249,

A região foi conquistada por Miguel VIII Paleólogo em 1262, após a tomada de Constantinopla em 1261, quando João Paleólogo, irmão de Miguel, pediu resgate por Guilherme aos demais príncipes latinos. Seguiu sendo a capital da região de Morea, governada por familiares dos Imperadores Bizantinos, mesmo com os venezianos mantendo o controle da costa e das ilhas adjacentes. Mistras e o resto de Morea chegaram a ser bastante ricas a partir de 1261, em comparação com o resto do império. Sob o governo do tirano Teodoro, converteu-se na segunda cidade mais importante do império, só atrás de Constantinopla, e o palácio de Guilherme II passou a ser a segunda residência imperial.

Mistras também foi o último centro da cultura bizantina: o filósofo neoplatônico Gemisto Pletão viveu na cidade até sua morte em 1452. Junto com outros acadêmicos de Mistras, tiveram grande influência sobre o Renascimento italiano, sobretudo depois de Gemisto acompanhou o imperador João VIII Paleólogo a Florença em 1439.

O último imperador bizantino, Constantino XI Paleólogo , foi tirano de Mistras antes de subir ao trono. Demétrio, o último déspota da Moreia, rendeu a cidade ao Império Otomano Maomé II em 1460. Os venezianos ocuparam a cidade entre 1687 e 1715, mas esta seguiu sendo turca até 1832, quando foi abandonada pelo rei Otão da Grécia a favor da nova Esparta.

Em 1989 as ruínas (da fortaleza, palácio, igrejas e monastérios) foram declaradas Patrimônio Mundial da UNESCO.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Mistras