Mogno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde fevereiro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Como ler uma caixa taxonómicaMogno
Mogno

Mogno
Estado de conservação
Status iucn3.1 VU pt.svg
Vulnerável
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Sapindales
Família: Meliaceae
Género: Swietenia
Espécie: S. macrophylla
Nome binomial
Swietenia macrophylla
R.A.King 1886
Sinónimos
Swietenia belizensis Lundell

Swietenia candollei Pittier
Swietenia krukovii Gleason
Swietenia macrophylla var. marabaensis Ledoux & Lobato
Swietenia tessmannii Harms

O mogno ou mogno-brasileiro (Swietenia macrophylla) é uma árvore nativa da Amazônia, mais comum no sul do Pará.

O termo mogno foi utilizado, primeiramente, para referir-se à madeira de Swietenia mahagoni e, mais tarde, para a madeira da espécie Swietenia macrophylla.

O termo é ainda muito usado para referir-se ao género africano Khaya (aparentado ao género Swietenia), sendo conhecido como mogno africano) e ao género Entandophragma. Todos estes géneros são nativos das florestas equatoriais.

Outros nomes populares: aguano, araputanga, cedro-i.

Em Portugal o termo «Mogno» tem sido utilizado de forma mais abrangente para designar diversos tipos de madeira exótica, especialmente a proveniente da zona equatorial e tropical.

Características[editar | editar código-fonte]

Altura de 25 a 30 m, com tronco de 50–80 cm de diâmetro.

As folhas compostas têm 8 a 10 folíolos, com 8 a 15 cm de comprimento.

Fruto de S. macrophylla.

O fruto é uma cápsula lenhosa deiscente, com sementes aladas.

Ecologia[editar | editar código-fonte]

Árvore decídua ou semidecídua, heliófita, habita a floresta clímax de terra firme, argilosa.

Produz grande número de sementes viáveis. Um kg de sementes contém cerca de 2300 unidades, de viabilidade curta.

O crescimento da planta é rápido, atinge a 4 m aos 2 anos de idade.

Ocorrência[editar | editar código-fonte]

O mogno é nativo de: Belize, Bolívia, Brasil (Acre, Amazonas, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Tocantins), Colômbia, Costa Rica, Dominica, Equador, El Salvador, Guiana Francesa, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Peru e Venezuela.

Cultivada com sucesso no centro-sul do Brasil e no Caribe.

Estado de conservação[editar | editar código-fonte]

Atualmente, todas as espécies do género Swietenia estão listadas pela CITES como espécies protegidas.

A espécie, assim como o cedro brasileiro (Cedrela fissilis) e a andiroba (Carapa guianensis), ainda não podem ser plantadas em larga escala em monocultura, por serem atacadas pela lagarta Hypsipyla grandella Zeller, 1848 (Lepidoptera: Pyralidae), também conhecida como "broca das meliáceas".

Lagarta da mariposa Hypsipyla grandela destruindo gema apical de mogno.

A Embrapa-Florestas, no entanto, em sua Circular Técnica 16, descreve o módulo agroflorestal instalado na vitrine de técnicas em Brasília, em pleno cerrado, onde uma das espécies plantadas é o mogno, junto com andiroba e outras espécies repelentes de insetos.

A centenária Fazenda Santo Antônio d´Água Limpa, em Mocóca, SP, produtora comercial de café, incluiu o mogno entre as muitas espécies de seu sistema agroflorestal multiestrato.

Também em Mocóca se planta o guanandi, madeira de lei da Mata Atlântica que se parece muito com o mogno, e o substitui com vantagens, por exemplo, é imune ao ataque de Hypsipyla.

A extração clandestina do mogno é um importante fator de devastação da floresta amazônica, dado o valor e a demanda pela sua madeira. Atualmente tem corte proibido no Brasil, e a tendência de longo prazo é que seja substituído o comércio por outras essências, notadamente as que podem ser plantadas, se considerarmos que o corte ilegal e predatório perderá atratividade junto aos consumidores de altíssima renda que consomem madeira de lei. Como o mogno ocorre isolado no interior da floresta, sua derrubada e arraste leva à destruição de até mais 30 árvores próximas.

Usos[editar | editar código-fonte]

Mogno (Swietenia macrophylla).

A madeira é muito usada e apreciada na produção de móveis pela facilidade com que é trabalhada, pela sua estabilidade e duração, além do seu aspecto, castanho-avermelhado brilhante, depois de polida; e também na produção de instrumentos musicais pelo seu timbre característico e ressonância sonora, que tendem ao médio-grave, notadamente guitarras e violões mas, ainda, em alguns tambores percussivos.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]