O Baile

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Baile
Le bal (fr)
O Baile (PT/BR)
 França /  Itália /  Argélia
1983 • cor • 112 min 
Direção Ettore Scola
Produção Cinéproduction, Films A2, Massfilm, O.N.C.I.C., Mohammed Lakhdar-Hamina
Roteiro Jean-Claude Penchenat / Ruggero Macccaro / Jean-Claude Penchenat / Furio Scarpelli / Ettore Scola
Elenco Étienne Guichard
Régis Bouquet
Francesco De Rosa
Arnault LeCarpentier
Género musical histórico
Idioma filme mudo
Música Vladimir Cosma
Cinematografia Ricardo Aranovich
Página no IMDb (em inglês)

Le bal (no Brasil e em Portugal, O Baile) é um filme de 1983 produzido pela França, Argélia e Itália, uma comédia musical dirigida por Ettore Scola. O filme é uma adaptação do espectáculo que o Théatre du Campagnol tinha montado em Paris, com encenação de Jean-Claude Penchenat.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Sem diálogos, o filme conta parte da história da França, da década de 1930 à década de 1980, a partir dos personagens reunidos em um salão de dança. Através das recordações das pessoas, da música e da dança, o filme traça um panorama da evolução do país, da ocupação nazista ao surgimento do rock'n'roll.

Elenco[editar | editar código-fonte]

(Actores do grupo de Théatre du Campagnol)

  • Étienne Guichard .... o jovem professor
  • Régis Bouquet .... o patrão do salão
  • Francesco De Rosa .... Toni, o jovem empregado
  • Arnault LeCarpentier .... o jovem tipógrafo
  • Liliane Delval .... o alcoólatra
  • Martine Chauvin....a jovem florista
  • Marc Berman .... o colaboracionista

Sobre o filme[editar | editar código-fonte]

Le bal é uma adaptação que o Théatre du Campagnol tinha montado em Paris, e que com cerca de vinte e cinco actores, conseguiu compor cento e quarenta personagens. À ideia do espectáculo original, Scola foi acrescentando referências cinéfilas, em quadros que passam pelo realismo poético francês, pelo filme musical estadunidense, pelo neorealismo italiano e até pela presença de um actor com extraordinária semelhança com Jean Gabin[1] .

A história é filmada em um único cenário - o salão de dança - o que poderia fazer com que se caísse na armadilha da teatralidade rebuscada. No entanto, a ausência de diálogos, os grandes planos das fisionomias e expressões dos actores, a ligação dos planos e o tratamento da banda sonora, conferem ao filme um carácter cinematográfico em que o teatro é unicamente o ponto de partida.

O filme permite ainda ao espectador identificar as sucessivas caricaturas que lhe vão sendo apresentadas: as personagens do tímido, do abusador, do auto-convencido, do intriguista, do bajulador, dos marginais, do símbolo de autoridade, do poder assumido e da repressão. O mesmo se dá com as diferentes personagens femininas.[2] . Todas elas se vão identificando com os factos e os contextos de cada uma das épocas retratadas.

Para além de toda a emoção que o filme transmite, realce-se o toque de humor através de uma sequência de gags inesperados. Contudo, são também marcantes as alusões políticas, como acontece com a ocupação nazista e com o Maio de 1968.

Começado a ser realizado em agosto de 1982, a rodagem teve de ser interrompida por Scola ter sofrido um ataque cardíaco e só foi retomada uns meses depois.

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Oscar 1984 (EUA)

  • Indicado na categoria de melhor filme estrangeiro (representando a Argélia).

Festival de Berlim 1984 (Alemanha)

  • Recebeu o prêmio dos leitores do jornal Berliner Morgenpost
  • Ettore Scola recebeu o Urso de Prata.
  • Indicado ao Urso de Ouro.

Prêmio César 1984 (França)

  • Venceu nas categorias de melhor diretor, de melhor filme francês (com À nos amours) e melhor música.
  • Indicado na categoria de melhor fotografia (Ricardo Aronovich).

David di Donatello 1984 (Itália)

  • Venceu nas categorias de melhor filme (com E la nave va), melhor diretor, melhor edição e melhor música.

Referências

  1. Borges, Pedro (23 de abril de 1985). A dança dos prodígios. Jornal das Letras, Artes e Ideias
  2. Perestrello, Francisco (25 de abril de 1985). Êxito

Ligações externas[editar | editar código-fonte]