Palmital (São Paulo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Palmital
"Noiva do Planalto"
Bandeira de Palmital
Brasão de Palmital
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 21 de abril (Emancipação Política).
Fundação 20 de janeiro de 1886 (128 anos)
Gentílico palmitalense
Prefeito(a) Ismênia Mendes Moraes (PSDB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Palmital
Localização de Palmital em São Paulo
Palmital está localizado em: Brasil
Palmital
Localização de Palmital no Brasil
22° 47' 20" S 50° 13' 04" O22° 47' 20" S 50° 13' 04" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Assis IBGE/2008[1]
Microrregião Assis IBGE/2008[1]
Distância até a capital 418 km
Características geográficas
Área 549,040 km² [2]
População 21 257 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 38,72 hab./km²
Altitude 508 m
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,783 alto PNUD/2000[4]
PIB R$ 360 274,039 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 16 235,87 IBGE/2008[5]
Página oficial

Palmital é um município brasileiro do estado de São Paulo.

História[editar | editar código-fonte]

O pioneiro João Batista de Oliveira Aranha e sua família imigrou do município de São Manuel em 1886 e instalou-se na região do antigo bairro Palmital, no município de Campos Novos Paulista. O povoado recebeu o nome de Palmital devido à grande quantidade de palmeiras existentes no local.

As terras ao redor pertenciam ao fazendeiro Francisco Severino da Costa, que decidiu dividi-las em lotes, com isso atraiu moradores de municípios vizinhos que procuravam uma vida melhor.

A estação da Estrada de Ferro Sorocabana foi inaugurada em 1914 e a construção do prédio atual é de 1926. Com a construção da estrada de ferro, logo o povoado tornou-se distrito em 27 de dezembro de 1916 e em 21 de abril de 1920 foi elevado a município.

Em 1942 com o desgaste do solo e as fortes geadas causaram grandes perdas aos agricultores de café e comerciantes do município. Com a perda dos cafezais, os agricultores os substituíram pelas lavouras de milho, mamona, arroz, cana-de, açúcar, feijão e outros cereais. Mas o café não deixou de ser cultivado. Até 1968,o café foi a base da economia, já que as outras culturas de lavouras não deram tão certo, seguido pelo desenvolvimento do plantio da soja, milho e trigo, favorecidos pela mecanização da agricultura. Por outro lado, o município é um dos principais fabricantes de aguardente de cana, e tem pequenas indústrias de móveis e de derivados de mandioca. Em 1995 começou a era da banana em Palmital e região, com a família Bernardes tomando iniciativa, começou o cultivo dessa fruta, que hoje se tornou um grande negocio na região do Vale do Paranapanema.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 22º47'20" sul e a uma longitude 50º13'03" oeste, estando a uma altitude de 508 metros. Sua população estimada em 2004 era de 21.736 habitantes.

Possui uma área de 550,04 km².

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2000

População total: 20.701

  • Urbana: 16.840
  • Rural: 3.910
  • Homens: 10.280
  • Mulheres: 10.479

Densidade demográfica (hab./km²): 37,71

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 22,18

Expectativa de vida (anos): 68,16

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,31

Taxa de alfabetização: 91,77%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,783

  • IDH-M Renda: 0,770
  • IDH-M Longevidade: 0,719
  • IDH-M Educação: 0,861

(Fonte: IPEADATA)

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Administração[editar | editar código-fonte]

Patrimônio Cultural[editar | editar código-fonte]

Estação da Estrada de Ferro Sorocabana

Centro Cultural de Palmital, Projeto do Renomado Arquiteto Paulistano Ruy Ohtake

Turismo[editar | editar código-fonte]

Festa de Santos Reis do Brasil[editar | editar código-fonte]

No início de janeiro é a realizada uma das maiores festas de Santos Reis do Brasil. A festa folclórica e religiosa, que homenageia os 3 reis magos, reúne devoção e confraternização e tem como ponto alto o encontro das tradicionais bandeiras, e a farta distribuição de alimentos.

A tradição de Santos Reis já tem 82 anos. As três bandeiras, Água da Anhumas, Faceiros e Palmital, nomes correspondentes à sua origem em bairros rurais do município, levam para a festa seus violeiros e cantoria acompanhados dos tradicionais e coloridos palhaços, que com suas espadas representam os guardiões do menino Jesus. Durante o encontro, que termina no presépio, postam seus estandartes e contam em poesia a história da anunciação até o nascimento do Salvador.

Em 2013, o festeiro Ângelo Zanetti organizou a festa na Chácara do Capixingui. Milhares de pessoas, de Palmital e região, compareceram para apreciar o encontro das bandeiras, a apresentação das Cias. de Reis e saborear a comida tradicional desta festa. Os novos festeiros foram coroados, José Carlos Zanetti e Gerson Zanetti, garantindo a continuação da Festa em 2014.

Carnaval de rua[editar | editar código-fonte]

Palmital também é conhecida por ter um dos melhores carnavais de rua da região, atraindo visitantes do país inteiro para os dias de festa. O evento denominado 'Estação Folia', organizado pela prefeitura municipal, reúne os blocos de carnaval na avenida Reginalda Leão, no pátio da antiga estação da Fepasa para 5 dias de festa. A municipalidade fornece tendas, banheiros químicos, som e equipe de seguranças. Os principais Blocos do Carnaval são Zé Gotinha (BZG),Skolaxados, Sókapinkanelas, TCTF, Topless (o único formado por meninas), Zé Bangu, Os Genéricos, Atecubanos, Tô No Vaso TNV e Parangolé. Geralmente na segunda-feira de carnaval acontece o desfile da única escola de samba de Palmital, a "Unidos do São José". Com aproximadamente 400 componentes, a escola leva brilho e cor para a rua Manoel Leão Rego, paralela à instalação dos blocos.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]