Pholhas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pholhas
Informação geral
Origem São Paulo
País  Brasil
Gênero(s) soft rock, Rock Progressivo, Disco
Período em atividade 1969 - atualmente
Gravadora(s) RCA Victor
Página oficial pholhas.com.br

Pholhas é uma banda de rock brasileira, da cidade de São Paulo.

Histórico[editar | editar código-fonte]

A banda foi criada em 1969 com a seguinte formação: Helio Santisteban (teclado), Paulo Fernandes (bateria), Oswaldo Malagutti (baixo) e Wagner "Bitão" Benatti (guitarra), com os quatro se revezando nos vocais. Começaram fazendo covers de bandas dos EUA e Inglaterra e passaram a compor também em inglês.

Seu primeiro LP, "Dead Faces", lançado em 1972 pela RCA, continha apenas canções em inglês. Um compacto simples extraído desse álbum, com a música "My Mistake" (apenas aparentemente simplista: conta a história de um assassinato passional, mas retomando a tradição do blues primitivo de usar tragédias cotidianas para refletir sobre a significação da vida); compacto esse que chegou ao primeiro lugar das paradas, vendendo 400 mil cópias em apenas três meses. Em seguida, outras canções foram lançadas em compactos, como "She Made Me Cry", "I Never Did Before" e "Forever", todas atingindo vendagem superior a 300 mil cópias. Em 1975, o álbum de estréia foi lançado no mercado hispânico com o título de "Hojas", dando ao grupo mais um Disco de Ouro.

Em 1977 o grupo mudou de orientação, lançando o LP "O Som das Discotheques", com covers dos principais sucessos do gênero, e chegando a 150 mil cópias vendidas.

Logo em seguida, Hélio Santisteban resolveu seguir carreira solo e em seu lugar entrou Marinho Testoni, ex-Casa das Máquinas. Isso levou a outra mudança no grupo, que lançou um disco de rock progressivo, e pela primeira vez com letras em português. O disco vendeu bem menos que os anteriores, mas tornou-se cult para um segmento de público.

Em 1978, foi Oswaldo Malagutti quem deixou a banda, sendo substituído pelo baixista João Alberto, também ex-"Casa das Máquinas". Malagutti criou com Santisteban o Estúdio MOSH (acrônimo de seus nomes) e até hoje trabalha com produção e masterização de CDs e DVDs musicais.

Em 1980 Hélio Santisteban retornou ao grupo, que retomou a tradição de cantar e compor em inglês, lançando então o LP "Memories". Poucos meses depois, com a saída de Marinho, o Pholhas chegou à seguinte formação: Bitão (guitarra), Paulo Fernandes (bateria), Hélio Santisteban (teclados) e João Alberto (baixo).

No final de 2007 Hélio Santisteban deixa definitivamente a banda, a partir de então Bitão, Paulinho e João Alberto resolvem não ter mais um tecladista fixo e sim um tecladista especialmente convidado para cada apresentação. Essa formula deu tanto certo que virou um atrativo a mais dos shows.

Ainda na estrada depois de 42 anos, a banda PHOLHAS continua apresentando espetáculos em todo o Brasil e exterior, com recriações de sucessos do rock inglês e norte-americano, especialmente de Bee Gees, Creedence Clearwater Revival, Elvis Presley, Rolling Stones e Beatles.

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • 1972: "Dead Faces"
  • 1974: "Forever"
  • 1975: "Hojas
  • 1975: "Pholhas"
  • 1977: "Disco de Ouro"
  • 1977: "Pholhas"
  • 1978: "O Som das Discoteques"
  • 1980: "Memories"
  • 1981: "Disco de Ouro, vol 2"
  • 1982: "Pholhas"
  • 1985: "Wings"
  • 1987: "The Night Before"
  • 1988: "Côrte sem Lei"
  • 1996: "Pholhas, 25 Anos"
  • 1997: "Pholhas Forever, 26 Anos"
  • 2000: "Pholhas ao Vivo no Brasil"
  • 2003: "70's Greatest Hits"


Ligações externas[editar | editar código-fonte]