Piper PA-38 Tomahawk

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

PA-38 Tomahawk
New Zealand PW-51.svg
Descrição
Tipo Treinamento / Uso Pessoal
Fabricante Piper Aircraft
Dimensões
Comprimento 7,04 metros
Envergadura 10,36 metros
Altura 2,76 metros
Pesos
Peso máx. decolagem 757 kg
Propulsão
Motorização Lycoming O-235-L2C
Potência 112 hp
Performance
Velocidade máxima 202 km/h
Altitude máxima 4.000 metros
Alcance (MTOW) 468 NM / 867 km


O Piper PA-38-112 Tomahawk é uma aeronave de dois assentos, trem de pouso fixo triciclo de asa fixa, originalmente desenhado para treinamento de voo, voos panorâmicos e uso pessoal.

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

O Tomahawk foi a tentativa da Piper de criar um avião de treinamento acessível. Antes de começar a desenhar a aeronave, a Piper consultou vários instrutores de voo para suas sugestões no design da mesma. Os instrutores solicitaram uma aeronave que entrasse mais em parafusos para propósitos de treinamento, desde que os outros dois treinadores de dois lugares como o Cessna 150 e o 152 foram desenhados para saírem espontaneamente de um parafuso. O perfil de aerofólio da NASA[1] GA(W)-1 Whitcomb atingiu este requerimento, sendo então necessário uma ação do piloto para se recuperar de parafusos, permitindo assim os pilotos desenvolverem suas habilidades na recuperação desta manobra.

Outra característica do Piper Tomahawk que favorece sua adequação como modelo para treinamento é que as forças de controle de voo simulam às de aeronaves muito mais pesadas. Como resultado, os pilotos-aluno que aprendem a voar em um Tomahawk, a transição para uma aeronave maior é bem sucedida, explicando então a popularidade do Tomahawk nos clubes de treinamento da Força Aérea dos Estados Unidos.

Produção[editar | editar código-fonte]

Cabine do Tomahawk

O Tomahawk foi introduzido em 1977 como um modelo de 1978. A aeronave esteve em produção contínua até 1982 quando encerrou-se a mesma, com 2.484 aeronaves construídas.

Os modelos de 1981 e 1982 foram designados como Tomahawk II. Estes incorporaram uma cabine melhorada com aquecimento e descongelante do pára-brisa, um sistema melhorado de compensador do profundor, vetor da manete de potência melhorada, 100% da estrutura com tratamento de anti-corrosão de cromato de zinco, cabine menos ruidosa, rodas e pneus maiores para mais distância entre a hélice e o solo e uma performance melhorada em pistas de grama e terra, entre outras melhorias.

Recorde de Segurança[editar | editar código-fonte]

Um Piper PA-38-112 Tomahawk mostrando sua plataforma retangular da asa. Stall strips podem ser vistos como uma parte maior no bordo de ataque da aeronave.

De acordo com a Aircraft Owners and Pilots Association Air Safety Foundation, que publicou um reporte de ótima segurança do Piper Tomahawk, que este possui uma razão de um terço a menos de acidentes por hora de voo se comparado à série Cessna 150/152 de aeronaves para treinamento com dois lugares. Entretanto, o Tomahawk possui uma razão mais alta de acidentes fatais por parafuso por hora de voo. A National Transportation Safety Board (NTSB) estimou que os a razão de acidentes de estol e parafuso do Tomahawk era três a cinco vezes maior que o do Cessna 150/152.[2]

Referências[editar | editar código-fonte]

Piper PA-38-112
  1. Low Speed, Medium Speed, and Natural Laminar Flow Airfoils Concept to Reality: Contributions of the NASA Langley Research Center to U.S. Civil Aircraft of the 1990s. Visitado em 2006-08-08.
  2. Sweeny, Michael. "NTSB recommends new round of Tomahawk tests", 25 de Julho de 1997.
  • Taylor, John W.R. Jane's All The World's Aircraft 1982-83. London:Jane's Yearbooks, 1982. ISBN 0-7106-0748-2.

Links Externos[editar | editar código-fonte]

Conteúdo Relacionado[editar | editar código-fonte]

Aeronaves Comparáveis: