Protestos na Turquia em 2013

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Protestos na Turquia em 2013
2013 Taksim Gezi Park protests (15th June).jpg
Manifestação em 15 de junho na Praça Taksim, em Istambul.
Período 28 de maio de 2013 - atualidade
Local  Turquia
Objetivos
  • Proteger o Parque Gezi, protestando contra a ausência de consulta e utilização de força excessiva por parte da polícia;
  • Defender a liberdade de expressão e o direito de reunir
  • Demissão do governo de Erdoğan
  • Encerrar o apoio a Guerra Civil Síria[1]
Características
Participantes do conflito
Manifestantes antigoverno (originalmente um pequeno número de ambientalistas) Turquia Turquia
  • Polícia turca
  • Ministério do Interior
Líderes
Manifestantes
  • Memet Ali Alabora
  • Sırrı Süreyya Önder
  • Ahmet Şık
  • Nasuh Mahruki
  • Okan Bayülgen
  • Erdal Beşikçioğlu
  • Halit Ergenç
  • Bergüzar Korel
  • Can Bonomo
  • Cem Adrian
  • Şebnem Ferah
  • Fazıl Say
  • Sezen Aksu
  • Levent Üzümcü
  • Volkan Konak
  • Duman
Líderes do Governo:

Os Protestos na Turquia em 2013 começaram como um protesto ambiental pacífico contra a demolição do Parque Taksim Gezi que, posteriormente, se transformou em protestos contra o Governo por toda a Turquia após a resposta policial que pôs termo à ocupação do referido parque por parte de ambientalistas.[10]

O início dos protestos ocorreu a 28 de maio de 2013, encabeçados por 50 ambientalistas que se manifestavam contra o derrube de 600 árvores do Parque Taskim Gezi, em Istambul, para a reconstrução do histórico Quartel Militar Taksim (demolido em 1940), com a possibilidade de abrigar também um centro comercial.[11] Os protestos converteram-se em distúrbios quando um grupo de manifestantes que ocupava o parque foi atacado pela polícia. Desde então, o tema dos protestos ampliou-se para além da demolição do parque, tornando-se em manifestações antigovernamentais mais amplas com cerca de 2,5 milhões de pessoas.[12] Os protestos espalharam-se, rapidamente, para outras cidades turcas,[13] com também manifestações noutros países com significativas comunidades turcas.[14] [15]

Impacto[editar | editar código-fonte]

Político[editar | editar código-fonte]

Manifestantes no Parque Gezi.
Manifestante sufista rodopiando, com uma máscara de gás num dos protesto na Turquia (2 de junho de 2013).

De acordo com Koray Çalışkan, um cientista político em Istambul, de Universidade de Boğaziçi, os protestos são "um ponto de viragem para o AKP. Erdoğan é muito confiante e um político muito autoritário, e ele não ouve ninguém. Mas ele precisa entender que a Turquia é o reino, e que ele não pode governar Istambul a partir de Ankara." [16]

Faruk Birtek professor de sociologia da Universidade de Boğaziçi criticou as ações da polícia turca contra os manifestantes e comparou a SS da Alemanha nazista[17]

Turismo[editar | editar código-fonte]

A Província de Antália acolhe cerca de 1/3 dos turistas estrangeiros na Turquia.

Em 2011, a Turquia atraiu mais de 31,5 milhões de turistas estrangeiros, [18] classificando como o sexto destino turístico mais popular do mundo. O turismo tem sido descrito como "uma das fontes mais importantes de renda para a Turquia", [19] levantando preocupações de que a "agitação teria um efeito terrível em Istambul [...] e a economia do turismo."[20] As manifestações, porém, não parecem ter um impacto imediato no turismo na Turquia. Em 3 de junho, por exemplo, as agências de viagens holandesas informaram que não receberam pedidos de cancelamento de clientes, e disse que não vê nenhum perigo em viajar para a Turquia.[21]

Muitos cineastas renomados e vencedores de prêmios mundiais estavam em Istambul para o Festival de Documentários 2013, que havia sido adiado indefinidamente devido à reação violenta das autoridades turcas aos protestos pacíficos. Os dois primeiros dias do festival, 01 e 02 de junho, não ocorreram devido à agitação social e um dos principais locais, Akbank Sanat, foi incapaz de mostrar filmes por um longo período de tempo, devido à sua proximidade com os protestos. Petra Costa, a diretora brasileira do documentário Elena, e o diretor de fotografia egípcio Muhammed Hamdy começaram a filmar os protestos.[22]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Poll Shows Weak Support For Turkey’s Syria Policies Al Monitor
  2. Yeşiller/Sol: Artık her yer, bütün yaşam alanlarımız Gezi Parkı’dır (em turco) Yeşil gazete (2 de junho de 2013). Visitado em 3 de junho de 2013.
  3. Police on witch hunt! (em inglês) (2 de junho de 2013). Visitado em 2 de junho de 2013.
  4. Turkey police clash with Istanbul Gezi Park protesters (em inglês) BBC News (1 de junho de 2013). Visitado em 2 de junho de 2013.
  5. LIVE BLOG: Turkey unrest enters third day (em inglês) Haaretz (2 de junho de 2013). Visitado em 3 de junho de 2013.
  6. a b c Gezi Parkı eyleminin analizi. Kimler katılmakta? Hükümet huzur için acil ne yapmalı? (em turco) (2 de junho de 2013). Visitado em 2 de junho de 2013.
  7. How the Protests Will Impact Turkey at Home and Abroad (em inglês) The Atlantic. Visitado em 2 de junho de 2013.
  8. Supporter groups of Istanbul's three major teams join forces for Gezi Park (em inglês) Hürriyet Daily News (1 de junho de 2013). Visitado em 2 de junho de 2013.
  9. Twitter / YourAnonNews: Calls for general strike in (em inglês) Twitter.com. Visitado em 3 de junho de 2013.
  10. Pedro Guerreiro (31 de maio de 2013). Istambul enfrenta 'primavera turca' (em português) Sol. Visitado em 3 de junho de 2013.
  11. Polícia deteve quase mil pessoas nos protestos na Turquia (em português) Público (1 de junho de 2013). Visitado em 3 de junho de 2013.
  12. Casa Branca (11 de março de 2014). [http://docs.house.gov/meetings/FA/FA14/20130626/101051/HHRG-113-FA14-20130626-SD001.pdf Subcommittee on Europe, Eurasia and Emerging Threats Hearing on “Turkey at a Crossroads: What do the Gezi Park Protests Mean for Democracy in the Region?” Ranking Member Keating, Opening Statement June 26, 2013, 2 pm, 2172] (em inglês) Casa Branca. Visitado em 11 de março de 2014.
  13. Lusa (2 de junho de 2013). Protestos contra o Governo em várias cidades da Turquia (em português). Visitado em 3 de junho de 2013.
  14. A “revolta turca” em Berlim e Amsterdão (em português) Euronews (3 de junho de 2013).
  15. Lusa (2 de junho de 2013). Protesto contra Governo turco chega às ruas de Nova Iorque (em português) Expresso. Visitado em 3 de junho de 2013.
  16. "Turkey protests spread from Istanbul to Ankara". Página visitada em 1 June 2013.
  17. Kemale ermiş bir sivil toplum hareketidir bu! | GAZETE VATAN Haber.gazetevatan.com. Visitado em 2013-06-03.
  18. Number of Arriving-Departing Foreigners and Citizens Tourism Statistics Ministry of Culture and Tourism (Turkey) (2010). Visitado em 28 January 2011.[ligação inativa]
  19. Opinion: Erdogan's miscalculation | DW.DE | 01.06.2013 Deutsche Welle. Visitado em 2013-06-02.
  20. Seymour, Richard. Istanbul clashes could lead to a Turkish Spring, but tourism would be big loser, by Skift Skift.com. Visitado em 2013-06-02.
  21. ANVR ziet geen gevaar in reis naar Turkije. Visitado em 2013-06-03.
  22. http://elenafilme.tumblr.com/post/52069465918/petra-costa-in-istanbuls-taksim-square