Elena (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Elena
Elena 2012 Film Poster.jpg
 Brasil
 • 82 min 
Direção Petra Costa
Produção Busca Vida Filmes
Roteiro Petra Costa, Carolina Ziskind
Idioma português
Cinematografia Janice D'Avila, Will Etchebehere, Miguel Vassy
Edição Marilia Moraes, Tina Baz
Lançamento Brasil 10 de maio de 2013, Países Baixos novembro de 2012

Elena é um filme brasileiro de 2012, dirigido por Petra Costa e produzido pela Busca Vida Filmes. É um documentário baseado na vida da atriz Elena Andrade, irmã mais velha de Petra.[1] Foi premiado em diversos festivais ao redor do mundo e aclamado pela crítica, considerado uma experiência única no cinema contemporâneo, por extrair de um tema difícil - o suicídio da irmã da diretora Petra Costa - sua força poética e cinematográfica. Em 2014, ganhou publicação em livro pela Arquipélago Editorial: "Elena - O livro do filme de Petra Costa". A obra traz o roteiro do filme, de autoria de Petra Costa e Carolina Ziskind, depoimentos, ensaios fotográficos, imagens de arquivo e entrevista com a diretora.

No livro, a obra, as personagens e o entorno estético e político também são abordados em textos de nomes expoentes do jornalismo, da psicanálise, da literatura e do cinema. Os olhares de João Moreira Salles, Nicolau Sevcenko, Eliane Brum, Emilio Fraia, Marcela Antelo, Edmundo Desnoes, Ivana Bentes, Michel Laub, Sérgio Lüdtke, Carlos Estellita-Lins, Joca Reiners Terron, Cláudia Laitano e Cadão Volpato, retratados em textos, reafirmam a beleza de um filme inesquecível.

Em 2014, o filme também foi pré-selecionado para indicação ao Oscar 2015 na categoria de Melhor Documentário, na 87ª edição da cerimônia.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Elena viaja para Nova York com o mesmo sonho da mãe: ser atriz de cinema. Deixa para trás uma infância passada na clandestinidade durante a ditadura militar e uma adolescência vivida entre peças de teatro e filmes caseiros. Também deixa Petra, sua irmã de 7 anos. Duas décadas mais tarde, Petra também se torna atriz e embarca para Nova York em busca de Elena. Tem apenas pistas: fitas de vídeo, recortes de jornais, diários e cartas. A qualquer momento, Petra espera encontrar Elena andando pelas ruas. Aos poucos, os traços das duas se confundem. Já não se sabe quem é uma e quem é a outra.[2] [3]

Enredo[editar | editar código-fonte]

A despedida veio na forma de um presente singelo: uma concha. “Quando você sentir saudade, encoste a concha no seu ouvido e assim a gente pode se falar”, disse a irmã, Elena, 13 anos mais velha. Petra, de apenas 7, escutaria muitas vezes aquela concha nas semanas seguintes. Meses, anos, duas décadas se passaram. Petra já era atriz e cineasta quando voltou a Nova York à procura de Elena, decidida a filmar a saudade.[4] [5]

Elena é um filme sobre a persistência dessas lembranças, a irreversibilidade da perda, o impacto causado na menina de 7 anos pela ausência da irmã, a quem Petra chama de sua “memória inconsolável”. “Pouco a pouco, as dores viram água, viram memória”, diz a diretora, a um só tempo atriz e personagem.[6]

Elena é, também, um filme sobre a aventura de crescer, uma história de três mulheres que dialoga com temas como família e maternidade, dor e superação. É, ainda, um filme sobre o Brasil pós-ditadura militar, sobre a geração que nasceu clandestina e cresceu entre os anos 1970 e 1980, com o desafio de batalhar por seus sonhos em tempos de abertura e esperança.[7] [8]

Produção[editar | editar código-fonte]

A ideia de fazer um filme sobre a irmã surgiu quando a diretora Petra Costa tinha 17 anos e encontrou, em casa, um antigo diário de Elena, escrito quando ela tinha a mesma idade, 13 anos antes. "Tive a estranha sensação de estar lendo palavras minhas, como se aquele diário fosse meu", diz Petra. A identificação foi enorme.[9] Na mesma época, a leitura de Hamlet e a descoberta de Ofélia[10] [11] também serviram de inspiração, bem como assistir ao filme Bicho de Sete Cabeças, de Laís Bodansky[12] - que, entre outros assunto, trata do rito de passagem da vida adulta, embora do ponto de vista dos rapazes. O projeto do filme permaneceu em banho-maria por dez anos, sendo elaborado pouco a pouco. Durante esse tempo, Petra se envolveu em outros trabalhos, dirigiu o premiado curta Olhos de Ressaca, até finalmente se sentir preparada para mergulhar nas memórias da irmã.

Petra encontrou cerca de 50 horas de filmes caseiros feitos pela irmã[13] , das quais ao menos 20 horas haviam sido gravadas no ano em que ela, Petra, nasceu. Foi quando Elena, aos 13 anos, ganhou sua primeira câmera. Em seguida, Petra entrevistou cerca de 50 familiares e amigos de Elena, totalizando algo em torno de 200 horas de material.[14] Quando foi a Nova York, levou consigo uma agenda de telefone com os antigos contatos da irmã e pôs-se a procurar todas as pessoas que estavam ali, uma por uma, buscando os nomes na internet e nas redes sociais. O longa finalmente começou a tomar corpo e a ganhar o aspecto definitivo quando a diretora decidiu inserir-se na cena, como personagem e documentarista, gravando também seu percurso e estruturando o roteiro em parceria com Carolina Ziskind.[15]

Além de Nova York e São Paulo, algumas cenas de Elena foram rodadas na Bahia e também em Barra do Una, no município de São Sebastião, no litoral paulista. Foram dois anos e meio de produção até a première no 45o Festival de Brasília, em setembro de 2012, onde Elena ganhou os prêmios de melhor direção, direção de arte, montagem e melhor filme segundo o júri popular, todos na categoria documentário.[16]

Elenco[17] [editar | editar código-fonte]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Crítica[editar | editar código-fonte]

De acordo com o site AdoroCinema, Elena teve uma pontuação média de 3,9 de cinco estrelas dentre nove críticas sondadas, todas veiculadas na imprensa brasileira.[18] O cineasta Eduardo Escorel, da revista Piauí, recebeu bem o filme, sustentando que "a narrativa complexa e delicada de Elena flui de forma harmoniosa, articulando com maestria materiais heterogêneos, sem se tornar lúgubre".[19] Luiz Zanin, d'O Estado de S. Paulo, considerou o filme "emocionante", ponderando que o filme é uma "reflexão sobre a função da memória",[20] enquanto Roberto Guerra, do Cineclick, considerou Elena "carregado de lirismo e poesia".[21]

Alysson Oliveira, do site Cineweb, entretanto, julgou o documentário "frágil", notando alguns excessos em certas cenas "[repletas] de composições visuais que se esvaziam em si mesmas".[22] Sérgio Alpendre, da Folha de S. Paulo, apontou para a tentativa de "atingir alguma universalidade" na exposição da angústia da autora e criticou o que ele percebeu como um "exagero de doçura" de certas sequências do filme.[23]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria
2012 Festival de Brasília: Melhor Documentário (Brasil)[21] Júri Popular
Melhor Direção
Melhor Montagem
Melhor Direção de Arte
2013 Festival Internacional de Cinema de Guadalajara (México)[24] Menção Especial
Festival Internacional de Documentários ZagrebDox (Croácia)[24] Menção Especial
Films de Femmes (França)[24] Melhor Documentário
Planete+ Doc Film Festival Varsóvia(Polônia)[24] Prêmio Canon de Cinematografia
Cine Música – Festival de Cinema de Conservatória(Brasil)[24] Melhor Música Original
Los Angeles Brazilian Film Festival(EUA)[24] Melhor Documentário
Festival de Havana(Cuba)[24] Melhor Documentário

Ficha técnica[25] [editar | editar código-fonte]

  • Direção - Petra Costa
  • Roteiro - Petra Costa e Carolina Ziskind
  • Elenco - Elena Andrade, Li An e Petra Costa
  • Produção - Busca Vida Filmes
  • Produção Executiva - Julia Bock e Daniela Santos
  • Produtores Associados - Felipe Duarte e Sara Dosa
  • Produção em Nova York - Caroline Onikute
  • Coordenação de Produção - Vanessa Elias
  • Produção de Lançamento - Bernardo Bath
  • Assistente de Produção Executiva - Isadora Ferreira
  • Direção de Fotografia - Janice D’Avila, Will Etchebehere e Miguel Vassy
  • Direção de Arte - Martha Kiss Perrone, Alonso Pafyese e Lorena Ortiz
  • Montagem - Marilia Moraes e Tina Baz
  • Primeira Montagem - Idê Lacreta
  • Assistente de Direção e Montagem Adicional - Virginia Primo
  • Desenho de Som - Olivier Goinard e Guile Martins
  • Mixagem - Olivier Goinard
  • Som Direto - Edson Secco
  • Supervisão de Trilha Sonora - Fil Pinheiro
  • Trilha Sonora Original - Vitor Araújo, Fil Pinheiro, Maggie Clifford e Gustavo Ruiz
  • Coordenação de Pós-Produção - Laura Futuro
  • Assistente de Pós - Fabio de Borthole
  • Assistente de Ilha de Edição - André Gustavo Requião
  • Consultoria Criativa - Daniela Capelato
  • Doctoring de Roteiro - Aleksei Abib
  • Preparação de Elenco - Martha Kiss Perrone
  • Consultoria de Montagem - Xavier Box

Referências

  1. Sylvia, Elena e a arte à beira do precipício.Blogueiras Feministas
  2. http://www.elenafilme.com/o-filme/
  3. [1].Variety
  4. Uma mulher em busca do próprio corpo.Revista Época
  5. A falta que nos move. Estadão.com.br, 08 de maio de 2013
  6. Elena. F & M Pro Cultura
  7. Elena. F & M Pro Cultura
  8. Memória inconsolável. Tribuna de Minas
  9. Busca de diretora por irmã encerra mostra de documentários em Brasília. G1, 23 de setembro de 2012
  10. Seja bem-vinda, Elena.Revista Piauí, 06 de maio de 2013
  11. 5 questions with Petra Costa.Filmmaker Magazine
  12. 5 Major Influences From Petra Costa. Tribeca Film Institute
  13. Memória inconsolável. Tribuna de Minas
  14. Petra Costa no Metrópolis. Metrópolis, TV Cultura
  15. A arte de transformar a dor. Harper´s Bazaar
  16. Documentários em que diretores resgatam a história de parentes viram fenômeno © 1996 - 2013. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. O Globo, 24 de novembro de 2012
  17. http://www.elenafilme.com/o-filme/
  18. Elena: críticas da imprensa AdoroCinema. Visitado em 15 de junho de 2013.
  19. Eduardo Escorel (6 de maio de 2013). Seja bem-vinda, Elena Piauí. Visitado em 15 de junho de 2013.
  20. Luiz Zanin (10 de maio de 2013). Elena, ou o que os mortos têm a dizer aos vivos O Estado de S. Paulo. Visitado em 15 de junho de 2013.
  21. a b Elena - Cineclick Cineclick. Visitado em 15 de junho de 2013.
  22. Alysson Oliveira (8 de maio de 2013). Elena - Crítica Cineweb Cineweb. Visitado em 15 de junho de 2013.
  23. Sérgio Alpendre (10 de maio de 2013). Crítica: Documentário "Elena" traz jorro de imagens impressionistas Folha de S. Paulo. Visitado em 15 de junho de 2013.
  24. a b c d e f g Elena (site oficial). Visitado em 15 de junho de 2013.
  25. http://www.elenafilme.com/o-filme/