Quem Tem Medo de Virginia Woolf?

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Who's Afraid of Virginia Woolf?
Quem tem medo de Virgínia Woolf? (PT/BR)
 Estados Unidos
1966 • p&b • 131 min 
Direção Mike Nichols
Roteiro Ernest Lehman
Elenco Elizabeth Taylor
Richard Burton
George Segal
Sandy Dennis
Género drama
Idioma inglês / latim
Página no IMDb (em inglês)

Who's Afraid of Virginia Woolf? (br/pt: Quem tem medo de Virgínia Woolf?) é um filme estadunidense de 1966, do gênero drama, dirigido por Mike Nichols. O roteiro é uma adaptação da peça teatral homônima, escrita por Edward Albee.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Martha e George são casados, já estão na meia-idade, são intelectuais, se amam e se odeiam. Depois de uma festa na casa do pai de Martha, o presidente da universidade onde George leciona, o casal retorna até a sua residência próxima. Já de madrugada, e bastante embriagados, eles acolhem Nick e Honey, um jovem casal que também estava na mesma festa e mora longe. Nick é outro professor da universidade.

Quando os jovens chegam, estão também embriagados. Constrangidos com o clima tenso entre George e Martha, que acabaram de ter uma violenta discussão, eles recomeçam a beber junto com seus anfitriões. Martha se insinua abertamente para Nick e humilha George que, despeitado, "inventa" um tipo de "jogo da verdade", induzindo as pessoas a seu redor a confessarem detalhes intímos. Só que George não diz quando fala a verdade e quando mente sobre si mesmo, enquanto seus confusos interlocutores dizem mentiras que pensavam ser verdades - geralmente escondidas e escabrosas, mas logo desvendadas pelos outros.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Princpais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Applications-multimedia.svg A Wikipédia possui o

Oscar 1967 (EUA)

  • Venceu nas categorias de melhor atriz (Elizabeth Taylor), melhor atriz coadjuvante (Sandy Dennis), melhor fotografia preto-e-branco (Haskell Wexler, que foi o último vencedor dessa categoria), melhor figurino preto-e-branco e melhor direção de arte preto-e-branco.
  • Indicado nas categorias de melhor filme, melhor diretor, melhor som, melhor roteiro adaptado, melhor ator (Richard Burton), melhor ator coadjuvante (George Segal), melhor montagem e melhor trilha sonora.

BAFTA 1967 (Reino Unido)

  • Venceu nas categorias de melhor filme de qualquer origem, melhor atriz britânica (Elizabeth Taylor) e melhor ator britânico (Richard Burton).

Globo de Ouro 1967 (EUA)

  • Indicado nas categorias de melhor filme - drama, melhor diretor de cinema, melhor ator de cinema - drama (Richard Burton), melhor atriz de cinema - drama (Elizabeth Taylor), melhor roteiro, melhor ator coadjuvante (George Segal) e melhor atriz coadjuvante (Sandy Dennis).

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Foi o primeiro filme dirigido por Mike Nichols.
  • O autor da peça desejava Bette Davis e James Mason para os papéis principais, tanto que escreveu uma fala (What a dump!) para o personagem Martha retirada do filme Beyond the Forest, de 1949, interpretado por Davis.
  • O nome da peça parodia a célebre canção infantil Quem tem medo do lobo mau? (Who's Afraid of the Big Bad Wolf?) do desenho animado da Disney, Os Três Porquinhos.
  • O filme foi realizado na época em que Elizabeth Taylor e Richard Burton eram casados na vida real e os rumores são de que o casal talvez tenha se inspirado nas suas brigas e bebedeiras para interpretar com maestria os protagonistas.
  • Elizabeth Taylor, sempre bela e glamurosa nos filmes até então, surpreendeu o público ao aparecer gorda e envelhecida, num papel escandaloso de uma megera barulhenta e furiosa. A metamorfose lhe garantiu o segundo Oscar de melhor atriz.
  • O filme aparece em 67º lugar na lista dos 100 melhores filmes da AFI, edição de décimo aniversário.
  • Virgínia Woolf é também o nome de uma escritora, ensaísta e editora britânica, conhecida como uma das mais proeminentes figuras do modernismo.