Raúl Cubas Grau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Raúl Alberto Cubas Grau
Presidente do Paraguai
Mandato 15 de agosto de 1998 - 29 de março de 1999
Antecessor(a) Juan Carlos Wasmosy
Sucessor(a) Luis Ángel González Macchi
Vida
Nascimento 23 de Agosto de 1943 (71 anos)
Assunção, Paraguai
Dados pessoais
Primeira-dama Mirta Guzinski de Cubas
Partido Partido Colorado
Profissão engenheiro elétrico e político

Raúl Alberto Cubas Grau (Assunção, Paraguai, 23 de agosto de 1943 — ) é um político e engenheiro paraguaio. Foi presidente de seu país entre 15 de agosto de 1998 a 23 de março de 1999. Renunciou após o assassinato de seu vice-presidente, Luis María Argaña.

Após sua renúncia, Cubas exilou-se no Brasil no dia 29 de março de 1999 e pediu asilo ao governo Fernando Henrique Cardoso, tendo residido em Balneário Camboriú e depois em Curitiba[1] . Um dos homens mais ricos de seu país, Cubas era dono da Construtora 14 de Julio, uma das que participaram da construção da hidrelétrica de Itaipu[1] .

Em setembro de 2004 sua filha mais velha, Cecilia Cubas Gusinky, com então 30 anos foi sequestrada. Após um mês o grupo de sequestradores parou com os contatos. Em 17 de fevereiro de 2005 seu corpo foi encontrado enterrado em uma casa na cidade de Ñemby, nos arredores de Assunção. O sequestro foi atribuído ao grupo de esquerda Partido Patria Libre[2] que teria vínculos com as FARC[3] . Dois dos acusados do assassinato, receberam asilo político da Bolívia em 2006[4] .

Referências[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Juan Carlos Wasmosy Monti
Presidente do Paraguai
1998 - 1999
Sucedido por
Luis Ángel González Macchi