Ricardo Reis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Simplificação do retrato imaginado de Ricardo Reis. Esboço de Cristiano Sardinha.

Ricardo Reis (19 de setembro de 1887) é um dos quatro heterónimos mais conhecidos de Fernando Pessoa, tendo sido imaginado de relance pelo poeta em 1913 quando lhe veio à ideia escrever uns poemas de índole pagã. Nasceu no Porto, estudou num colégio de jesuítas, formou-se em medicina e, por ser monárquico, expatriou-se espontaneamente desde 1919, indo viver no Brasil. Era latinista por formação clássica e semi-helenista por autodidactismo. Na sua biografia não consta a sua morte, no entanto José Saramago faz uma intervenção sobre o assunto em seu livro O Ano da Morte de Ricardo Reis, situando a morte de Reis em 1936.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Carta astral de Ricardo Reis.

Nascido no Porto,no dia 19 de setembro de 1887. Recebeu uma forte educação clássica num colégio de jesuítas e formou-se em Medicina, profissão que não exercia. Viveu no Brasil desde 1919, pois se expatriou espontaneamente por ser monárquico, na sequência da derrota da rebelião monárquica da Monarquia do Norte contra o regime republicano. É um latinista por educação, e um semi-helenista por educação própria.[1]

Obra[editar | editar código-fonte]

As primeiras obras foram publicadas em 1924, na revista Athena, fundada por Fernando Pessoa. Mais tarde foram publicados oito odes, entre 1927 e 1930, na revista Presença, de Coimbra. Os restantes poemas e prosas são de publicação póstuma.

Fresco de Luca Giordano

Temas[editar | editar código-fonte]

Reis, também discípulo de Caeiro, admira a serenidade e a calma com que este encara a vida[2] , por isso, inspirado pela clareza, pelo equilíbrio e ordem do seu espírito clássico greco-latino, procura atingir a paz e o equilíbrio sem sofrer, através da autodisciplina e das seguintes doutrinas gregas:

Epicurismo[editar | editar código-fonte]

Doutrina baseada num ideal de sabedoria que "busca a tranquilidade" da alma através das seguintes regras:

  • Temer a morte - Levando o poeta ao Fatalismo, tendo a morte como única certeza na vida.
  • Procurar os simples prazeres da vida em todos os sentidos, sem preocupações com o futuro (carpe diem), mas sem excessos - Deste modo aprende a viver cada instante como se fosse o último; e faz da vida simples campestre um ideal (aurea mediocritas);
  • Fugir à dor - Como defesa contra o sofrimento, sobrepõe a razão sobre a emoção;

Estoicismo[editar | editar código-fonte]

Doutrina que tem como ideal ético a "apatia" - ausência de envolvimento emocional excessivo que permite a liberdade – , e que propõe as seguintes regras para alcançar a felicidade (relativa, pois não pretende um estado de alegria mas sim de um contentamento inconsciente):

  • Dominar as paixões – Suscita uma atitude de indiferença; Recusa o amor para evitar ter desilusões, de modo a que nada perturbe a serenidade e a razão, e porque este é uma inutilidade e está já condenado, uma vez que tudo na vida tem um fim;
  • Aceitar a ordem universal das coisas, incluindo a morte - Revela a faceta conformista, considerando a vida como efémera, um fluir para a morte e essa consciência não lhe gera nem angústia nem revolta.

Porém, Reis "admite a limitação e a fatalidade desta condição humana", e pretende chegar à morte de mãos vazias de modo a não ter nada a perder; e inspirado na mitologia clássica, considera a vida como uma viagem cujo fluir e fim é inevitável.

Estilo[editar | editar código-fonte]

Poesia com muitas alusões mitológicas, com uma linguagem culta e precisa, sem qualquer espontaneidade. Estilo neoclássico influenciado pelo poeta latino Horácio. Uso de um vocábulo culto e alatinado com principal recurso ao hipérbato. Emprego do gerúndio e do imperativo (ou conjuntivo com valor de imperativo) com carácter exortativo, ao serviço do tom sentencioso e do carácter moralista presentes nos seus poemas.

Quadro-Síntese[editar | editar código-fonte]

Fresco de Francisco Bayeu
Aspectos temáticos Aspectos formais
Harmonia entre o epicurismo e o estoicismo; Uso de vocabulário erudito e preciso;
Autodisciplina, renunciando às fortes emoções; Recurso a arcaísmos;
Procura da ataraxia; Formas estróficas e métricas de influência clássica – Ode.
Renúncia da vida através da recusa do amor e da consciência da inutilidade do esforço de mudança; Influência latina através da anástrofe e do hipérbato;
Elogio do carpe diem; Predomínio da subordinação;
Elogio da vida campestre (aurea mediocritas); Uso frequente de advérbios de modo;
Fatalismo – o destino é força superior ao homem; Recurso ao gerúndio;
Aceitação calma do destino; Uso do imperativo como manifestação de atitude filosófica;
Obsessão da efemeridade da vida; Diálogo permanente com um "tu" – coloquialidade.
Consciência da fugacidade do tempo;
Aparente tranquilidade, na qual se reconhece a angústia existencial do ortónimo;
Neopaganismo – os deuses também estão sujeitos ao Fado e alusões mitológicas;
Intenção didáctica dos seus versos;
Elogio à carência das ideias dogmáticas e filosóficas como meio de manter-se puro e tranquilo;

Excertos de algumas das suas obras[editar | editar código-fonte]

Assinatura de Ricardo Reis.
"Amemo-nos tranquilamente, pensando que podíamos,
Se quiséssemos, trocar beijos e abraços e carícias,
Mas que mais vale estarmos sentados ao pé um do outro
Ouvindo correr o rio e vendo-o." (1914)


"Ah! sob as sombras que sem querer nos amam,
Com um púcaro de vinho
Ao lado, e atentos só à inútil faina
Do jogo do xadrez" (1916)

Outros heterónimos[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas one
  2. Fernando Pessoa, Prefácio para a edição projectada das suas obras in Páginas Íntimas e de Auto-Interpretação, 1930.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Pessoa, Fernando. Páginas Íntimas e de Auto-Interpretação (em <código de língua não-reconhecido>). [S.l.]: Ática, 1996.
  • Lopes, Teresa Rita. Pessoa por Conhecer - Textos para um Novo Mapa (em <código de língua não-reconhecido>). [S.l.]: Estampa, 1990.
  • Coelho, Jacinto do Prado. Diversidade e Unidade em Fernando Pessoa (em <código de língua não-reconhecido>). [S.l.]: Verbo, 1998. ISBN 9789722203296.

Leituras Adicionais[editar | editar código-fonte]

  • Saramago, José. O Ano da Morte de Ricardo Reis (em <código de língua não-reconhecido>). [S.l.]: Caminho, 1984.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Imagens e media no Commons