Rolls-Royce Eagle

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido (desde fevereiro de 2014). Ajude e colabore com a tradução.
O motor Rolls-Royce Eagle

O Rolls-Royce Eagle, foi o primeiro motor para aviões desenvolvido pela Rolls-Royce Limited. Introduzido em 1915 para atender os requisitos militares britânicos durante a Primeira Guerra Mundial.

Projeto e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Linha de produção do Rolls-Royce Eagle em Derby.

No início da Primeira Guerra Mundial, o Royal Aircraft Establishment solicitou à Rolls-Royce que desenvolvesse um novo motor de 200 hp refrigerado a ar. apesar de uma relutância inicial, eles concordaram sob a condição de que o motor fosse refrigerado a água, o que era a sua especialidade.[1]

O desenvolvimento do projeto foi liderado por Henry Royce, que tomou como base os motores que equipavam os automóveis: Rolls-Royce Silver Ghost e Mercedes 35 hp. A potência foi aumentada dobrando o número de cilindros para doze. Foram usadas soluções técnicas de ponta para a época, com o intuito de manter o número de rotações abaixo de 1.100 rpm. Para diminuir a inércia e melhorar a performance, o sistema de controle de válvulas foi alterado da posição lateral para a posição superior.[2]

Em 3 de Janeiro de 1915, o Almirantado encomendou 25 desses novos motores. O Eagle executou seu primeiro teste nas dependências da Rolls-Royce de Derby em Fevereiro de 1915, produzindo 225 hp a 1.600 rpm. Depois de mais alguns testes e evoluções, foi aprovada a produção com especificação de 255 hp a 1.800 rpm. O primeiro voo do motor Eagle ocorreu num bombardeiro Handley Page Type O em Dezembro de 1915.

O Eagle passou por mais melhorias entre 1916 e 1917, com a potência aumentando progressivamente até 360 hp em Fevereiro de 1918, época em que oito versões haviam sido produzidas. Durante a Primeira Guerra Mundial, a Rolls-Royce lutou para construir os motores Eagle nas quantidades requisitadas Departamento de Guerra, mas resistia às pressões para licenciar outros fabricantes a produzir o motor, temendo que a muito admirada qualidade do motor correr risco de ser comprometida.[3]

Depois da Guerra, uma versão do Eagle designada como Mark IX foi desenvolvida para uso civil. A produção continuou até 1928, e um total de 4.681 motores Eagle foram produzidos.[4]

Variantes[editar | editar código-fonte]

Eagle I (Rolls-Royce 250 hp Mk I)
(1915), 225 hp, 104 motores produzidos em versões com tração para a esquerda e para a direita.
Eagle II (Rolls-Royce 250 hp Mk II)
(1916), 250 hp, 36 construídos em Derby.
Rolls-Royce Eagle VIII
Eagle III (Rolls-Royce 250 hp Mk III)
(1917-1927), 250 hp, taxa de compressão aumentada (4.9:1), pistões reforçados. 110 construídos em Derby.
Eagle IV (Rolls-Royce 250 hp Mk IV)
(1916-17), 270/286 hp, 36 construídos em Derby.
Eagle V (Rolls-Royce 275 hp Mk I)
(1916-17), 275 hp, eixo de comando de válvulas melhorado, 100 construídos em Derby.
Eagle VI (Rolls-Royce 275 hp Mk II)
(1917), 275 hp, primeira utilização de velas de ignição, 300 construídos em Derby.
Eagle VII (Rolls-Royce 275 hp Mk III)
(1917-18), 275 hp, 200 construídos em Derby.
Eagle VIII
(1917-1922), 300 hp, grande número de modificações, 3.302 construídos em Derby.
Eagle IX
(1922-1928), 360 hp, desenvolvido para uso civil, 373 construídos em Derby.

Utilização[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Pugh 2001, p.71.
  2. Pugh 2001, p.72.
  3. Pugh 2001, p.79-86.
  4. Lumsden 2003, p.183.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Rolls-Royce Eagle
Ícone de esboço Este artigo sobre Motor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.