Ruggero Leoncavallo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ruggero Leoncavallo

Ruggero (Ruggiero) Leoncavallo (Nápoles, 23 de abril de 1857Montecatini Terme, 9 de agosto de 1919) foi um compositor de óperas italiano.

A sua ópera "I Pagliacci", com os personagens Canio, Tonio, Peppe, e Silvio, continua uma das mais populares obras do repertório de ópera.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de um magistrado policial, Leoncavallo nasceu em Nápoles em 23 de abril de 1857 e estudou no Conservatório San Pietro a Majella. (A data 8 de março 1857 ou 1858, está incorreta.[2] ). Depois de alguns anos de estudo, e ineficazes tentativas de obter a produção de mais de uma ópera, ele viu o enorme sucesso de Mascagni em Cavalleria rusticana em 1890, e não desperdiçou tempo na elaboração do seu próprio verismo, Pagliacci (segundo Leoncavallo, o enredo deste trabalho teve origem na vida real: um julgamento sobre assassinato a que seu pai tinha presidido).

Pagliacci foi realizada em Milão em 1892 com sucesso imediato, hoje, é o único trabalho de Leoncavallo no repertório padrão de ópera..[3] A sua mais famosa ária Vesti la giubba, "Ligado com a manta de retalhos") foi gravada por Enrico Caruso e foi o primeiro registo do mundo a vender um milhão de cópias.

I Medici e Chatterton (1896)— foram também produzidas em Milão. Grande parte Chatterton foi gravado pela Gramophone Company (mais tarde HMV).[4] Foi em La bohème realizada em 1897 em Veneza que o seu talento obteve confirmação pública. (Suas duas Arias para tenor são realizadas ocasionalmente, especialmente em Itália) Posteriormente as óperas Zaza (1900) (a ópera de Geraldine Farrar famosa no desempenho de despedida no Met, e Der Roland Von Berlin (1904). Obteve um breve sucesso em Zingari que estreou em Itália, e Londres, em 1912. (Zingari esteve longo tempo, no Hipódromo Teatro). Zingari chegou aos Estados Unidos, mas logo depois desapareceu do repertório.[5]

Após uma série de operetas, Leoncavallo num último esforço criou Edipo Re, mas morreu antes de terminar a orquestração, que foi completada por Giovanni Pennacchio. Desde a década de 1970 esta ópera tem tido um número surpreendentemente elevado de representações (incluindo Roma 1972, Viena 1977 e Amsterdão 1998), bem como uma produção totalmente encenada no Teatro Regio di Torino, Turim em 2002.[6] Em Edipo Re (ver The New Grove Dictionary of Opera).[7]

A famosa Mattinata foi por ele escrita para a Gramofone Company com Caruso em mente. Escreveu o libreto para a maioria das suas próprias óperas e é considerado o maior libretista italiano do seu tempo após Arrigo Boito. Importante foi ainda a sua contribuição para o libreto de Manon Lescaut de Giacomo Puccini.

Ruggero Leoncavallo morreu em Montecatini, Toscânia, em 9 de agosto de 1919.

Óperas[editar | editar código-fonte]

Operettas[editar | editar código-fonte]

Outras Obras[editar | editar código-fonte]

  • La nuit de mai -Poème Symphonique segundo Alfred de Musset, Paris 1886 (em francês).
  • Séraphitus Séraphita - Poema Sinfónico segundo H. de Balzac, Teatro alla Scala, Milão 1894

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. Opera America's "The Top 20" list of most-performed operas, ac. 3-12-2007
  2. Works referencing the established date, 23 April 1857, include The New Grove Dictionary of Opera (1992), p. 1148; The New Penguin Opera Guide (2001) p. 487; The Oxford Dictionary of Musical Works (2004), p. 201; Sansone, Matteo (1989) The Verismo of Ruggero Leoncavallo: A Source Study of Pagliacci, Music & Letters, Vol. 70, No. 3 (Aug., 1989), pp. 342-362.
  3. Stanley Sadie and Christina Bashford (eds.), 1992, p. 1148
  4. Stephen R. Clark (2004) The Leoncavallo Recordings 1907/1908: Chatterton, Marston Records.
  5. ver ForumOpera for a review of a modern recording of Zingari and a musical analysis (em francês)
  6. Luraghi, Sylivia Review of the 2002 Turin performance, Opera Japonica
  7. Chillemi, Carmelo 'Giovanni Pennacchio' (in Italian).
  • 'Leoncavallo, Ruggero', in Stanley Sadie and Christina Bashford (eds.) The New Grove Dictionary of Opera, 1992, Macmillan, pp. 1148-1149. ISBN 0935859926
  • 'Leoncavallo, Ruggero' in Rosenthal, H. and Warrack, J., 1979, The Concise Oxford Dictionary of Opera, 2nd Edition, Oxford University Press pp. 278-279.
  • Konrad Dryden, 2007, Ruggiero Leoncavallo, Life and Works, Scarecrow Press.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]