Síndrome de Zollinger-Ellison

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Síndrome de Zollinger-Ellison
Imagem endoscópica de múltiplas úlceras pequenas no duodeno distal em um paciente com a síndrome de Zollinger-Ellison.
Classificação e recursos externos
CID-10 E16.4
CID-9 251.5
MedlinePlus 000325
eMedicine med/2437 ped/2472
MeSH D015043
Star of life caution.svg Aviso médico

A Síndrome de Zollinger-Ellison (ZES) ou hipergastrinemia é um distúrbio endócrino caracterizado por níveis aumentados do hormônio gastrina, fazendo com que o estômago produza ácido clorídrico em excesso. Uma das consequências da acidez aumentada é a formação de úlceras pépticas em 95% dos pacientes. Geralmente é causada por um tumor (gastrinoma) no duodeno ou pâncreas produtor de gastrina.[1]

Causas[editar | editar código-fonte]

A gastrina funciona nas células parietais das glândulas do estômago, fazendo-as secretar mais íons hidrogênio na luz estomacal. Além disso, a gastrina atua com um fator trófico para as células parietais, causando hiperplasia desta células. Como consequência, há um aumento no número de células secretoras de ácido, e cada uma dessas células produz ácidos em taxas aumentadas. O aumento na acidez contribui para o desenvolvimento de múltiplas úlceras pépticas no estômago e no duodeno.

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Os sintomas são similares ao de úlcera péptica e podem incluir[2] :

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

O diagnóstico é feito por diversos exames laboratoriais e de imagem. Os possíveis exames laboratoriais incluem[1]

Diagnóstico diferencial[editar | editar código-fonte]

Não é uma causa a ser pensada em um primeiro episódio de úlcera péptica por sua baixa prevalência. A causa mais comum de úlcera péptica é o uso frequente de anti-inflamatórios não-esteroides associados, ou não, à infecção pelo Helicobacter pylori.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

{{aviso-médico) Inibidores da bomba de prótons (como omeprazol e lansoprazol) e antagonistas do receptor H2 da histamina (como cimetidina, ranitidina e famotidina) são usados para diminuir a secreção ácida.

A cura só é possível se os tumores forem removidos cirurgicamente, caso não haja evidência de ter espalhado pelo corpo, ou tratados com quimioterapia, caso haja suspeita de ter espalhado (metástase). Caso sejam difíceis demais de encontrar pode-se usar radiofrequência para ablactar (queimar) o tumor.

Pode-se utilizar octreotida para alívio dos sintomas como diarreia.

História[editar | editar código-fonte]

A síndrome foi descrita pela primeira vez em 1955 por Robert Zollinger e Edwin Ellison, cirurgiões da Universidade do Estado de Ohio.[3]

Referências

  1. a b http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/000325.htm
  2. http://www.medicalnewstoday.com/articles/186793.php
  3. Zollinger RM, Ellison EH. (1955). "Primary peptic ulcerations of the jejunum associated with islet cell tumors of the pancreas". Ann. Surg. 142 (4): 709–23; discussion, 724–8 pp.. DOI:10.1097/00000658-195510000-00015. PMID 13259432.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]