Mausoléu de Constança

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Santa Costanza)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2015). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Vista do Mausoléu de Santa Constança.

A Igreja de Santa Constança (em italiano: Chiesa di Santa Costanza), melhor conhecida como Mausoléu de Santa Constança ou Constantina (em italiano: Mausoleo di Santa Costanza/Costantina), é uma igreja em Roma, no Quirinal. Cerca do ano 330, Constantina, filha do imperador Constantino (r. 306–337), mandou construir uma basílica com deambulatório circular perto do túmulo de Santa Inês. Ainda se preservam pedaços da muralha. A basílica foi combinada com um mausoléu erguido por Constança para ela e sua irmã Helena.

Antes do século VI o mausoléu foi convertido em batistério e chamado Santa Constança. Do lado de fora, a igreja é uma estrutura redonda, com três se(c)ções cilíndricas superpostas de diferentes dimensões, tanto em tamanho quanto em altura. Originalmente, a muralha ao redor era rodeada por um ambulatório com colunas, já destruído.

O interior é impressionante pelo sentido de harmonia espacial, que resulta da relação complexa entre os elementos separados do edifício. Doze colunas duplas de granito, com capitéis coríntios, formam uma arcada circular ao redor da cúpula, cujas 12 janelas fornecem uma luz difusa ao interior. Há um ambulatório inferior ao redor dos pares de colunas, limitado na parte externa por uma parede circular onde aparecem nichos semicirculares e retangulares e que abrem, nos quatro eixos principais, para capelas pequenas que sugerem a forma de uma cruz grega.

O interior era antigamente coberto de mármore e ornamentado com mosaicos. Permanece ainda um dos melhores exemplos da arquitetura da antiguidade tardia em Roma.