Sarracenos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Jean-Léon Gérôme 016 Pelt.jpg

Sarracenos (do grego sarakenoi) era uma das formas com que os cristãos da Idade Média designavam, equívoca e genericamente, os árabes ou os muçulmanos. As palavras "islão" e "muçulmano" só foram introduzidas nas línguas europeias no século XVII. Antes disso utilizavam-se expressões como "lei de Maomé", maometanos, agarenos (descendentes de Agar), mouros, etc.

Entretanto, segundo o filósofo e antropólogo Youssef Seddik, os homens não muçulmanos, que, durante séculos após o surgimento do Islã, não tinham o direito de se nomear árabes, chamavam então a si próprios "sarracenos" ou "pagãos".

História[editar | editar código-fonte]

Nos primeiros séculos do Império Romano, o termo foi usado para designar um povo nômade árabe pré-islâmico, que habitava os desertos situados entre a Síria e a Arábia, no Sinai ou no Iêmen. A etimologia provável é a palavra árabe شرقيين sharqiyyin ("orientais"). Mais tarde, os súbditos do império que falavam grego estenderam a palavra a todos os árabes.

Segundo fontes francesas medievais, o termo sarrasins surge a partir da invasão muçulmana rechaçada na batalha de Poitiers (732) e da fixação das fronteiras do Imperio Carolíngio. Especialmente na época das Cruzadas, o termo estendeu-se a todos os muçulmanos - particularmente aos que invadiram a Sicília, no sul da Itália, e a Península Ibérica. Na cronística antiga ocidental, o termo "Império Sarraceno" foi muitas vezes usado para referir-se ao primeiro califado árabe, governado pelas dinastias omíada e abássida.

Em alguns textos cristãos, é proposta uma outra etimologia, provavelmente falsa, ou seja "sem Sara" ("Sara sine") - aludindo ao episódio bíblico da rivalidade entre Agar (mãe de Ismael, tradicionalmente considerado como o ascendente primordial dos árabes) e Sara (que gerou, segundo a tradição bíblica, o povo hebreu).

Ver também[editar | editar código-fonte]