Status social

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde abril de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.

O estatuto social ou status social é o "posto", a honra ou o prestígio anexados a posição de alguém na sociedade. Note que o status social é influenciado pela posição social. Certos comportamentos carregam estigmas que podem afetar negativamente o status do indivíduo.

Status atribuído e status adquirido[editar | editar código-fonte]

O status é atribuído quando independe da capacidade do indivíduo para sua obtenção; ele recebe este status quando nasce (por exemplo, os herdeiros de monarquias hereditárias).

O status é adquirido quando depende do esforço pessoal para sua obtenção. Dentro de uma perspectiva liberal, também denominada meritocrática, através de suas habilidades, conhecimentos e capacidade pessoal, o indivíduo pode alterar seu status ao competir com outras pessoas ou grupos e triunfar sobre eles.

A partir de outros enfoques, procede-se a uma análise mais detalhada das circunstâncias que podem levar o indivíduo à ascensão social (e aquisição de maior status), e considera-se que não apenas "capacidades e conhecimentos pessoais" são necessários para possibilitar esse ascenso, uma vez que as oportunidades de triunfar através dos próprios méritos não são as mesmas para todos, e o triunfo e ascensão de indivíduos menos qualificados, motivados por outros interesses e contatos, é, frequentemente, observado nas sociedades atuais.

Este é, de todas as formas, o tipo de status social mais comum na atualidade.

Arcaicos e modernos[editar | editar código-fonte]

Nas sociedades pré-modernas, a diferenciação do status é extremamente variada. Em alguns casos ela pode ser bem rígida, tais como no sistema de castas da Índia. Em outros casos, o status tem uma importância relativamente pequena ou pode sequer existir, como ocorre em algumas sociedades de caçadores-coletores tais como os Khoisan, algumas tribos de nativos australianos e outras sociedades não estratificadas. Nestes casos, o status está limitado a relacionamentos pessoais específicos. Por exemplo, de um homem !Kung se espera que leve muito a sério a própria sogra (a mãe de sua esposa); mas a sogra não tem status sobre ninguém, exceto sobre o genro – e somente em certos contextos.

Nas sociedades modernas, a ocupação é geralmente considerada como a principal dimensão do status, mas, mesmo nas sociedades da atualidade, outras filiações (tais como grupo étnico, religião, gênero, trabalho voluntário, fã-clubes, passatempos etc.), podem ter sua influência. Um médico, por exemplo, possui um status social mais alto do que um operário de fábrica, mas, em algumas sociedades, um médico caucasiano católico possui um status mais elevado do que o de um médico afrodescendente praticante de alguma religião minoritária.

Status é uma ideia-chave na estratificação social. Max Weber distingue status de classe social, mas alguns sociólogos empíricos contemporâneos fundiram as duas ideias num "status socioeconômico", geralmente operacionalizado como uma simples tabela de rendas, educação e prestígio ocupacional.

Inconsistência de status é uma situação na qual a posição social do indivíduo tem influências tanto positivas quanto negativas sobre seu status social. Por exemplo, um professor tem uma imagem social positiva (respeito, prestígio), a qual incrementa seu status, mas recebe um baixo salário, o que, simultaneamente, diminui seu status. Por outro lado, um criminoso pode ter uma baixa posição social, mas obter altos rendimentos.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BOTTON, Alain De, Status Anxiety. Hamish Hamilton, 2004.
  • MARMOT, Michael, The Status Syndrome: How Social Standing Affects Our Health and Longevity. Times Books, 2004.
  • SILVA, Augusto Santos, Entre a razão e o sentido, Durkheim, Weber e a Teoria das Ciências Sociais. Porto, Afrontamento, 1988.
  • SIMON, Jean-Pierre, História da Sociologia. Porto, Rés, 2000.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]