Stefano Evodio Assemani

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Stefano Evodio Assemani
Arcebispo da Igreja Católica

Título

Arcebispo titular de Apameia na Bitínia
Ordenação e Nomeação
Ordenação Episcopal 6 de outubro de 1736
Nomeado Arcebispo 1736
Dados Pessoais
Nascimento Trípoli
15 de abril de 1707
Falecimento Roma
24 de novembro de 1782 (75 anos)
Nacionalidade Itália italiana
dados em catholic-hierarchy.org
Arcebispos
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Stefano Evodio Assemani (Trípoli, 15 de abril de 1707 - Roma, 24 de novembro de 1782) foi um bibliotecário, orientalista e arcebispo católico libanês naturalizado italiano.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Assemani veio de uma família bem conhecida de libaneses cristãos maronitas de Monte Líbano, que gerou vários eminentes orientalistas e eclesiásticos,[1] neto de Giuseppe Simone Assemani, que era irmão de sua mãe, e primo de Giuseppe Luigi Assemani (filho de um irmão do pai) assim como o anterior estudou no Pontifício Colégio Maronita de Roma. Adotou o sobrenome materno Assemani, em continuidade com o do seu tio Giuseppe Simone, que o havia trazido a Roma quando Stefano era ainda criança, enquanto que o sobrenome do seu pai 'Awwād, italianizado em "Evodio", foi utilizado por ele como o nome do meio[2]

Enviado da Congregação para a Evangelização dos Povos na Síria, Mesopotâmia e Egito, em 1735 participou no Líbano do sínodo da Igreja Maronita presidido por seu tio Giuseppe Simone. Sua experiência lhe valeu a nomeação como arcebispo titular de Apameia na Bitínia. Foi em seguida nomeado pelo Papa Clemente XII consultor para a Congregação do Concílio, e sucessivamente da Congregação dos Ritos.[2]

De volta a Roma, trabalhou na Biblioteca Apostólica Vaticana como intérprete de línguas orientais, e ajudou seu tio na "Epítome de códices orientais"[3] . Foi encarregado de concluir, em Florença, o processo de canonização de São José de Calasanz, fundador da Ordem Religiosa das Escolas Pias (escolápios). Nessa ocasião, conheceu o Grão-Duque da Toscana, Gian Gastone de Médici, que o contratou para organizar o catálogo de códices de pergaminho medievais da Biblioteca Medicea Laurenziana, publicado em três volumes em 1743. Nesse período também, preparou um catálogo dos códices da Biblioteca Riccardiana. De volta a Roma, a pedido do cardeal Flavio Chigi, preparou o catálogo dos códices manuscritos da Biblioteca Chigiana[4] . A seguir preparou o seu trabalho mais famoso, Martirum Orientalium et Occidentalium ex codd. Vaticanis eruta[5] , que dedicou a João V de Portugal. Por ocasião da morte daquele rei (1750) teve a missão de escrever a oração fúnebre. Em 1768, após a morte de Giuseppe Simone Assemani, sucedeu-o na sua função de prefeito da Biblioteca Apostólica Vaticana.[2]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Stefano Evodio Assemani. Bibliothecae Mediceae Laurentianae et Palatinae codicum mms. orientalium catalogus, Stephanus Evodius Assemanus, recensuit digessit notis illustravit Antonio Francisco Gorio curante. Florentiae: ex Typographio Albiziniano, 1742 (Florentiae: ex typographia Caietani Albizzini, 1743)
  • Stefano Evodio Assemani. Laudatio in funere Friderici Augusti 3. regis Poloniae ducis Saxoniae S.R.I. principis electoris habita coram eminentissimis ac reverendissimis S.R.E. cardinalibus in aede sanctissimi Salvatoris in Lauro 8. Kal. Jun. an.1764. a Stephano Evodio Assemano archiepiscopo Apamaee. Romae: ex typographia Francisci Bizzarrini Komarek, provisoris librorum sanctae Romanae Ecclesiae in Bibliotheca Vaticana, 1764.
  • Stefano Evodio Assemani. Delle lodi di Giovanni V re fedelissimo di Portogallo orazione recitata l'anno 1751 nella solenne adunanza degli arcadi tenuta nel Bosco Parrasio in morte del medesimo da Stefano Evodio Assemani, detto in Arcadia Libanio Biblio. In Roma: nella stamperia di Angelo Rotilj, e Filippo Bacchelli nella strada del Monte della Farina, 1750.
  • Stefano Evodio Assemani. Sacrae et ecclesiasticae eruditionis amatoribus typographus. Romae prostare apud Nicolaum Brondium Bibliopolam in Foro Pasquini, ad signum S. Johannis de Deo. Dat. Romae XVII. Kalendas Septembres, anno 1747.

Notas

  1. "Assemani", mais do que um sobrenome, é um patronímico árabe que significa filho de Simão. (Giuseppe Furlani, Assemani. Em: Enciclopédia Italiana de Ciências, Letras e Artes, volume IV (Arbo-Asse), 1929).
  2. a b c Giorgio Levi della Vida, Assemani, Stefano Evodio (em italiano). Em: Dizionario biografico degli italiani, volume IV, Roma: Istituto dell'Enciclopedia Italiana, 1962
  3. Bibliothecae apostolicae vaticanae codicum manuscriptorum catalogus in tres partes distributus in quarum prima orientales in altera graeci in tertia latini italici aliorumque europaeorum idiomatum codices Stephanus Evodius Assemanus archiepiscopus apamensis et Joseph Simonius Assemanus.
  4. "Catálogo da biblioteca Chigiana apenas os sobrenomes dos autores e os títulos dos anônimos em ordem alfabética dispostos sob os auspícios do eminentíssimo e reverendíssimo príncipe Flavio Chigi do monsenhor Stefano Evodio Assemani". Em Roma : nella stamperia di Francesco Bizzarrini Komarek provisor di libri della biblioteca vaticana, 1764.
  5. S. Maruta. Acta sanctorum martyrum Orientalium et Occidentalium in duas partes distributa adcedunt Acta s. Symeonis stylitae omnia nunc primum sub auspiciis Johannis 5. Lusitanorum regis e Bibliotheca Vaticana prodeunt Stephanus Evodio Assemani archiepiscopis Apamensis Chaldaicum textum recensuit, notis vocalibus animavit, Latine vertit, admonitionibus, perpetuisque adnotationibus illustravit. Romae : Typis Josephi Collini, 1748

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]