Teos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou secção:

Teos ou Teo (em grego: Τέως; demominado: Τήϊος) foi uma cidade marítima da Jônia na costa da Ásia Menor, situada na península entre Quitrio e Mionesos, ao norte de Éfeso e 40 km ao sudoeste da atual Esmirna, perto do porto de Siğacik na Turquia.

Foi o lugar de nascimento do poeta Anacreonte, do historiador e filósofo céptico Hecateo de Abdera e do sofista Protágoras.

História[editar | editar código-fonte]

Foi fundada como colônia de Orcómeno , dirigida por Atamas aos que se uniram aos atenienses (dirigidos por Nauclo) e beócios (dirigidos por Geres). A região onde estava situada produzia muito vinho de boa qualidade e Dioniso era um dos deuses principais.

Segundo outra tradição foi fundada durante o primeiro milênio a.C por colonos de Tessália e de Atenas, esta cidade jônica passou ao domínio dos persas após a queda de Creso. Ciro, o Grande, enviou o general Harpago para submeter as cidades gregas controladas pelo Reino da Lídia, o que entranhou o êxodo de uma parte da população entre 545 a. C. e 540 a.C. para Trácia, onde foram responsáveis pela refundação de Abdera, mas uma parte dos antigos habitantes permaneceram na cidade ou regressaram pra lá após a invasão persa da Grécia.

Foi aliada de Atenas. Após o fracasso ateniense da expedição a Sicília, a cidade rebelou-se, mas foi subjugada.

Teos fez parte da união Jônica e uniu-se à Revolta Jônica contra o domínio persa, organizada pela cidade de Mileto e seu tirano Aristagoras. Foi depois membro da Liga de Delos em 476 a.C.

No século IV a.C., o porto de Teos ressurgiu graças a Antígono I Monoftalmos. Segundo as fontes, o filósofo Epicuro estudou com um discípulo de Demócrito em Teos.

No século II a.C. ainda era próspera, apesar das desordens do mundo helenístico e foi construído nesta cidade o maior templo consagrado a Dioniso do mundo antigo, sob a direção do arquiteto Hermógenes.[desambiguação necessária] Este templo, em parte reconstruído, foi consagrado ao culto de Tibério e depois ao do imperador Adriano na época romana.

A cidade tinha dois bons portos, o principal ao sul, enterrado hoje, e outro secundário ao norte utilizado hoje em dia pelos pescadores de Siğacik. Um dos portos é chamado Gerraidai por Estrabão e Geraesticus por Tito Lívio.

Na guerra de Roma contra o selêucida Antíoco I Sóter, este foi derrotado perto de Teos pela frota romana e a dos ródios.

Ainda se conservam restos de Teos perto da aldeia turca de Siğacik, especialmente um teatro, o templo de Dioniso e as muralhas. Algumas inscrições fazem menção aos tratados com Roma, com Etólia e com algumas cidades de Creta e outros estados, reconhecendo a inviolabilidade do território de Teos, a preeminência do deus Dioniso e o direito de asilo.