Thomas Young

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Thomas Young
Física, medicina e egiptologia
Nacionalidade Reino Unido Britânico
Nascimento 13 de junho de 1773
Local Milverton
Morte 10 de maio de 1829 (55 anos)
Local Londres
Atividade
Campo(s) Física, medicina e egiptologia
Instituições Royal Institution, Board of Longitude
Conhecido(a) por Módulo de Young, experiência da dupla fenda

Thomas Young (Milverton, 13 de junho de 1773Londres, 10 de maio de 1829) foi um físico, médico e egiptólogo britânico.

Em 1801 foi nomeado professor de filosofia natural (principalmente física) do Royal Institution.

Conhecido pela experiência da dupla fenda, que possibilitou a determinação do carácter ondulatório da luz. Young exerceu a medicina durante toda a sua vida (primeiros trabalhos sobre o cristalino com 26 anos de idade), mas ficou conhecido por seus trabalhos em óptica, onde ele explica o fenômeno da interferência e em mecânica, pela definição do módulo de Young. Ele se interessou também pela egiptologia, participando do estudo da Pedra de Roseta. Era considerado um gênio; poliglota (falava 14 línguas), dominava a física, os clássicos, a história, construía instrumentos e era conhecido como "o homem que tudo sabe".

Publicações selecionadas[editar | editar código-fonte]


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) físico(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.



Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em uma família de quacres em 1773, na aldeia inglesa de Milverton. Foi o primogênito de dez filhos, passando seus primeiros sete anos de vida na casa dos avós maternos. Esses incentivaram a sua curiosidade em todas as direções. Lia com facilidade aos dois anos de idade e leria a Bíblia aos quatro. Os anos seguintes foram passados em diversos internatos, por fim, aos treze anos, deixa a Compton School, em Dorsetshire. Young continua seus estudos como autodidata lendo entre outras obras Principia Mathematica e Opticks, de Newton, enquanto estendia seu repertório de línguas. Ele optou por ser médico e partiu para Londres em 1792. No ano seguinte leu seu primeiro ensaio científico, “Observations on Vision”, perante a Royal Society. Seu relatório teve como consequência sua eleição como membro da Royal Society, que aconteceu em 1794. Passaram-se vários anos de estudos médicos em Edimburgo e Gottingen, onde redigiu uma dissertação sobre a produção humana do som. Em 1797, Young voltou a Inglaterra e para a Cambridge University, para seu mestrado. Volta para Londres com os títulos de M.D. (doutor em medicina) e F.R.S (membro da Royal Society). Em 1800 Young recebe o convite para lecionar física na Royal Institution e aceita. Em 1802 antes de se demitir, alegando que o cargo interferia na sua prática da medicina, proferiu trinta e uma palestras na instituição. Essas palestras foram publicadas em 1807, como “A course of Lectures on Natural Philosophy and the Mechanical Arts”. As palestras de Young abrangeram o que deve ter sido a maior parte do conhecimento científico da época: gravitação, leis de Newton, o sistema solar, vida animal, reino vegetal, máquinas hidráulicas, carpintaria, natureza do som e da luz.

Pesquisa[editar | editar código-fonte]

Experiência da dupla fenda[editar | editar código-fonte]

Experiência da dupla fenda

Especulações sobre a natureza da luz remontam à Antiguidade. Por volta da segunda metade do século XVII, duas amplas classes de teorias haviam sido estabelecidas, uma favorecendo as partículas, e outra as ondas. A primeira dessas classes era associada a Isaac Newton e defendia que a luz era composta de minúsculas partículas, corpúsculos. A outra sustentava que a luz era transmitida da mesma forma que o som, por ondas, e seus defensores eram: René Descartes, Christiaan Huygens, Robert Hooke e Leonard Euler. Teorias tanto sobre ondas quanto sobre corpúsculos podiam explicar porque a luz segue geralmente em linha reta, a lei do reflexo e a refração. O teste decisivo entre as teorias rivais parecia localizar-se na difração e interferência. A experiência da dupla fenda de Thomas Young, realizada em 1800 e anunciada perante a Royal Society de Londres, é um ponto de virada crucial na história da ciência, pois prova após um século de debates , que a luz não era composta de partículas, mas existia na forma de onda. Até hoje, todos os calouros de física repetem a experiência de Young no laboratório. Nesta, um feixe de laser é passado por duas fendas estreitas, separadas por uma fração de milímetro, gravadas em uma lâmina opaca. Em uma parede distante, em vez de um único feixe ou raio, o que vemos é uma série de faixas claras e escuras, que chamamos de franjas de interferência. A grande contribuição de Thomas Young para a ciência da óptica foi sua teoria das ondas e sua explicação do princípio da interferência. Juntos os trabalhos de Young, Arago, Fresnel e outros forçaram gradualmente a aceitação da teoria das ondas para a luz, e a teoria corpuscular foi finalmente abandonada por volta de 1830.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Rothman,Tony.Tudo é Relativo: e outras fábulas da ciência e tecnologia.Rio de Janeiro:DIFEL,2005